"A corrupção é o cavalo de batalha de todas direitas". Entrevista com o antropólogo equatoriano Mauro Cerbino

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • Vaticano. Aos irmãos de Becciu 1,5 milhão de euros do dono de empresa de petróleo angolano

    LER MAIS
  • Pós-humano: o desafio de falar do humano e de seu valor. Mudança de época. Artigo de Paolo Benanti

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


09 Setembro 2019

Atualmente, Rafael Correa denuncia uma perseguição política do atual presidente, Lenin Moreno. Mas a mudança no sinal político equatoriano é ainda mais profunda: a transição para uma direita mais radical é imposta com pouca resistência social, observa Mauro Cerbino. Em diálogo com Página/12, o pesquisador da Flacso Ecuador analisa as características do governo de Moreno em um cenário regional de virada à direita que veio para ficar. Embora ele avise que os resultados das eleições na Argentina são o exemplo para "repensar os povos da América Latina".

A entrevista é de Natalia Aruguete, publicada por Página/12, 09-09-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

Eis a entrevista.

Que implicações a mudança de sinal político tem na região?

Na região, estamos observando o retorno das direitas e o declínio desses processos que poderíamos definir como progressistas. Estamos acostumados a um movimento cíclico na região, mas nunca devemos esquecer quem são os que têm o poder real: o poder dos bancos e das finanças, os poderes militares, os poderes da opinião, a grande mídia. Grandes poderes factuais nunca descansam. Quando vivem momentos lhe são contrários ou que os afetam, pressionam por uma mudança. Quando a direita retorna, faz isso com mais força, porque é capaz de neutralizar a energia existente.

A que "poder existente" se refere?

A potencialidade que foi expressada na construção política anterior a este governo. O presidente Lenin Moreno é, na verdade, uma transição mais radical para a direita, que poderia vir em breve e que teria o grande poder de enterrar, desativar e esvaziar, significando aquele vocabulário que, durante o governo de Rafael Correa, foi capaz de sustentar discursivamente uma ação política nova e alternativa.

Qual a importância dos discursos para a ação política?

O vocabulário é importante! O governo de Correa, de 2007 a 2016, decidiu construir uma nova terminologia política; que tiveram efeitos na construção de subjetividades, principalmente nos setores populares. Um dos dispositivos mais importantes da ação política de Correa eram os "Links" todos os sábados. Nesse espaço, ele era nutrido pelos principais significantes daquele vocabulário político que marcavam a diferença com o passado; esses significantes poderiam ter a capacidade de influenciar o que Gramsci chamava de "senso comum". Como transformamos o senso comum que vem configurando a grande mídia? Disputando significantes! No Equador, não apenas a direita virá, mas essa direita terá a capacidade de esvaziar o vocabulário.

Por que esses significantes foram desativados?

Esses significantes se tornaram carne nos setores populares. Sempre havia uma identificação com o líder; caiu o líder, o discurso também é esvaziado. A conquista atual é que a construção desses significantes foi revertida e, em vez disso, a corrupção é colocada na agenda pública. A corrupção é o cavalo de batalha de todas as direitas do mundo. Foi um grande ataque sobre o impacto emocional, lidando com o problema de corrupção política atribuída ao governo anterior. Isso neutralizou qualquer possibilidade de manter vivos aqueles significantes.

Por que você acha que é tão eficaz instalar a corrupção como um item da agenda?

A corrupção tem muito apego, principalmente na classe média. Não apenas porque é bem orquestrada pelo discurso político do atual governo equatoriano e pela mídia, mas porque vai diretamente para a psicologia do cidadão de classe média.

Como essa psicologia funciona?

O raciocínio é: "Como é possível que aqueles que nos fizeram acreditar nisso, naquilo e naquela outra coisa estavam retirando partes do recurso público? E como é que possível que eu não participar na partilha do bolo?" Não se esqueça que na classe média, em vez de um coletivo é um "conjunto de eus". O que paga o ressentimento da classe média não é apenas o fato de os atos de corrupção terem sido cometidos, mas o fato de não ter participado dessa distribuição. E esse argumento é muito eficaz no lado do receptor. Meu foco não está em como esse discurso é armado pelo governo ou pela mídia, mas em como atinge as pessoas, porque as pessoas se sentem decepcionadas, mas não tanto porque a corrupção não é justa, mas porque afeta seu bolso.

Quais fatores explicam a desativação da figura de Rafael Correa, tratando-se de um ex-presidente que terminou seu mandato com uma imagem positiva?

Do ponto de vista simbólico, pesa muito que Correa tenha ido para outro país logo depois que ele terminou seu governo. Em alguns casos, isso deve ter produzido algum tipo de cicatriz. Eu acho que essa decisão teve suas falhas em termos simbólicos. Depois, há os quadros intermediários desse movimento que nunca quiseram ser divididos. Não é possível construir um cenário político se uma organização que se assemelha à estrutura de um partido não for criada. A idéia de movimento dura um tempo, mas deve se tornar outra coisa, especialmente quando o movimento político tem aspirações governamentais. Portanto , quando o grande líder que personificou o processo cai, o que inclui públicos muito diferentes em coletividades — não apenas as classes mais plebeias ou parte das classes médias, mas também convenceu outros setores — que se identificavam com esse líder, não há substituição. Essa liderança forte permitiu que o processo fosse mantido ao longo do tempo. Mas o líder não é para a vida. Portanto, quando o líder cai, ele mostra a sua "costura" e, com ela, seus limites. O populismo em geral tem esse paradoxo: uma liderança forte às vezes acelera os processos de mudança e, ao mesmo tempo, representa um limite devido à incapacidade de ser substituído.

Como tornar esses processos sustentáveis, além daqueles líderes fortes?

É preciso raciocinar sobre a substituição, os líderes não são eternos. No caso venezuelano, como no equatoriano e boliviano, parece que os próprios líderes que cederam a esses processos bloquearam a possibilidade de gerar quadros que mais tarde poderiam se tornar líderes em potencial.

Até que ponto a polarização política é uma condição dos governos de direita na região?

Acho que o tempo de polarização acabou. Hoje, no Equador, há um governo que está lidando com a crise e tentando gerenciar a transição para uma direita mais radical. Mas o nosso não é um país polarizado; Eu não saberia o que os polos estão enfrentando. Também a esse respeito, deve-se perguntar sobre a responsabilidade do governo anterior.

Por que diz isso?

O governo anterior também neutralizou, inclusive, as capacidades mínimas de resistência e protesto que poderiam persistir neste país. Ele desarticulou os movimentos sociais, desprezando-os. Um país sem movimentos sociais perde a espinha dorsal e, portanto, a possibilidade de organizar politicamente qualquer ação de protesto. Hoje estão reformando, quase mutilando, a Lei de Comunicação, como fizeram na Argentina com a Lei de Serviços Audiovisuais. Fizemos alguns anúncios e várias tentativas, mas temos certeza de que vamos perder. Onde está a capacidade de se organizar politicamente e gerar pressão sobre o governo ou o Parlamento para não voltar antes de 2007? A polarização, em suma, é um sinal político muito importante, é a essência da política. Eu, por outro lado, vejo uma sociedade política neutralizada, esvaziada de vocabulário progressivo. Vejo um governo que está administrando uma transição para a direita radical e não vejo possibilidade de resistência e oposição de qualquer tipo.

Como observa essa “transição” do governo de Moreno, no aspecto econômico e social?

Do ponto de vista econômico, não tivemos grandes choques como os que vivem na Argentina. Embora tenha havido alguma mudança na política econômica. Nos anos anteriores, estávamos pensando em nacionalizar empresas e agora, em vez disso, estamos privatizando empresas estatais. Há retrocessos no papel da mídia e no famoso padrão de distribuição de espectro de rádio. Mas, do ponto de vista macroeconômico, o que está sendo feito nem produz reações dos setores da sociedade.

E em áreas como educação e saúde?

Estas áreas sensíveis foram mantidas. No ensino superior, o mesmo orçamento foi mantido. Inicialmente, queria-se reduzir, mas imediatamente as reações contra essa medida começaram e retornaram aos orçamentos anteriores. Do ponto de vista econômico, esse governo está tentando suportar o máximo possível, embora a dívida esteja aumentando. Para este ano, são planejados cerca de oito bilhões de dólares em novas dívidas, além do mais, caras.

Caras?

É uma dívida importante, contratada com juros próximos a 11%. De fato, estamos falamos sobre o Fundo Monetário Internacional — FMI. No período em que esse governo está tomando, as decisões foram tomadas do ponto de vista do impacto discursivo, usando o slogan “o governo de todos”. Uma coisa que obviamente faz as pessoas rirem, porque um governo nunca pode pertencer a todos. Eles pretendem mostrar que em todos os espaços há momentos de deliberação que são traduzidos em políticas públicas. Mas é apenas uma maquiagem, uma retórica. E a mídia se alinhou ao governo sem muito esforço.

Você observa mudanças no mercado de trabalho nesses dois anos do governo de Lenin Moreno?

O subemprego aumentou mais do que o desemprego. Mas, diferentemente da Argentina, esse país viveu uma espécie de bolha nos últimos anos, onde foi possível produzir uma série de medidas. Por exemplo, a eliminação da terceirização.

Como foi possível eliminar a terceirização?

Na verdade, não se pode reduzir os custos de mão de obra contratando terceirizados para realizar atividades que as empresas são capazes de realizar com seu próprio pessoal. Além disso, o Estado foi o grande investidor. Ou seja, de 2007 a 2014, o grande fluxo de investimentos no Equador foi direcionado pelo Estado, em parte graças aos níveis muito altos de petróleo, aos quais algumas ações bem desenvolvidas foram adicionadas pelo governo Correa. Então a crise começou e, em 2016, o grande terremoto.

Entre essas ações, inclui a investigação e a reestruturação da dívida externa?

A redefinição da dívida foi benéfica. Houve um tempo de maior efervescência econômica que permitiu ao Estado investir muito dinheiro em obras e que gerou mais trabalho. A burocracia cresceu muito durante o governo anterior, com um aumento acentuado de empregos. Hoje, mostra que há um problema, mas ainda não é muito perceptível. Há desemprego, mas não é tão importante quanto em outros países. É por isso que digo que não há razão que nos faça pensar na possibilidade de um surto. O que existe é uma ameaça permanente de sair da dolarização. E esse é um recurso discursivo que o governo usa muito com a ameaça de: "se não fizermos as coisas direito...", "se não cuidarmos das contas...", "se não reduzirmos os gastos públicos ...".

O que você acha que poderia acontecer nas próximas eleições?

Nosso país está claramente dividido entre serra e costa. No litoral, encontra-se o maior número de empresas exportadoras de banana, camarão, das mercadorias que o Equador exporta. Mas na costa também estão os líderes da direita tradicional, muito conservadores e radicais. Neste governo, estamos vendo como, em certas posições-chave, há pessoas que vêm da costa. O desconhecido, por enquanto, é entender o comportamento político da serra e, especialmente, de Quito, e ver se o que resta da revolução cidadã — o movimento de Correa — é capaz de se reorganizar eleitoralmente.

Que postos chave você se refere, pontualmente?

O vice-presidente vem de uma família de negócios de Guayaquil, é um jovem de pouco mais de 30 anos. O presidente encomendou as principais funções relacionadas à economia, mais especificamente o relacionamento com as empresas. Parece que com este governo há uma entrada gradual das elites da costa, em particular as elites de Guayaquil. As elites da costa foram muito atrasadas do ponto de vista do exercício do poder estatal, e esse parece ser o momento de sua entrada. Espero estar errado, mas quando a direita volta, ela volta para permanecer, permanecer por mais tempo do que os governos progressistas poderiam permanecer quando as condições para governar sob uma perspectiva não-correta foram cumpridas. Porque os tempos da direita são sempre mais longos que os tempos do progressivismo e da esquerda. O centro não existe na política. E a direita no Equador não é uma direita conservadora no estilo do conservadorismo europeu. É uma direita muito mais retrógrada e desigual.

Você acha que o triunfo da fórmula Fernández-Fernández nas eleições na Argentina terá algum efeito em nível regional?

Pode ser, considerando também a magnitude da diferença obtida no PASO em relação à coalizão liderada por Macri. Poderia ser um exemplo interessante de repensar os povos que na América Latina se voltaram para a direita, depois de capitalizar alguns desconfortos produzidos em governos progressistas. Mas, acima de tudo, por não ter aprofundado esses governos em reformas estruturais para uma sólida mudança política em nossas sociedades.

-

Quem é Mauro Cerbino?

No início de seu currículo, ele lê com clareza: o objetivo de Mauro Cerbino é colaborar com diferentes instituições na "compreensão de diferentes atores sociais e culturais — especialmente jovens — e de mídia, comunicação política e comum". É doutor em Antropologia Urbana pela Universidade Rovira i Virgili, foi decano do Departamento de Estudos e Comunicação Internacionais da Flacso Equador e atualmente integra o Caces, equivalente ao Coneau argentino.

Em uma combinação de vigilância epistemológica e consequência política, Cerbino explorou as mais diversas experiências sociais: após anos estudando organizações de jovens de rua, ele entrou no coração da mídia comunitária no Equador. Sua pesquisa foi refletida em vários livros: O lugar da violência (Taurus-Flacso), Além das gangues (Flacso) e Por uma comunicação do comum (Edições CIESPAL).

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A corrupção é o cavalo de batalha de todas direitas". Entrevista com o antropólogo equatoriano Mauro Cerbino - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV