Clima: uma dieta vegetariana reduz o consumo do solo em 35-50%

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Agosto 2019

Preferir uma dieta vegetariana a uma dieta tradicional carnívora pode reduzir em 35-50% o consumo de terras cultivadas, agora cada vez mais “ocupadas” pela criação intensiva para produção de carne. É o resultado de um estudo realizado pelo Bard College (New York) publicado na Scientific Reports, que também sugere como essa escolha poderia reduzir o uso de fertilizantes nitrogenados e emissões de gases de efeito estufa, embora, por outro lado, aumentaria o uso de água para fins alimentares. Os cientistas estão à procura de soluções para mitigar os efeitos do aquecimento global, que o IPCC confirma hoje com o seu relatório "Mudança climática e território" nos obrigará a rever também os nossos hábitos alimentares.

A reportagem foi publicada por La Repubblica, 08-08-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

A substituição de carne por alternativas vegetais foi estimada "em cerca de 29 milhões de hectares de terras cultivadas economizados a cada ano, 3 bilhões de kg de fertilizantes nitrogenados e 280 bilhões de kg de dióxido de carbono a menos na atmosfera dos EUA a cada ano".

Os pesquisadores usaram um modelo computadorizado para criar centenas de dietas vegetarianas que tivessem o mesmo teor de nutrientes que aquelas carnívoros (com base em tofu, pimenta verde, abóbora, trigo sarraceno e espargos), de modo a substituir tanto a carne vermelha como todos os três tipos de carne que dominam as mesas dos EUA: carne bovina, aves e suínos.

"O trigo sarraceno e o tofu forneceram em conjunto um terço do total de proteínas, mas representaram apenas 12% do fertilizante nitrogênio e da água consumida e menos de 22% das terras cultivadas necessárias para produzir as carnes - observam os autores. A soja contribuiu com a maior parte da proteína para dietas "verdes", mas representava apenas 6% do total de fertilizantes nitrogenados necessários para produzir carne bovina".

Essa pesquisa do Bard College não é a primeira avaliação a apoiar uma dieta vegetariana para salvar o planeta. Pesquisadores de Oxford calcularam que reduzindo drasticamente o consumo de carne e produtos lácteos se chegaria a uma redução de 75% no uso de terras agrícolas. Mudar a dieta, segundo o Fórum Econômico Mundial, reduziria as mortes em até 5% nos países mais ricos, além de limitar as emissões de gases de efeito estufa. O impacto sobre os recursos hídricos foi verificado por um comitê científico interno à Comissão Europeia, que na mudança da dieta estimou uma redução no consumo de água no nível global de 11-35% para as dietas contendo pouca carne, 33- 55% para dietas à base de peixe e 35-55% para dietas vegetarianas. No início do ano, na França, a dieta sustentável foi lançada nas redes sociais pelo movimento "segunda-feira verde", um evento semanal promovido para se acostumar a renunciar a carne e peixe, para a saúde e o meio ambiente.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Clima: uma dieta vegetariana reduz o consumo do solo em 35-50% - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV