Colômbia. Um ano de governo impopular

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco: “O que o Evangelho nos pede é ser povo de Deus, não elite de Deus”

    LER MAIS
  • “Eu fui nomeado o quê? Um carnaval” – a surpresa de um padre de 80 anos

    LER MAIS
  • “Não gosto da roupagem que colocam em nós cardeais, é cara e de príncipe”. Entrevista com o novo cardeal mexicano Felipe Arizmendi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Wagner Fernandes de Azevedo | 08 Agosto 2019

Iván Duque é um político de pouca experiência. Aos 43 anos, teve um mandato como senador, sendo o sétimo da lista de seu partido, mas eleito na carona da principal liderança política colombiana. O ex-presidente Álvaro Uribe, o padrinhou, e o escolheu para ser o representante da corrente uribista nas eleições presidenciais de 2018. E venceu. Há um ano, em 07-08-2018, tomou posse como presidente, e desde então aprofundou as incertezas e a polarização no país. Eleito com certa folga no segundo turno, com 54% dos votos, possui hoje uma porcentagem ainda maior da desaprovação de sua gestão.

A eleição de Iván Duque começou a ser costurada ainda em 2016, a partir do referendo para o Acordo de Paz com as FARCs, construído pelo ex-presidente Juan Manuel Santos. Desde lá, Uribe impôs sua influência política ao movimento que se consagraria com a eleição folgada de Iván Duque. A rejeição ao Acordo de Paz venceu o referendo por 60 mil votos, e expôs um país polarizado.

A vitória de Duque foi uma afirmação da corrente uribista em manter a política de guerra contra os grupos paramilitares. Os acordos construídos pelo governo anterior ficaram incertos, e em um ano pouco se avançou pelos esforços do oficialismo em alcançar a paz no país. No início de 2019, o presidente tentou inclusive modificar a lei que regulamentava o processo de justiça de transição regimentado pela Justiça Especial para a Paz — JEP, ação que deixou em dúvida quem era o verdadeiro governante do país - o presidente ou o seu padrinho, Uribe.

Os entraves para o Acordo de Paz acentuaram a polarização no país. Os protestos pelo país se intensificaram tanto nas ruas, quanto no Congresso. Internamente, no seu partido Centro Democrático, os uribistas mais radicais o veem como moderado e sem manejo político.

Outro fator que acentua sua impopularidade é o desemprego, que em junho de 2019 aumentou 0,3% em comparação a junho de 2018, chegando a 9,4%. Na semana passada, o ministro da Fazenda Alberto Carrasquilla declarou que o governo não conseguiu identificar as causas e nem a solução para o tema. De acordo com uma pesquisa feita pelo instituto Invamer, e divulgada no início dessa semana, 27% dos colombianos apontam o desemprego como o principal problema do país.

Nesse primeiro ano, Duque deu ênfase à política externa em relação à crise venezuelana, encabeçando as ações contra Nicolás Maduro na região. Foram ao menos quatro encontros com representantes do governo estadunidense para discutir a situação, além de acolher em Bogotá uma reunião de emergência do Grupo de Lima com o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó. No entanto, esse é o tema de menor relevância para a população colombiana, de acordo com a mesma pequisa Invamer, 3,6% da população considera a crise no país vizinho como um problema para a Colômbia.

Ao todo, o presidente - ou subpresidente para alguns críticos - perdeu 24% de popularidade desde que começou o governo. A taxa de desaprovação é de 56,4%, de acordo com a Invamer, e de acordo com outra pesquisa, feita pelo Centro Nacional de Consultoria - CNC, 54% dos colombianos tem uma imagem negativa. Em Bogotá, por exemplo, a desaprovação chega a 70,8%, duplicando em relação ao início do seu governo.

A pesquisa da CNC também revela que apenas 14% dos colombianos veem que Uribe deve ser influente no governo, enquanto 58% acreditam que Duque precisa se aproximar dos outros partidos.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Colômbia. Um ano de governo impopular - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV