Honduras. Jesuítas denunciam abusos do governo

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • "É hora de reaprender a arte de sonhar com os xamãs nativos"

    LER MAIS
  • Uma visão do suicídio no Brasil em resposta à outra visão apresentada

    LER MAIS
  • “É triste ver cristãos acomodados na poltrona”. O alerta do papa Francisco contra a acídia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Julho 2019

Os jesuítas denunciaram a repressão por parte do governo hondurenho contra os protestos dos últimos dois meses em Honduras. Tais manifestações foram provocadas por iniciativas de privatização por parte do Estado. A repressão terminou por causar morte e graves ferimentos a professores, estudantes, trabalhadores da saúde e outros cidadãos hondurenhos que se manifestam pela proteção dos sistemas de saúde e educação.

A informação é publicada por CPAL Social, 25-07-2019. A tradução é de Wagner Fernandes de Azevedo.

"Lamentamos a grave crise social e política vivida pela população hondurenha como resultado da violação histórica dos direitos fundamentais, deterioração do estado de direito e como consequência das práticas erráticas e corruptas de políticos e tomadores de decisão na administração pública", os jesuítas de Honduras escreveram em uma declaração, em nome de todas as suas obras apostólicas no país.

Gás lacrimogêneo e balas foram usados contra manifestantes, resultando em vários ferimentos e várias mortes, incluindo a de Eblin Noel Corea Maradiaga, de 17 anos, que foi morto por um tiro durante um protesto em 19 de junho.

O embaixador canadense em Honduras denunciou o uso indevido de veículos doados por seu governo para melhorar os serviços de saúde. Estes foram utilizados por militares hondurenhos para o transporte de soldados.

Os jesuítas expressam sua solidariedade às vítimas da repressão pelas forças de segurança e denunciam as campanhas de difamação e outras tentativas do governo local de criminalizar jornalistas e defensores dos direitos humanos, como Pe. Ismael Moreno, SJ (também conhecido como padre Melo).

Os esforços para desacreditar o padre Melo não são novos. Em dezembro de 2017 (em inglês), circulou um panfleto nas mídias sociais hondurenhas, acusando-o falsamente, ainda outros oito líderes regionais, de incitarem a violência e se envolverem no narcotráfico. No início daquele ano, o padre Melo foi falsamente acusado (em inglês) pelo presidente de uma universidade hondurenha por promover a anarquia e gerar violência entre os estudantes da escola. Em ambos os casos, os jesuítas e outros líderes eclesiásticos e defensores dos direitos humanos defenderam o trabalho do padre Melo e dos dois ministérios que ele dirige, a Equipe de Reflexão, Pesquisa e Comunicação da Companhia de Jesus em Honduras (ERIC) e Rádio Progresso.


Padre Ismael Moreno, SJ — ou Padre Melo. Foto: Rhina Guidos | Catholic News Service

Os jesuítas no Canadá e nos Estados Unidos juntam-se a seus irmãos em Honduras. Erik Oland, SJ, provincial dos jesuítas do Canadá, disse: "Os próprios fundamentos do que significa ser católico para apoiar aos mais pobres dos pobres e o trabalho daqueles que procuram servi-los estão em perigo".

A Conferência Jesuíta do Canadá e o Escritório de Justiça e Ecologia dos Estados Unidos assinaram uma declaração com outras organizações não-governamentais pedindo ao governo hondurenho que ordene às forças de segurança que "ponham fim imediatamente ao uso excessivo da força contra manifestantes "e" retirar as forças militares e a polícia militar em resposta a protestos ", bem como cessar as ameaças contra defensores dos direitos humanos e jornalistas.

Os jesuítas de Honduras adotaram o chamado dos bispos hondurenhos para trabalhar "de acordo com a dignidade da pessoa humana e na busca do bem comum". Sua declaração conclui dizendo que "a mudança para melhor é possível" e pede um compromisso para "alcançá-la em solidariedade".

Leia a declaração completa dos jesuítas, neste link (em espanhol).

Leia do declaração do Escritório de Justiça e Ecologia dos Estados Unidos, neste link (em espanhol)

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Honduras. Jesuítas denunciam abusos do governo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV