“Padres da comunidade”, casados ou não

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Julho 2019

O próximo Sínodo da Amazônia poderia abrir caminho para novas formas de governo na Igreja. E não apenas favorecer a experiência de padres casados.

O artigo é de Jesús Martínez Gordo, publicado por Settimana News, 07-07-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o artigo.

A pedofilia na Igreja, o acesso das mulheres ao ministério ordenado, a reforma da cúria e o sínodo da Amazônia são os grandes desafios para Francisco neste ano. E se é verdade que enfrentou corajosamente o primeiro deles e que a reforma da cúria do Vaticano parece estar bem encaminhada, também é verdade que não encerrou o debate sobre o acesso das mulheres ao diaconato e, portanto, ao sacerdócio.

Depois do verão, é a vez do Sínodo da Amazônia; um encontro em que retornam à mesa três referências capitais do pontificado do Papa Bergoglio: a preferência pelos pobres e as periferias do mundo, a reforma das comunidades cristãs e a criação de um novo modelo de governo da Igreja.

Víctor Codina é um dos teólogos especialistas, nomeado por indicação da Rede Eclesial Pan-Amazônica e coeditor do documento preparatório do Sínodo do próximo outubro.

Nesse texto, escrito após consultar 100 mil pessoas de 170 etnias indígenas e nove países da região, sustenta-se que os problemas que afetam a Amazônia sejam: a violência sistemática na forma de violação dos direitos humanos, especialmente em relação às mulheres, o tráfico de drogas, a disseminação do consumo de drogas, a destruição das culturas, as migrações forçadas, o tráfico de seres humanos e os assassinados de líderes indígenas e populares.

Parece-me - como disse muito bem Víctor Codina - que os cidadãos do Primeiro Mundo estejam interessados no debate que se abriu sobre padres casados, mas - por favor - não deixem que as árvores vos impeçam de ver a floresta da tragédia humana e ambiental que estão provocando os interesses de grandes multinacionais com a busca compulsiva de recursos naturais (madeira e metais), a construção de infraestruturas (pântanos e estradas), a grilagem de terras e, naturalmente, a poluição do solo, das águas e do ar.

No signo dessa "urgência maior" deve ser entendida a proposta de uma Igreja de rosto amazônico, ou seja, uma Igreja que defenda o território e a vida de seus membros, feminina, descentralizada, descolonizada, promotora das vocações indígenas e habilitada a ordenar sacerdotes "indígenas", "respeitados e aceitos por sua comunidade, mesmo que já tenham uma família estável e constituída".

As reações em algumas Igrejas do Primeiro Mundo não se fizeram esperar: o card. W. Brandmüller e a extrema direita dos EUA definiram o documento preparatório e a proposta de ordenar sacerdotes casados o fruto de uma conspiração subversiva encorajada pela Igreja alemã para abolir o celibato.

Aqui está - eu respondo a eles - uma cortina de fumaça com a qual esconder a "urgência maior", tão presente no sinal de alarme de Víctor Codina.

Mais razoável, parece-me, o que declarou o card. W. Kasper: a partir de agora, caberá a cada conferência episcopal "decidir se é favorável" a implementar algo semelhante ao que será debatido - e provavelmente aprovado - no próximo Sínodo e que, naturalmente, será submetido à aprovação do Papa.

E também o que foi dito por François Glory, missionário no Brasil há trinta anos e por Antônio José Almeida, um estudioso do problema.

Para o primeiro dos dois, "a ordenação de homens casados pode fortalecer o clericalismo", porque as comunidades de base amazônicas funcionam graças à divisão dos diferentes serviços realizados por equipes de leigos. O surgimento dessa nova modalidade poderia acabar por concentrar tudo de novo no padre, mesmo que casado. Com essa proposta - conclui – não se resolve o problema.

Pode ser resolvido - ressalta, por sua vez, Antônio José Almeida - se forem promovidos os “sacerdotes da comunidade” que, casados (ou não), reforçam a corresponsabilidade das equipes de leigos nos setores da anunciação, do culto e da caridade ou da justiça, de maneira especial, devido à presença dos cristãos nas periferias do mundo e a comunhão eclesial. Em suma, quando se favorece um novo modelo de padre que - nos antípodas daquele que predomina na maioria das Igrejas do Primeiro Mundo - celebra os sacramentos para que sustentem a missão e a comunhão eclesial.

Em última análise, neste Sínodo se recupera uma forma de governo que, embora possa parecer "revolucionária" para muitos, é muito tradicional: as comunidades propõem alternativas que o papa ratifica, se considerar a instância fundada.

À luz dessa prática (de baixo para cima), pode se abrir uma época em que aumentará o número de Igrejas que desejem diagnosticar sua situação e debater seu planejamento futuro.

A Alemanha decidiu seguir esse caminho. Mas quando o farão os bispos, pelo menos aqueles do País Basco? Não perco a esperança de que algo similar aconteça entre nós; embora existam aqueles que, considerando as decisões de caráter econômico que recentemente estão sendo feitas, pensam que eu esteja pedindo a lua.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Padres da comunidade”, casados ou não - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV