Colômbia. Dados alarmantes sobre mortes e ameaças recebidas de líderes sociais

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Mas Francisco está sozinho, como diz Marco Politi? Um valioso livro de análise do pontificado. De qualquer forma, Francisco deu início a um novo curso na Igreja

    LER MAIS
  • Cardeal peruano defende agenda do Sínodo amazônico após ataques de Müller e Brandmüller

    LER MAIS
  • Padilha: suspensão de programa de medicamentos gratuitos coloca vidas e empregos em risco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Julho 2019

Pelo menos 983 líderes sociais, dos quais quase a metade são mulheres, foram ameaçados de morte na Colômbia. A denúncia é de Carlos Negret, chefe da Defensoria del Pueblo, agência responsável pela defesa dos direitos humanos no país. Negret, durante um encontro sobre a proteção da vida das mulheres realizado em Cali, apontou que apenas entre março de 2018 e maio de 2019 foram ameaçadas 447 mulheres defensoras dos direitos humanos, treze foram agredidas e vinte foram mortas.

A informação foi publicada por L'Osservatore Romano, 8/9-07-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Esses casos aumentaram em cerca de 50% no país e, pior ainda, em meio à impunidade, já que de três em cada quatro casos a autoria do crime não foi estabelecida. Negret espera que as autoridades não ignorem mais as mensagens intimidadoras, especialmente quando provêm de grupos paramilitares.

Recentemente, foi divulgado um relatório do Instituto Colombiano de Estudos para o Desenvolvimento e Paz (Indepaz), segundo o qual, entre 1º de janeiro de 2016 e 20 de maio de 2019, 837 líderes sociais, incluindo mais de 700 defensores dos direitos humanos e 135 ex-combatentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) foram mortos no país.

O ataque à vida de uma pessoa comprometida em melhorar o seu país é um ataque direcionado a toda a sociedade: sobre esse princípio, os bispos do Pacífico e do Sudoeste às vésperas da assembleia plenária do episcopado colombiano, realizada de 1º. a 6 de julho, reiteraram que o governo deveria "garantir a proteção das pessoas que trabalham para o bem de suas comunidades".

Precisamente sobre os temas da violência, com os assassinatos sistemáticos de líderes sociais e defensores dos direitos humanos, sobre as dificuldades da realização no plano social e político dos acordos de paz firmados com as FARC e sobre o impasse das negociações com os militantes do Exército de Libertação Nazionale (ELN) se direcionou a atenção e a reflexão do episcopado colombiano durante a plenária. Os trabalhos terminaram no sábado com a celebração eucarística no santuário mariano da Virgem do Rosário de Chiquinquirá, padroeira da Colômbia, por ocasião do centenário da coroação.

Data de 3 de julho, em ordem de tempo, o último assassinato de um líder social. Trata-se da ativista de 35 anos, Tatiana Paola Can Espitia. A mulher, que aspirava entrar no conselho municipal de El Copey, foi morta em uma emboscada em frente à sua casa em Cesar, por dois assassinos que feriram gravemente inclusive o motorista do taxi em que Tatiana estava prestes a embarcar.

A notícia do assassinato violento foi denunciada e divulgada pela Rede Nacional pela Democracia e Paz (Rndp), que em um comunicado lembrou como a ativista estava "empenhada com a ajuda humanitária às pessoas vulneráveis e às vítimas do conflito armado interno que a Colômbia continua a viver". Na nota, a Rndp pede às autoridades que tomem medidas imediatas e efetivas para encontrar os responsáveis e aplicar-lhes uma pena exemplar, mas também denuncia a incapacidade do Estado de "proteger a cidadania comum e a lentidão quando se trata para encontrar e julgar os culpados”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Colômbia. Dados alarmantes sobre mortes e ameaças recebidas de líderes sociais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV