Inércia política mundial é responsável pela falta de progresso em energias sustentáveis

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • Estudo sobre orçamento escancara obsessão de Bolsonaro por cortes em áreas sociais

    LER MAIS
  • “O Papa tem um espírito radical”. Conversa com Michel Löwy

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Junho 2019

Inércia em políticas de energia sustentável é responsavel pela a falta de progresso no alcance das Metas de Clima e Desenvolvimento da ONU.

A informação é de REN21, publicada por EcoDebate, 21-06-2019.

As energias renováveis atualmente são responsáveis por mais de um quarto (26%) da produção global de eletricidade, mas as tendências atuais do setor mostram que decisões políticas mais ousadas são necessárias em todos os setores de uso final para tornar nossos sistemas de energia sustentáveis.

A energia renovável está suprindo o consumo mundial de forma crescente, mas políticas erráticas estão impedindo o setor de contribuir para reduzir a poluição por emissões de carbono e de atingir as metas climáticas e de desenvolvimento, segundo o Relatório Global de Status Renewables 2019 da REN21 (GSR).

O relatório confirma que, pelo quarto ano consecutivo, a capacidade adicional de energia renovável que foi instalada é maior do que aquela proveniente de combustíveis fósseis e de energia nuclear combinados – 100 gigawatts (GW), apenas de energia solar fotovoltaica, foram adicionados em 2018, o suficiente para atender a mais de 25% da demanda de eletricidade na França.

No entanto, a falta de políticas ambiciosas e constantes para impulsionar a descarbonização nos setores de aquecimento, resfriamento e transporte indica que os países não estão maximizando os benefícios da transição para sua população, incluindo ar mais limpo e segurança energética.

“Um avanço importante poderia ocorrer se os países eliminassem seus subsídios aos combustíveis fósseis que estão impulsionando a energia suja”, diz Rana Adib, Secretário Executivo da REN21. Políticas ambiciosas e arcabouços regulatórios são fundamentais para criar condições favoráveis e competitivas, permitindo que a energia renovável cresça e substitua os combustíveis mais caros e que emitem carbono. Quarenta países empreenderam algum nível de reforma nos seus subsídios aos combustíveis fósseis desde 2015, mas esses subsídios continuaram a existir em 112 países em 2017, com pelo menos 73 países fornecendo subsídios de mais de US $ 100 milhões cada. Os subsídios globais totais estimados para o consumo de combustíveis fósseis foram de US $ 300 bilhões em 2017, um aumento de 11% em relação a 2016.

Segundo o relatório:

Energia solar fotovoltaica e eólica agora são opções comumente usadas no setor de energia. Mais de 90 países tinham mais de 1 GW de capacidade de energia renovável instalada e 30 países tinham mais de 10 GW. Pelo menos nove países geraram mais de 20% de sua eletricidade com energia solar fotovoltaica e eólica. Os países são: Dinamarca, Uruguai, Irlanda, Alemanha, Portugal, Espanha, Grécia, Reino Unido e Honduras.

– A introdução global de energia renovável não depende mais de apenas alguns países. Em 2018, a implantação global de energias renováveis manteve um ritmo constante, em geral, com a expansão da União Europeia subindo ligeiramente e as instalações e investimentos anuais da China diminuindo em comparação ao ano anterior. Isso mostra que a energia renovável é uma forte tendência global.

– As cidades estão se tornando cada vez mais fortes impulsionadoras da implantação de energia renovável, e adotando algumas das metas mais ambiciosas para as energias renováveis em todo o mundo. Em muitos casos, esses compromissos e ações excederam as iniciativas nacionais e estaduais/provinciais. Mais de 100 cidades (que vão de Nairobi, Quênia e Dar es Salaam, Tanzânia, até Auckland, Nova Zelândia, Estocolmo, Suécia e Seattle, EUA) usam pelo menos 70% de eletricidade renovável e pelo menos 50 cidades estabelecem metas de energia renovável para aquecimento, resfriamento e transporte.

Há uma enorme oportunidade para os países impulsionarem ações expandindo a transição para os setores de aquecimento, resfriamento e transporte. As energias renováveis fornecem mais de 26% da eletricidade global, no entanto, fornecem apenas 10% da energia utilizada para aquecimento e resfriamento e pouco mais de 3% para o transporte. Este desequilíbrio entre os setores da energia deve-se, em grande parte, ao apoio insuficiente ou instável das políticas existentes. O número de países com políticas para energias renováveis, na verdade, diminuiu.

Apesar do apoio insuficiente, iniciativas nos setores de transporte, aquecimento e refrigeração estão sendo implementadas. Biocombustíveis sustentáveis. Os veículos elétricos e as políticas de economia de combustível estão reduzindo a dependência geral de combustíveis fósseis no setor de transporte. Políticas arrojadas, como o mandato de mistura de 27% do Brasil para etanol e o Programa de Combustível de Baixo Carbono da Califórnia (EUA), demonstram a contribuição das renováveis para o setor de transporte. As políticas de aquecimento e resfriamento incluem a construção de códigos de energia, incentivos e mandatos de calor renováveis e abordagens indiretas, como a precificação de carbono. O preço do carbono continua subutilizado. Até o final de 2018, apenas 44 governos nacionais, 21 estados/províncias e 7 cidades haviam implementado políticas de precificação de carbono, cobrindo apenas 13% das emissões globais de CO2.

Sobre o Renewables Global Status Report (GSR) da REN21

Composta por uma comunidade mundial de governos, organizações intergovernamentais e não-governamentais, indústria, ciência e académicos, a REN21 é uma rede global que divulga informações atualizadas de alta qualidade para moldar o debate sobre energia. A REN21 está empenhada em assegurar um futuro energético sustentável. Com base no conhecimento e nos dados, a REN21 muda a forma como pensamos sobre as energias renováveis, que por sua vez, informam decisões e moldam o futuro.

Publicado pela primeira vez em 2005, o GSR fornece uma visão abrangente do que está acontecendo no setor de energia renovável. O relatório deste ano foca nos desenvolvimentos e tendências de 2018 por mercados, investimentos e políticas em todo o mundo. Agora, no seu 15º ano, este relatório anual tornou-se o padrão da indústria para energias renováveis. Ele é construído com base em dados e informações fornecidas pela rede da REN21, com mais de 900 colaboradores em todo o mundo. Coletivamente, a informação é usada para moldar os debates para estimular o pensamento e a ação em relação às energias renováveis.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Inércia política mundial é responsável pela falta de progresso em energias sustentáveis - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV