Mas o Papa não vota

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Maio 2019

A Santa Sé, por princípio, não intervém em temas apenas porque outros os criam. Com algumas exceções. E ontem o Secretário de Estado fez uma. O cardeal Parolin apresentou algumas declarações que são uma resposta sutil, mas clara, a Matteo Salvini: que no sábado em Milão, vestindo o uniforme de teólogo inquisidor, deu uma lição ao papa, forneceu indicações aos fiéis sobre seus párocos, invocou os santos e até mesmo consagrou a Itália ao coração de Maria (simpática exceção ao "primeiro os italianos", já que a Mãe de Deus continua sendo uma mulher judia que temporariamente se refugiou no exterior com seu Filho e um marido que não era o pai).

O comentário é de Alberto Melloni, professor da Universidade de Modena-Reggio Emilia e diretor da Fundação de Ciências Religiosas João XXIII, de Bolonha, publicado por la Repubblica, 20-05-2019. A tradução é de Luisa Rabolini

Nota de IHU On-Line: Veja o vídeo do ministro Salvini, com o rosário na mão, no comício de Milão, clicando aqui (em italiano).

O Secretário de Estado usou o estilo diplomático não por cortesia, mas por obrigação. Salvini, quer se goste ou não, é um homem de governo e, portanto, quando escarnece o Papa que chora os mortos no Mediterrâneo, comete um ato que interfere nas relações entre a Itália e a Santa Sé. O cardeal limitou-se a dizer: "Acredito que a política partidária divida; mas, Deus pertence a todos. Invocar Deus para si mesmos é sempre muito perigoso”. E na diplomacia vaticana, "sempre" e "muito", não são nem sempre nem muito.

O “agora basta” chega no momento em que, ressentido por uma audiência que certamente assim não irá acontecer, Salvini decidiu cruzar a linha vermelha. Nunca na história italiana um homem do governo tinha atacado o pontífice, incitando os fiéis contra os párocos que "fazem política do púlpito" (uma acusação que sempre precedeu a violência contra os padres), depois de minimizar uma ação fascista de perturbação do Angelus papal sem precedentes, realizada a poucos passos da polícia (se nas faixas houvesse uma mensagem do ISIS, quem deveria ter pedido demissão?).

Com tal passo a Lega Nord se aventura em uma terra desconhecida. O equilíbrio entre a alma do partido ligada aos territórios e, portanto, às paróquias, aquela indulgente com o tradicionalismo antissemita e aquela que se torna a voz do integralismo de família, não existe mais agora que o líder se alinhou - realmente ouvindo o jovem Arata? - a Bannon, que recomenda que todos ataquem o Papa Francisco de frente.

O balanço eleitoral desse movimento é incerto: mas trata-se de uma manobra mais estudada e complexa daquela do ano passado, quando durante a campanha eleitoral, agitou o rosário como um "amuleto religioso" (definição do cardeal Bassetti) e acenou com um evangelho. O discurso de Salvini em Milão tinha apenas um aspecto tosco, ou seja, a invocação dos santos europeus. Porque São Bento é quem escreveu que todos os hóspedes "devem ser recebidos como Cristo". Santa Brígida pregava pela libertação "das distrações perniciosas". Santa Catarina de Siena ensinava que apenas "o humilde extingue a soberba"; Cirilo e Metódio inventaram um alfabeto para falar com outras culturas e Edith Stein tinha seu farol na "solidariedade com toda a humanidade".

Para o resto, o discurso de Salvini foi e quis ser um contraponto ao europeísmo do Papa Francisco enunciado em maio de 2016. Francisco havia falado das muitas raízes da Europa e da necessidade de os cristãos as irrigarem com o evangelho: Salvini, em vez disso, relembrou a batalha de João Paulo II sobre a constituição europeia pela menção de raízes definidas de "judaico-cristãs" com um hífen assimilacionista que não agrada àqueles que, como a comunidade judaica de Roma fez ontem, questionam sobre os suprematismos e seus acobertamentos. Contra os passos dados por Francisco no diálogo com o islã, o vice premier mencionou o predecessor e as profecias de Oriana Fallaci. E diante do papa querigmático, prendeu ao próprio peito a medalha daquele "espírito cristão" que, quando existe, não se permite ser exibido como uma bandeira. Coisas que, no silêncio da igreja italiana, Parolin certificou como inadmissíveis.

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mas o Papa não vota - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV