22% dos trabalhadores da Região Metropolitana de Porto Alegre perderão o abono salarial com a Reforma da Previdência

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “Sínodo é até o limite. Inclui a todos: Os pobres, os mendigos, os jovens toxicodependentes, todos esses que a sociedade descarta, fazem parte do Sínodo”, diz o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Por que a extrema direita elegeu Paulo Freire seu inimigo

    LER MAIS
  • Enquanto Francisco visitava a Eslováquia, a comunidade internacional celebra a mulher sacerdote da Tchecoslováquia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: João Conceição e Marilene Maia | 21 Mai 2019

reforma da Previdência apresentada pelo governo de Jair Bolsonaro propõe retirar o abono dos trabalhadores formais. O abono é um benefício pago a quem ganha menos de 2 salários mínimos e tem pelo menos 5 anos de cadastro no Programa Integração Social - PIS.

O trabalhador recebe 1/12 do salário mínimo multiplicado pelos meses que trabalhou no ano, caso tenha trabalhado por pelo menos 30 dias no ano-base considerado para apuração. Com a reforma da Previdência, o governo propõe que o benefício seja restrito a quem ganha 1 salário mínimo ou menos.

Em 2017, 26 milhões de trabalhadores brasileiros tinham direito ao abono, significando 47% dos trabalhadores assalariados formais, de acordo com os últimos dados disponibilizados pela Relação Anual de Informações Sociais - RAIS. Na Região Metropolitana de Porto Alegre, 47,9% dos trabalhadores recebiam até 2 salários mínimos em 2017. Isso, em número absoluto, representa 602.201 trabalhadores.

As trabalhadoras mulheres serão as mais afetadas, pois 53,6% delas ganham até 2 salários mínimos mensais na Região Metropolitana de Porto Alegre. Dentre as profissões que mais vão perder com a mudança estão os cozinheiros, trabalhadores de serviços de manutenção, porteiros, vigias, recepcionistas e ajudantes de obras.

Além da mudança no abono ter um importante impacto distributivo negativo, a reforma propõe tirar da economia até R$ 17,6 bilhões por ano, o que tem repercussões no crescimento econômico, já que é dinheiro circulando na mão de uma parcela da população que possui alta propensão a consumir.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

22% dos trabalhadores da Região Metropolitana de Porto Alegre perderão o abono salarial com a Reforma da Previdência - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV