20 de maio de 1998

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Juíza determina plano emergencial contra o desmatamento na Amazônia

    LER MAIS
  • Requiem para os estudantes. Artigo de Giorgio Agamben

    LER MAIS
  • Uma “bispa católica” em Lyon: provocação ou profecia?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


20 Mai 2020

Chicão Xucuru. Brasil, †1998

 Mártir da Terra Indígena

Chicão Xucuru (Francisco de Assis Araújo) foi vitima de uma emboscada de três pistoleiros do latifúndio, na manhã do dia 20 de maio de 1998. Já escapara de várias tocaias, de ataques planejados pelos fazendeiros.

Em 1995, a mando de fazendeiros, foi assassinado o advogado da Funai, Geraldo Rolim da Mota Filho, que prestava apoio jurídico ao povo Xucuru.

Homem altivo e sereno, amável e inteligente, líder natural que sabia ouvir e orientar, Chicão tinha o poder que manava do reconhecimento e admiração do seu povo Xucuru.

Grande líder da retomada das terras, sua perspectiva era recuperar a terra Xucuru invadida por 181 fazendas, cujos donos em boa parte são compadres e amigos do Marco Maciel, na ocasião vice-presidente da república.

Zenilda, a esposa de Chicão, seus filhos, seu povo, vêm retomando a herança, regada com sangue pelo destemido Chicão, e afirmando a identidade e os direitos do povo Xucuru.

 

“Para nós, a gente tem a Terra como nossa Mãe. Então, se ela é nossa Mãe, é ela quem nos dá o fruto de sobrevivência, ela deve ser zelada e preservada a partir das pedras, das águas e das matas.

Os latifundiários, principalmente fazendeiros, madeireiros e garimpeiros, vêem a Terra como objeto de especulação, pra vender e ganhar dinheiro, cercar a Terra e criar gado, sugar o suor dos pobres, mas deixar o pobre morrer de fome, não só o índio como outras pessoas...”.

 

Poema: A mata Escura de Chico Farias/Daniel Macedo

A mata escura guarda um grito
na serra do Ororubá.
A mata escura guarda um grito
na serra do Ororubá.

Grito, lamento infinito
espíritos de índios a vagar,
sementes que brotam de um sentimento
que nos levam a cantar a cantar...
Inconformados ancestrais
que inocentes nos "defenderam"
na Guerra do Paraguai.

E os carés tem que aprender
a verdadeira lição
Ororubá é Xucuru
Ta lá na confirmação quem da fé
é o pai tupã no ritual do toré

Grito, lamento infinito
espíritos de índios a vagar,
sementes que brotam de um sentimento
que nos levam a cantar a cantar...

 

Texto elaborado por Tonny, da Irmandade dos Mártires da Caminhada.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

20 de maio de 1998 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV