Temendo protestos, ministro manda cancelar reunião sobre clima em Salvador

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • A maior ameaça para a humanidade não é a mudança climática, mas a Inteligência Artificial, afirma o filósofo de Oxford apoiado por Bill Gates

    LER MAIS
  • Dormir na rua e pedalar 12 horas por dia: a rotina dos entregadores de aplicativos

    LER MAIS
  • A lição da economista do Papa entre desenvolvimento, responsabilidade e ecologia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Maio 2019

Climate Week seria realizada em agosto e visa promover soluções para a crise climática; é o segundo evento internacional sobre o tema cancelado pelo governo Bolsonaro

A reportagem é publicada por Observatório do Clima, 14-05-2019.

O Brasil retirou a oferta de sediar a Climate Week Latin America, um evento regional da Convenção do Clima da ONU que aconteceria de 19 a 23 de agosto em Salvador. Segundo o OC apurou, a decisão foi do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles (Novo-SP), que temia protestos de ambientalistas contra sua gestão durante o encontro.

A desistência foi comunicada na semana passada à Prefeitura de Salvador, que organizava o evento juntamente com a convenção da ONU, a UNFCCC. “Tentamos reverter, mas não teve jeito”, disse o secretário de Sustentabilidade da capital baiana, André Fraga.

A desistência deverá ser comunicada formalmente pelo ministério nesta semana. Mais uma vez, o argumento será a necessidade de dedicação a “problemas tangíveis”.

Nesta segunda-feira, os organizadores do evento do lado da ONU circularam um comunicado interno lamentando a decisão do governo brasileiro e afirmando que estão “explorando opções” de uma cidade que tope sediá-lo. Salvador está escolhida para sediar a Climate Week desde o ano passado. Faltam três meses para o encontro.

É bom a UNFCCC já ir se acostumando com recuos do Brasil. Em novembro do ano passado, por ordem do presidente eleito, Jair Bolsonaro, o governo Temer cancelou a oferta de sediar a COP25, a conferência diplomática anual sobre mudanças climáticas, causando constrangimento na ONU e arranhões à imagem internacional do país. Apenas um mês antes, o Itamaraty comemorara a indicação do Brasil como sede, afirmando ser um “reconhecimento” ao papel de liderança do país na agenda de clima. O Chile se ofereceu para sediar o encontro órfão.

O prefeito de Salvador, ACM Neto, presidente do Democratas, já havia oferecido a cidade para sediar a COP. Sem esta opção, ficou com a Climate Week como prêmio de consolação e já vinha preparando a cidade – que deve publicar em breve seu plano municipal de mudança do clima.

No caso da COP25, Bolsonaro tinha a desculpa dos custos: estima-se que uma COP custe cerca de R$ 200 milhões. Segundo André Fraga, não havia esse argumento desta vez, já que os custos seriam bancados pela cidade-sede. “É uma visão estreita do que seja desenvolvimento”, afirmou.

Diferentemente da COP, que é um evento político, a Climate Week se dedica a negócios e troca de experiências. É um encontro para a demonstração de soluções para a crise do clima, e envolve maciçamente o setor privado.

Ela antecede a semana do clima de Nova York, que ocorre antes da reunião da Assembleia Geral da ONU, em setembro.

O OC procurou o MMA para esclarecimentos nesta terça-feira. Esta página será atualizada caso o ministério se manifeste.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Temendo protestos, ministro manda cancelar reunião sobre clima em Salvador - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV