Canções latino-americanas: realidades e horizontes

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Jonas Jorge da Silva | 14 Maio 2019

Se descortinar uma América Latina que se irmana na luta contra as desigualdades, com seus desafios cotidianos e estratégias de emancipação permanece crucial, reconhecer na música latino-americana uma janela nessa direção é um horizonte inesgotável, que precisa ser melhor explorado. A música, além de fonte de inspiração, também é potência criadora e regeneradora. É ao mesmo tempo retrato de uma realidade e gestação de nossas possibilidades históricas.  

Abrindo uma brecha para valorizar caminhos de integração do Brasil em nossa América, no último dia 10 de maio, o Curso de Música e Política no Brasil, que acontece na sede da União Paranaense dos Estudantes - UPE, em Curitiba, dedicou-se ao tema Música e Política na América Latina. A seleção, organização e exposição dos temas e músicas trabalhados nessa etapa ficou a cargo da professora Simone Cit, da Universidade Estadual do ParanáUNESPAR, que foi acompanhada por colegas do Coletivo Criola e por integrantes do grupo Mímesis Conexões Artísticas.

O curso é uma iniciativa promovida pelo Centro de Promoção de Agentes da Transformação - CEPAT e pelo Centro de Formação Milton Santos – Lorenzo Milani, em parceria com Mímesis Conexões Artísticas, Movimento de Assessoria Jurídica Universitária Popular - MAJUP/UFPR, União Paranaense dos Estudantes - UPE, Centro de Formação Urbano Rural Irmã Araújo - CEFURIA, Universidade Estadual do Paraná - UNESPAR, Roda de Samba Maria Navalha, Espaço Magis Brasil e Instituto Humanitas Unisinos - IHU.

As músicas trabalhadas foram organizadas em temáticas como: heróis latino-americanos, canções de trabalho, canções de resistência, ditaduras latino-americanas e, por fim, Pátria Grande, América Latina!.

Entre os compositores e músicos abordados estão: Rafael Ignacio Arcaute, Eduardo Cabra, René Pérez, Pablo Milanés, Chico Buarque, Carlos Puebla, Silvio Rodríguez, Ariel Ramírez, Félix Luna, Daniel Viglietti, Armando Tejada Gómez, Óscar Matus, Jaime Medinacelli, Violeta Parra, Jorge Drexler, Victor Jara, Ali Primera, Charly García, José Carbajal César Isella e Israel Rojas.

Encontro com a música latino-americana (Foto: Leila Ribeiro Rubini)

Na abertura do encontro, a música Latinoamérica, de Rafael Ignacio Arcaute, Eduardo Cabra e René Pérez, deu o tom politizado das canções selecionadas, como, por exemplo, na expressão de força e solidariedade do povo latino-americano: “Trabajo bruto pero con orgullo/Aquí se comparte, lo mío es tuyo/Este pueblo no se ahoga con marullos/Y si se derrumba yo lo reconstruyo”.  

Da beleza e bravura dos estudantes, a chilena Violeta Parra compôs a linda canção Me gustan los estudiantes, como se pode notar no seguinte fragmento: “Que vivan los estudiantes/Jardín de nuestra alegría/Son aves que no se asustan/ De animal ni policía/Y no le asustan las balas/Ni el ladrar de la jauría”.

A canção Al otro lado del río, composta e cantada pelo uruguaio Jorge Drexler para o filme Diários de Motocicleta e que conquistou o Oscar de melhor canção original, em 2005, traz uma mensagem de esperança e encorajamento: “Clavo mi remo en el agua/Llevo tu remo en el mío/Creo que he visto una luz al outro lado del río”.

Já na parte final do encontro, para ressaltar a importância do diálogo, integração e solidariedade dos povos na América Latina, nossa “grande pátria”, foi entoada a música Canción con todos, de Armando Tejada Gómez e César Isella. Em um de seus fragmentos, a canção ressalta: “Todas las voces todas/Todas las manos todas/Toda la sangre puede, ser canción en el viento/ Canta con migo canta, Hermano americano/ Libera tu esperanza con un grito en la voz”.

Abaixo, seguem as canções trabalhadas, divididas por temáticas:

Abertura

- Latinoamérica
- Canción por la unidad latino-americana

Heróis latino-americanos

- Hasta siempre comandante
- Fusil contra fusil
- Juana azurduy
- El mayor
- Solo digo compañeros

Canções de trabalho

- Playa giron
- Duerme negrito
- Los hombres del río
- El minero

Canções de resistência

- Me gustan los estudiantes
- El necio
- Al otro lado del río
- Plegaria a um labrador
- La familia, la propiedad privada y el amor
- La guerra del petróleo

Ditaduras latino-americanas

- Yo pisaré las calles nuevamente
- Los dinosaurios
- Angelitos

Pátria grande, américa latina!

- Canción con todos
- Tempestad

Confira trechos do encontro

 

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Canções latino-americanas: realidades e horizontes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV