Caso Barbarin: ''O papa recusa a lógica do imediatismo''. Entrevista com Dominique Wolton

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • É possível o fim da espécie humana?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


22 Março 2019

A Igreja está pagando um preço por ter dado lições de moral incessantemente: agora, pede-se que ela também profira imediatamente um juízo moral.

A reportagem é de Nicolas Senèze, publicada por Croix International, 21-03-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O La Croix falou com Dominique Wolton, sociólogo e especialista em mídia e perguntou-lhe: como é possível compreender a decisão do papa de não aceitar a renúncia do cardeal Barbarin?

Eis a resposta.

Francisco não quer se precipitar, e isso está sendo mal-entendido. Essa posição é interessante, embora eu ache que ele a expressa mal. Com efeito, há uma profundidade histórica verdadeira que deve ser integrada e que está em total contradição com a loucura da velocidade que reina nas mídias sociais.

Ao acreditar que deve dar às investigações o seu devido tempo, o papa quer respeitar os tempos da justiça humana. Isso é muito bom, mas isso não faz parte da lógica da mídia ou da opinião pública. Então, imediatamente, sua decisão é percebida como uma recusa em tomar uma decisão.

Além disso, o Papa afirmou que não diria nada? Não: ele adiou a sua decisão para depois do recurso de Barbarin, e eu acho que ele tem razão em esperar que a justiça dos homens se pronuncie.

Se, efetivamente, ele não disser nada depois disso, efetivamente haverá um problema. Pelo contrário, se ele falar e tomar uma decisão, então alguns provavelmente duvidarão das suas motivações e ficarão contra ele. Mas ele não pode ser criticado antes de dizer qualquer coisa.

Para mim, a sua lentidão em reagir não é uma prova de má-fé. Só porque ele se recusa a dizer alguma coisa de imediato, isso não significa que ele esteja “acobertando”. Simplesmente, ele se recusa a entrar na lógica do imediatismo que reina hoje em dia na opinião pública. Essa pressão midiática, que se baseia em uma visão falsamente democrática das redes, tornou-se impossível: só porque milhões de pessoas pensam que o cardeal Barbarin é um canalha, isso não significa que ele o seja!

Se continuarmos assim, então a ideologia corre o risco de prevalecer. Eu também acho interessante que a religião católica não esteja sob a tirania da democracia direta. Com efeito, precisamos perguntar até que ponto é preciso dar exemplos e prosseguir apressadamente?

Devemos distinguir entre o “não dizer nada” de uma sociedade do adormecimento – e Deus sabe que a Igreja avançou muito nessa direção! – e a tirania da velocidade e do imediatismo.

A Igreja está pagando um preço por ter dado incessantemente lições de moral: portanto, demanda-se que ela profira imediatamente um julgamento moral. Diante da suspeita generalizada de má-fé, a Igreja não é mais capaz de se fazer compreender, e a explicação de Francisco parece um retrocesso em relação à sua posição de pôr fim ao clericalismo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Caso Barbarin: ''O papa recusa a lógica do imediatismo''. Entrevista com Dominique Wolton - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV