Por que questionar é perigoso?

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Padres despedaçados. Artigo de Pietro Parolin

    LER MAIS
  • Uma escolha crucial: como a Igreja seleciona seus bispos?

    LER MAIS
  • Os três passos dos homens

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


16 Março 2019

"O caminho da maturidade nos convida a cultivar a difícil tarefa de deixar cair as nossas máscaras diante das nossas próprias perguntas, escreve Ademir Guedes Azevedo, cp,  padre, missionário passionista e mestrando em teologia fundamental na Pontifícia Universidade Gregoriana.

Eis o artigo. 

Todos nós procuramos um sentido para viver com profundidade. Se desistimos da luta pelo sentido, tudo vira banal e supérfluo. Deixamos de acreditar em nós mesmos e na vida como mistério que se deve mergulhar. A chave que nos abre o sentido é o ato de questionar. Quando crianças, perguntávamos aos nossos pais sobre as coisas elementares. Libertarmos-nos da imitação dos outros - que muitas vezes é cômoda - quando tomamos consciência de que podemos caminhar com autonomia, graças ao ato de questionar. Kant dirá que o sujeito é autônomo (esclarecido) quando não é mais dominado pelos outros, mas caminha por si mesmo, graças a sua capacidade de fazer uso do seu próprio entendimento.

O grande educador Paulo Freire propunha uma pedagogia da libertação. Ao longo da nossa história corremos o risco de acumular opressores dentro de nós, os quais podem nos reduzir a um estado de submissão. Estes diabinhos são instalados em nós muitas vezes pela condição social que os outros querem nos convencer que não é possível lutar por uma outra melhor. Podem também ser os discursos de preconceito que envolvem gênero, cor, religião, nação etc. Freire nos propõe que esta pedagogia opressora, baseada na ação de depositar conhecimentos, venha substituída por um processo de construção comum do saber. E com certeza nós seremos capazes de vomitar os opressores que deixamos crescer dentro de nós só através do ato de questionar as várias situações que nos pretendem reduzir ao nada.

O ministério de Jesus de Nazaré foi na verdade um exímio projeto de libertação pautado no ato de questionar. O questionar de Jesus - que se resume ao que ele disse e fez - abria um futuro de vida e de esperança para todos os que foram feitos vítimas. Na verdade, como grande questionador, podemos afirmar que o desejo mais profundo de Jesus era que todo homem fosse transformado em sujeito autônomo diante de Deus. Compartilhando o drama das vítimas, no alto da cruz, Jesus ao questionar o Pai: “por que me abandonaste?” reivindica para si e para toda a humanidade a libertação plena, ou seja, a graça de passar da condição de vítima aquela de sujeito.

Questionar é realmente um ato de grande perigo. Em Burkina Faso (16.02.2019), foi assassinado o missionário salesiano de 72 anos, Pe. Antonio César Fernández, por um grupo de extremistas. Tento explicar aqui a versão que um membro de sua congregação contou-me nestes últimos dias. A um certo momento, os extremistas param vários carros e, para propagar terror e medo, pedem que as pessoas saiam e se ponham em fila. Os carros são todos queimados. Até o momento ninguém foi morto. Mas Pe. César dirige aos extremistas uma pergunta: Por que vocês estão fazendo isso? A ousadia de questionar custou ao missionário o preço da sua vida: Pe. César foi separado dos outros dois irmãos salesianos, que o acompanhavam na viagem, e crivado de balas pelos terroristas que depois fugiram.

A arte de questionar é ainda mais perigosa quando a fazemos a nós mesmos. Quem sou eu? Que sentido tem a minha vida? Estas são algumas das perguntas que podem nos incomodar. No entanto, o caminho da maturidade nos convida a cultivar a difícil tarefa de deixar cair as nossas máscaras diante das nossas próprias perguntas. Quando falamos de perigo queremos dizer que é necessário morrer para um estilo de vida supérfluo e nascer para a verdade - sermos todos sujeitos diante de Deus - e isso só conseguimos quando tiramos nossas próprias máscaras que nos impedem de sermos livres.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Por que questionar é perigoso? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV