Mudanças climáticas: uma carta aberta aos estudantes

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • Estive em 26 Universidades dos EUA e ninguém pensa duas vezes antes de definir Bolsonaro: “Fascista”

    LER MAIS
  • O encadeamento do racismo estrutural

    LER MAIS
  • Como a internet está matando a democracia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Março 2019

Mudança climática: uma carta aberta para os alunos

de: Um grupo de cientistas e ativistas

Reproduzimos a seguir a carta aberta aos estudantes de um grupo de cientistas, estudiosos e ativistas sobre o tema das mudanças climáticas publicada pelo jornal Avvenire (13 de março de 2019) e dirigida aos estudantes para incentivá-los a assumir a situação.

A carta é reproduzida por Settimana News, 13-03-2019. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a carta.

Em 1967, mais de 50 anos atrás, um grupo de garotos liderados por Dom Lorenzo Milani, depois de alguns deles terem rodado nos exames de maturidade, decidiram escrever uma carta para uma professora imaginária da época, quando a escola era fortemente selecionadora e, junto com as reprovações, também censurava os modelos escolares como aquele inovador e radical da Escola de Barbiana.

Hoje, que os problemas do modelo de desenvolvimento ocidental estão chegando ao auge com as mudanças climáticas e todas as consequências ligadas a eles, acreditamos que podemos escrever esta mensagem para vocês estudantes como estímulo para assumir a situação. Exatamente como pede Greta Thunberg, a jovem sueca que apesar de seus 16 anos mostra uma maturidade política de causar inveja a cada adulto.

Em uma entrevista ao Guardian, Greta disse: "Eu ouvi falar pela primeira vez sobre a mudança climática quando eu tinha oito anos. Aprendi que é uma coisa criada pelos seres humanos. Eles me diziam para desligar as luzes para consumir menos eletricidade e reciclar o papel. Era estranho, pensei, que pudéssemos mudar toda a cara do planeta e a preciosa camada de atmosfera que faz dele nossa casa: se podíamos fazer isso, por que não se falava sobre isso em todo lugar? Por que o clima não era a primeira coisa de que se ouvia falar quando eu ligava a TV? Manchetes, programas de rádio, jornais: eu não deveria estar ouvindo falar de mais nada, como se estivesse acontecendo uma guerra mundial. Porém nossos líderes políticos nunca falaram sobre isso. Se o uso de combustíveis fósseis ameaça nossa existência, como é possível que continuemos a usá-los? Por que não há limites? Por que não é ilegal fazer isso? Por que ninguém fala sobre os perigos da mudança climática que já está em curso? E do fato de que duzentas espécies de animais se extinguem a cada dia? Eu tenho a síndrome de Asperger e para mim as coisas são brancas ou pretas. Eu olho para as pessoas que estão no poder e me pergunto por que elas tornaram as coisas tão complicadas. Eu ouço as pessoas dizerem que a mudança climática é uma ameaça à nossa existência, mas todo mundo continua como se nada estivesse acontecendo. Não podemos mais salvar o mundo respeitando as regras, porque as regras devem ser modificadas. Se eu viver cem anos, ainda estarei aqui em 2103. O que fazemos ou deixamos de fazer agora, condicionará toda a minha vida e a dos meus amigos, dos nossos filhos e de seus netos. Os adultos nos desapontaram. E dado que a maioria deles, incluindo jornalistas e políticos, continuam a ignorar a situação, devemos agir, hoje".

Ao chamamento de Greta, muitos estudantes de toda a Europa começaram a se reunir, todas as sextas-feiras, diante dos palácios do poder, na Bélgica, Alemanha, Suécia, Holanda, Austrália, Estados Unidos, Suíça, Reino Unido ... simplesmente para ficar com seus banners pedindo aos adultos para explicar: "Vocês dizem que amam seus filhos acima de tudo, mas vocês estão roubando o seu futuro".

Muitos estudantes em muitos países, mas ainda muito poucos na Itália. Nós não notamos a mesma efervescência na Itália que existe no exterior e se isso é porque vocês acham que as mudanças climáticas não lhes dizem respeito, gostaríamos de dizer que vocês estão enganados: nada mais do que este fenômeno afetará seu futuro, porque terá efeitos sobre a disponibilidade de água, sobre a produção de alimentos, sobre a segurança territorial, sobre as migrações.

Gostaríamos de lhes dar conselhos: coloquem para fora todo o egoísmo que há em vocês para defender seu futuro, porque se a temperatura terrestre continuar a subir, sua vida será um inferno. Então, falem sobre isso, estudem, debatam com os especialistas (as autogestões poderiam ser boas ocasiões ...) e, depois, levantem a voz para cobrar daqueles que podem decidir sobre suas graves responsabilidades.

Na manhã de 15 de março, será convocada uma greve mundial pelo clima, promovida por estudantes. Não percam esta oportunidade de iniciar uma jornada: temos pouco tempo para remediar, mas ainda podemos fazê-lo. Vocês nos emprestaram o futuro e está na hora de retomá-lo em suas mãos para torná-lo seguro, possível e vivível, vocês não acham?

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudanças climáticas: uma carta aberta aos estudantes - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV