Pesquisa revisa os impactos das ondas de calor em humanos e animais selvagens

Revista ihu on-line

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Mais Lidos

  • A maior ameaça para a humanidade não é a mudança climática, mas a Inteligência Artificial, afirma o filósofo de Oxford apoiado por Bill Gates

    LER MAIS
  • Dormir na rua e pedalar 12 horas por dia: a rotina dos entregadores de aplicativos

    LER MAIS
  • A lição da economista do Papa entre desenvolvimento, responsabilidade e ecologia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Março 2019

Ondas de calor: “O verão está rapidamente se tornando uma estação mortal para a vida na Terra”, diz o professor de biologia Jonathon Stillman. A reportagem é de Patrick Monahan, publicada por San Francisco State University e reproduzida por EcoDebate. A tradução e a edição são de Henrique Cortez.

A mudança climática é frequentemente discutida em termos de médias – como a meta estabelecida pelo Acordo de Paris de limitar o aumento da temperatura da Terra a 2 graus Celsius.

O que esses números não conseguem transmitir é que a mudança climática não apenas aumentará a temperatura média do mundo, mas também intensificará as ondas de calor extremas que até agora estão prejudicando as pessoas e a vida selvagem, segundo um recente estudo da Faculdade de Biologia da Universidade Estadual de São Francisco, realizado pelo professor de biologia Jonathon Stillman.

As ondas de calor já produziram imagens impressionantes de mortalidade em massa em animais, desde os esqueletos de corais branqueados ao longo de trechos da Grande Barreira de Corais até a morte de cavalos durante os verões australianos. A insolação de tais eventos extremos também é um perigo presente para as pessoas, especialmente os idosos, embora de uma forma menos óbvia.

“A mortalidade humana é diferente porque muito disso não é visível dessa maneira. Está acontecendo em casas ou em consultórios médicos, mas é impressionante assim mesmo”, explicou Stillman. Por exemplo, uma onda de calor de 2003 na Europa matou mais de 70.000 pessoas em todo o continente.

Para obter uma visão abrangente dos efeitos das futuras ondas de calor sobre os seres humanos e a vida selvagem, Stillman reuniu informações de mais de 140 estudos científicos sobre o tema. Ele publicou a resenha resultante na revista Physiology no mês passado.

À medida que o dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa na atmosfera prendem o calor e elevam a temperatura média da Terra, as ondas de calor com as quais estamos acostumados vão piorar e se tornar mais frequentes. Em alguns cenários projetados mais extremos, as temperaturas que rivalizam ou superam as observadas na Europa em 2003 podem durar até quatro vezes mais até o final do século XXI.

Existem maneiras de lidar com as ondas de calor, mas elas não estarão disponíveis para todos ou para todas as espécies. A falta de infra-estrutura disponível pode dificultar a migração para climas mais frios para muitas comunidades humanas vulneráveis e causar conflitos em larga escala. E graças à ampla pegada ecológica da humanidade, muitos animais não terão um caminho claro para habitats mais frios, a menos que o espaço natural seja especificamente reservado para esse fim.

As ondas de calor também podem ter efeitos mais sutis nos corpos dos animais, como a solicitação de aumento na quantidade de proteínas especializadas que protegem outras moléculas dos efeitos de distorção do calor. “Se as populações de animais selvagens estão experimentando temperaturas mais próximas à letal, você não verá a mortalidade, mas poderá ver mudanças em sua fisiologia que mostram que estão se aproximando da mortalidade”, explicou Stillman.

Ao estudar respostas como essas, os cientistas poderiam obter um sinal de alerta antecipado antes que as ondas de calor passem a produzir consequências mais terríveis. Algumas das próprias pesquisas de Stillman lidam com esses tipos de respostas fisiológicas para fazer previsões sobre como a mudança climática afetará as espécies marinhas e os ecossistemas.

Quanto a quando esses eventos extremos ocorrerão e quão extremos eles serão, as previsões variam. “Não podemos dizer que vai acontecer no próximo ano”, disse Stillman. “Mas se continuarmos na atual trajetória do carbono, até o final deste século, vamos ver ondas de calor que superarão as que já mataram um grande número de pessoas e animais selvagens.”

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pesquisa revisa os impactos das ondas de calor em humanos e animais selvagens - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV