Posse de arma x suicídio

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • O Sínodo nos ajuda a entender que a solução não está no Direito Canônico, mas na profecia

    LER MAIS
  • “O que acumulamos e desperdiçamos é o pão dos pobres”, afirma o papa Francisco em carta à FAO

    LER MAIS
  • Metade dos brasileiros vive com R$ 413 mensais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Fevereiro 2019

A discussão que rodeia o cotidiano da sociedade hoje, se detém ao acesso à posse de arma de fogo, que durante 15 anos provocou diversos debates sociais. Após a posse do novo presidente Jair Bolsonaro, em apenas alguns dias houve um desfecho para essa discussão.

A reportagem é de Flávia Tenório, publicada por EcoDebate, 28-01-2019.

Assinado dia 15 de janeiro de 2019, o decreto que permite aos cidadãos manter arma de fogo em casa. A partir da tomada dessa decisão de flexibilização do acesso a armas de fogo, o problema passou a refletir no psicológico das pessoas, de forma mais profunda, gerando pânico e abrindo um leque maior para discussão. Levando em consideração que a cada 14 minutos, uma pessoa morre por arma de fogo, sendo parte delas o suicídio – ainda um debate de grande tabu em nossa sociedade.

“Aproximadamente 800 mil pessoas cometem o suicídio em todo o mundo e pela sua alta frequência, ele é considerado um problema de saúde pública. A Organização Mundial de Saúde calcula que, ao redor do mundo, uma pessoa se suicide a cada 40 segundos. Entre jovens de 15-24 anos o problema é tão grave que o suicídio é uma das três principais causas de morte nesta faixa etária. Um ponto trágico nesta realidade é que esta é considerada uma causa de morte prevenível”, afirma Bruno Palazzo Nazar, médico psiquiatra.

“Nem toda pessoa que tenta o suicídio está deprimida e planejando a própria morte, por vezes, a tentativa de se matar se dá num impulso para tentar acabar com uma sensação de pânico, de desespero ou uma dor psicológica que se tornou insuportável, chamada depsychache”, completa Dr. Bruno Nazar. Os casos de suicídio impulsivos associados à uma arma de fogo podem provocar sequelas físicas mais graves do que por outros métodos, além de levar à morte com mais frequência.

Pesquisadores da universidade de Harvard frisam que nos Estados Unidos, o risco de uma pessoa se matar é três vezes maior nos lares de famílias onde há uma arma de fogo. Além disso, nestes casos, a arma da família é utilizada em 75% dos suicídios completados, enquanto que apenas 20% das tentativas não completadas de suicídio utilizaram armas.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Posse de arma x suicídio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV