Suicídio de jovens. Um problema complexo

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Mais Lidos

  • “A desinformação sobre as Universidades Públicas é proposital e tem a intenção de justificar o discurso privatista”. Entrevista com Mônica Ribeiro

    LER MAIS
  • "Coquetel" com 27 agrotóxicos foi achado na água de 1 em cada 4 municípios – consulte o seu

    LER MAIS
  • Steve Bannon comanda ataque orquestrado ao Papa e a suas ideias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Fevereiro 2019

A reportagem de capa da Piauí de fevereiro fala sobre o suicídio de jovens no Brasil. São muitos os focos da matéria, mas um chama atenção nesses tempos de guinada na política de saúde mental brasileira. O juiz Régis Bonvicino perdeu a filha Bruna, que tinha 25 anos quando se matou. Na madrugada em que Bruna se jogou do 13º andar, a jovem tinha vivido um surto particularmente agressivo. Os pais sugeriram que Bruna ligasse para o psiquiatra que a atendia na época. O médico se recusou a atendê-la, alegando “não ser especialista em tratamento de famílias violentas”. A trajetória de Bruna com os “psiquiatras de impressora”, como os chamava, começou quando tinha 14 anos. “Há um despreparo e um descompromisso enormes desses profissionais do sistema privado, que, além de tudo, pouco conversam entre si”, constata o juiz Bonvicino.

A reportagem é de Outra Saúde, 11-02-2019.

Na mesma reportagem, a pesquisadora Margareth Arilha, que é psicóloga social estuda o tema, afirma: “Precisamos impedir que a psiquiatria sequestre o suicídio”. Ela defende que o fenômeno atingiu proporções epidêmicas e demanda uma abordagem ampla, com atuação não só médica ou de profissionais da saúde, mas também de antropólogos, sociólogos, artistas e comunicadores. Já a Associação Brasileira de Psiquiatria, a ABP, que falou com a reportagem por e-mail, vai na direção oposta: “[o psiquiatra] é o profissional mais adequado para ajudar o paciente em emergências médicas desse tipo, junto de uma equipe multidisciplinar que inclui assistentes sociais, enfermeiros, psicólogos e demais profissionais da saúde”. Em 2016, 11.433 pessoas se mataram no Brasil, segundo o Ministério da Saúde. Houve um aumento de 2,3% em relação a 2015.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Suicídio de jovens. Um problema complexo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV