Os oceanos estão aquecendo ainda mais rápido do que se pensava

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • Steve Bannon, ex-estrategista de Trump, visita Olavo de Carvalho

    LER MAIS
  • "Eu não quero morrer, mas estou pronto para enfrentar o que for pela luta que eu acredito". Entrevista com Padre José Amaro Lopes da Silva

    LER MAIS
  • Se como homem você se ofende com o anúncio da Gillette, você tem um problema

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Janeiro 2019

O calor retido pelos gases do efeito estufa está elevando a temperatura dos oceanos mais rapidamente do que se pensava anteriormente, conclui uma análise de quatro recentes observações do aquecimento oceânico.

Os resultados fornecem mais evidências de que alegações anteriores de desaceleração ou “hiato” no aquecimento global nos últimos 15 anos foram infundadas.

A reportagem é de Kara Manke, publicada por University of California, Berkeley, e reproduzida por EcoDebate, 11-01-2019. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

O aquecimento oceânico é um marcador crítico da mudança climática, pois estima-se que 93% do excesso de energia solar retido pelos gases do efeito estufa se acumula nos oceanos do mundo. E, ao contrário das temperaturas da superfície, as temperaturas oceânicas não são afetadas pelas variações ano a ano causadas por eventos climáticos como El Niño ou erupções vulcânicas.

A nova análise, publicada hoje (11 de janeiro) na revista Science , mostra que as tendências no conteúdo de calor dos oceanos se comparam às previstas pelos principais modelos de mudança climática e que o aquecimento global dos oceanos está se acelerando.

Assumindo um cenário de “business as usual” em que nenhum esforço foi feito para reduzir as emissões de gases do efeito estufa, os modelos Coupled Model Intercomparison Project 5 (CMIP5) preveem que a temperatura dos 2.000 metros mais altos dos oceanos do mundo aumentará 0,78 graus Celsius até o final do século. A expansão térmica causada por esse aumento na temperatura elevaria os níveis do mar em 30 centímetros, ou cerca de 12 polegadas, além da já significativa elevação do nível do mar causada pelo derretimento das geleiras e dos lençóis de gelo. Oceanos mais quentes também contribuem para tempestades mais fortes, furacões e precipitações extremas.

Os quatro estudos, publicados entre 2014 e 2017, fornecem melhores estimativas de tendências passadas no conteúdo de calor oceânico, corrigindo discrepâncias entre diferentes tipos de medições de temperatura oceânica e melhor explicando as lacunas nas medições ao longo do tempo ou da localização.

A rede Argo de aproximadamente 4.000 flutuadores de robôs mede a temperatura da água até 2.000 metros abaixo da superfície.

Mergulhadores

Uma frota de quase 4.000 robôs flutuantes vagueia pelos oceanos do mundo, a cada poucos dias mergulhando a uma profundidade de 2000 metros e medindo a temperatura do oceano, o pH, a salinidade e outras informações à medida que se elevam. Este batalhão de monitoramento oceânico, chamado Argo, forneceu dados consistentes e difundidos sobre o conteúdo de calor oceânico desde meados dos anos 2000.

Antes de Argo, os dados de temperatura dos oceanos eram escassos na melhor das hipóteses, contando com dispositivos chamados de ultra-sonografias descartáveis que afundaram nas profundidades apenas uma vez, transmitindo dados sobre a temperatura do oceano até se estabelecerem em túmulos aquáticos.

Três dos novos estudos incluídos na análise da Science calcularam o conteúdo de calor oceânico de volta a 1970 e antes de usar novos métodos para corrigir erros de calibração e vieses nos dados de Argo e de batitromógrafo. O quarto adota uma abordagem completamente diferente, usando o fato de que um oceano aquecido libera oxigênio para a atmosfera para calcular o aquecimento do oceano a partir de mudanças nas concentrações atmosféricas de oxigênio, enquanto outros fatores, como a queima de combustíveis fósseis, também alteram os níveis de oxigênio atmosférico.

Referência

How fast are the oceans warming?
Lijing Cheng1, John Abraham2, Zeke Hausfather3, Kevin E. Trenberth4
Science 11 Jan 2019:
Vol. 363, Issue 6423, pp. 128-129
DOI: 10.1126/science.aav7619

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os oceanos estão aquecendo ainda mais rápido do que se pensava - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV