Perspectivas para a economia da América Latina e Caribe em 2019

Revista ihu on-line

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Mais Lidos

  • Como a internet está matando a democracia

    LER MAIS
  • Violência obstétrica, uma forma de desumanização das mulheres

    LER MAIS
  • Por que punir os mais pobres se há alternativa de se arrecadar mais e, ao mesmo tempo, fazer justiça fiscal e social?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Janeiro 2019

"Para 2019, a estimativa do FMI é de uma renda per capita de US$ 14,7 mil para o Brasil, US$ 14,8 mil na ALC e de US$ 18,7 mil no mundo", escreve José Eustáquio Diniz Alves, doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE, em artigo publicado por EcoDebate, 11-01-2019.

Eis o artigo.

A América Latina e Caribe (ALC) continua apresentando baixo crescimento econômico e deve enfrentar dificuldades ainda maiores em 2019.

O relatório da CEPAL, “Balanço preliminar das economias da América Latina e do Caribe”, edição 2018, considera que a região enfrenta um cenário econômico global complexo, no qual se espera uma redução na dinâmica de crescimento, tanto nas economias desenvolvidas quanto nas emergentes, acompanhada de um aumento da volatilidade dos mercados financeiros internacionais. Soma-se a isso o enfraquecimento estrutural do comércio internacional, agravado pelas tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China.

Os dados trimestrais indicam que, no nível sub-regional, o desempenho se mantém diferenciado, conforme gráfico abaixo. Na América do Sul, o crescimento continua bem abaixo do desempenho do México e da América Central. Para o ano de 2018, o crescimento econômico da ALC é estimado em 1,2%, o que implica uma leve desaceleração ante 1,3% de 2017. O crescimento se reduziu na América do Sul (de 0,8% em 2017 para 0,6% em 2018) como na América Central, Cuba e Haiti (de 3,4% para 3,2%). Por outro lado, o México cresce a um ritmo ligeiramente superior, passando de 2,1% em 2017 para 2,2% em 2018. No Caribe a recuperação do impacto de desastres naturais de 2017 contribui para uma aceleração do crescimento (de 0,2% em 2017 para 1,9% em 2018).

Na verdade o relatório da CEPAL vem confirmar a tendência de baixo crescimento da ALC, já mostrada pelos dados do FMI. O gráfico abaixo mostra que a ALC e o Brasil cresceram abaixo da média mundial nas últimas 4 décadas. E o mais grave é que a diferença, em relação à média mundial, nunca foi tão grande como na atual década. Isto quer dizer que a região está diminuindo o ritmo e se distanciando do que ocorre no resto do mundo.

Considerando a década 2010-19, o crescimento médio do mundo deve ficar em 3,85% ao ano, da ALC em 2,34% aa e do Brasil em 1,53% aa. Desta forma, a ALC deve crescer apenas 60,7% do que cresce o mundo e o Brasil cresce apenas 40%. Indubitavelmente, o desempenho do Brasil na atual década é tão ruim que puxa a média da ALC para baixo.

Isto fica claro no desempenho diferenciado da renda per capita (em termos constantes em poder de paridade de compra – ppp) nos diversos grupos de países. Nota-se que Brasil e ALC possuem renda per capita muito próximas, mas o Brasil que tinha uma renda per capita de US$ 11,2 mil acima dos US$ 10,7 mil da ALC, em 1980, ficou abaixo da média do continente desde 2014 e teve uma renda per capita de US$ 14,4 mil contra US$ 14,5 mil da ALC, em 2018.

Mas comparando com as economias avançadas, a ALC e o Brasil estão ficando cada vez mais distantes. Em 1980, as economias avançadas tinham uma renda per capita 2,2 vezes superior do que a renda da ALC e passou para 3 vezes em 2018. Já as economias emergentes da Ásia que tinham uma renda per capita de somente 12% da renda da ALC em 1980, passou para 76,3% em 2018.

Assim, fica claro que a ALC e o Brasil são economias submergentes e estão ficando para trás em relação ao desempenho médio do mundo. Para 2019, a estimativa do FMI é de uma renda per capita de US$ 14,7 mil para o Brasil, US$ 14,8 mil na ALC e de US$ 18,7 mil no mundo. Mas o que estava ruim tende a ficar pior, pois a perspectiva que a economia da ALC tenha um desempenho mais fraco em 2019 do que em 2018. Só com grandes transformações na região a ALC poderá romper com o ritmo de marcha lenta e passar a acompanhar o ritmo do resto do mundo, que também enfrentará dificuldades em 2019.

Nota da IHU On-Line

O Prof. Dr. José Eustáquio Diniz Alves ministrará duas conferências no "Ciclo de Estudos A China e o mundo. A (re)configuração geopolítica global". Mais informações e inscrições podem ser conferidas aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Perspectivas para a economia da América Latina e Caribe em 2019 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV