Mais um ex-assessor de Flávio Bolsonaro é suspeito de irregularidades

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • Vacinas, o grande golpe da Big Pharma

    LER MAIS
  • A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Dezembro 2018

Outro ex-assessor parlamentar do deputado estadual Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) é suspeito de irregularidades. De acordo com reportagem do jornal O Globo, o tenente-coronel da Polícia Militar fluminense Wellington Servulo Romano da Silva ficou 248 dias no exterior recebendo normalmente o salário da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

A reportagem é publicada por Congresso em Foco, 13-12-2018.

Wellington trabalhou por um ano e quatro meses para Flávio Bolsonaro e, segundo a Alerj, não tirou nenhuma licença no período. O ex-assessor parlamentar fez várias viagens para Portugal que, somadas, chegam a 248 dias. Na época ele estava lotado na vice-liderança do PP na Assembleia, então partido do deputado estadual. Wellington chegou a ser nomeado para atuar no gabinete de Flávio e foi exonerado em setembro de 2016.

Segundo a reportagem, o ex-assessor parlamentar está entre as pessoas que transferiram dinheiro a Fabrício de Queiroz, também ex-funcionário de Flávio. A movimentação foi de R$ 1,5 mil. Fabrício é listado em relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) que identificou uma série de transações bancárias consideradas suspeitas. Somados, os valores mapeados pelo órgão ultrapassam R$ 1 milhão.

O Globo apurou que há cerca de dois anos Wellington mora em Portugal. Fabrício não foi encontrado desde a divulgação das informações relacionas ao Coaf na semana passada. Flávio e Jair Bolsonaro tem negado as irregularidades e defendido a devida apuração do caso.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais um ex-assessor de Flávio Bolsonaro é suspeito de irregularidades - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV