Desmatamento no Cerrado é de 6.657 km2, no período de agosto de 2017 a julho de 2018

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Instrumentum Laboris do Sínodo para a Amazônia, um novo passo de “um 'kairós' para a Igreja e o mundo”

    LER MAIS
  • “Minha filha trans e católica é uma prova viva de como o Vaticano está errado em relação ao gênero”

    LER MAIS
  • “O Judiciário foi usado como vingança e impediu que a democracia siga seu curso”, afirma a antropóloga Lilia Schwarcz

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Dezembro 2018

Desmatamento no Cerrado – O resultado do mapeamento no bioma Cerrado, realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), aponta 6.657 km2 de desmatamento no período de agosto de 2017 a julho de 2018.

A reportagem foi publicada por INPE, 12-12-2018. 

Por meio do projeto chamado PRODES Cerrado, foram analisadas 118 imagens do satélite Landsat 8/OLI para registrar e quantificar as áreas desmatadas maiores que 1 hectare. O PRODES Cerrado considera como desmatamento a supressão da vegetação nativa, independentemente da futura utilização destas áreas.

Este valor é 33,8% menor que a taxa registrada em 2010, ano em foi lançado o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento e das Queimadas no Cerrado (PPCerrado), atualmente coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA).

O mapeamento faz parte do projeto “Desenvolvimento de Sistemas de Prevenção de Incêndios Florestais e Monitoramento da Cobertura Vegetal do Cerrado Brasileiro”, financiado pelo Programa de Investimento Florestal (FIP), administrado pelo Banco Mundial. Seus resultados são usados pelo governo brasileiro para avaliação e estabelecimento de políticas públicas relativas ao controle do desmatamento e ações voltadas a temática de REDD+. São também relevantes para toda a sociedade por seu potencial de contribuição na origem e rastreio de conformidade ambiental da produção agropecuária.

O projeto é coordenado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e o INPE é responsável pelas atividades de monitoramento da cobertura vegetal do Cerrado. O Cerrado, definido pelo Mapa dos Biomas Brasileiros do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2004, possui 2.036.448 km2 de extensão. Corresponde a 24% do território brasileiro e abrange os estados da Bahia, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Piauí, Paraná, Rondônia, São Paulo, Tocantins e o Distrito Federal. Somados aos dados já produzidos pelo INPE para a Amazônia, este novo monitoramento da cobertura do Cerrado, usando imagens de satélites de observação da Terra, garante uma base de informações sobre o desmatamento em áreas de vegetação natural de 73% do território brasileiro.

A Tabela 1 apresenta a distribuição do desmatamento para o ano de 2018 nos Estados que compõem o Cerrado. Já a Tabela 2 mostra a comparação com as respectivas medidas para o ano de 2017.

(Foto: INPE)

 

(Foto: INPE)

Os gráficos abaixo mostram a série histórica do PRODES para o bioma Cerrado e a variação relativa anual das taxas de desmatamento.

(Foto: INPE)

 

(Foto: INPE)

 

Os dados estão disponíveis em TerraBrasilis.

Mais informações: Projeto Monitoramento Cerrado.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Desmatamento no Cerrado é de 6.657 km2, no período de agosto de 2017 a julho de 2018 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV