Cardeal Laurent Monsengwo, símbolo de uma Igreja africana engajada

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • De Martini a Bergoglio. Rumo a um Concílio Vaticano III

    LER MAIS
  • Abriu-se a porteira da absoluta ingovernabilidade no Brasil. Entrevista com Paulo Arantes

    LER MAIS
  • Bispos e padres boicotam a encíclica Laudato si’

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Novembro 2018

A aposentadoria do arcebispo de Kinshasa marca o fim de uma era, mas também sinaliza uma nova época para uma Igreja africana inspirada em seu legado.

O comentário é do padre Donald Zagoré, da Sociedade das Missões Africanas, publicado por La Croix International, 08-11-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O cardeal Laurent Monsengwo Pasinya, 79 anos, que finalmente se aposentou no dia 1º de novembro, tornou-se o símbolo de uma Igreja africana engajada, que se recusa a permitir que a esperança do povo africano seja sacrificada em nome da política.

Ele é um símbolo de uma Igreja que se recusa a ficar em silêncio, para não se tornar cúmplice daqueles apóstolos do mal que mergulharam o nosso continente no luto. E ele é um símbolo daqueles que se recusam a permitir que a morte tenha a última palavra no continente africano.

Através da sua luta pela justiça e pela igualdade dos povos, o cardeal ressaltou a essência do trabalho fundamental e da vocação primordial da Igreja, que é resolutamente dar voz aos sem voz, lutando pela justiça e pela verdade no nosso continente.

Esses dois princípios fundamentais são a medida da nossa convivência como uma sociedade africana única, unificada e reconciliada, em que os africanos já não agem como lobos em relação aos outros, mas como irmãos e irmãs.

Eles são a medida de uma sociedade africana reconciliada, em que, para tomar emprestadas as palavras do arcebispo emérito de Kinshasa, “o estado de direito, e não a lei da força”, reinará.

Através do seu engajamento, o cardeal Monsengwo mostrou a todos nós que a fé cristã envolve uma dimensão política que obriga todos os homens e mulheres de fé a assumirem um compromisso político em solidariedade com os pobres, os marginalizados e os sem voz.

Esse compromisso político é totalmente antitético à “politicagem”, que consiste em tomar o poder, exercê-lo e lutar para mantê-lo. É esse tipo de perspectiva que continua semeando as sementes do conflito, já que sempre há alguém procurando se tornar o chefe.

A missão da Igreja, através do seu engajamento político, não é lutar para conquistar o poder, seja de que tipo for. O compromisso político requerido pela nossa fé cristã é com uma nova ordem social em que a paz e a justiça reinarão, levadas adiante por homens e mulheres de integridade e de moralidade exemplares.

Foi isso que levou o cardeal Monsengwo a proferir a frase que permanecerá para sempre na memória das pessoas: “Que os medíocres se retirem”.

A aposentadoria do cardeal certamente marca o fim de uma era. Mas marca também o início de uma nova era na qual a Igreja africana, nutrida pelo seu legado, será libertada dos seus receios e estará pronta para se sacrificar para que a justiça e a igualdade para o povo se tornem realidades tangíveis para os pobres e marginalizados na África.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cardeal Laurent Monsengwo, símbolo de uma Igreja africana engajada - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV