O Papa, Viganò e a guerra dos dossiês: todos os detalhes de um livro

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Calmaria antes da tempestade: antecipando o plano radical de um papa reformista para reduzir a Cúria Romana

    LER MAIS
  • Lula solto poderia tirar militares do controle, diz comandante do Exército: “Estávamos no limite”

    LER MAIS
  • Deus nos livre do deus do presidente

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Novembro 2018

Capa do livro | Divulgação

Dá vontade de revelar o final. Mas, não se pode. Porque Il Giorno del Giudizio [O Dia do Juízo, em tradução livre], o livro que Andrea Tornielli e Gianni Valente escreveram (para Piemme, na Itália), não é um romance, mas uma investigação jornalística com o ritmo e as surpresas de um romance policial, cujo final, que ainda não foi escrito, poderia sacudir os fundamentos milenares da solidez vaticana. Uma investigação com muitíssimos documentos exclusivos e depoimentos inéditos, que retrata com precisão de cirurgião o assalto ao Pontificado do Papa Bergoglio por parte de forças que podem ser identificadas em uma mesma sensibilidade conservadora e que, após seis anos tramando na sombra, decidiu revelar a própria opinião sobre um padre argentino revolucionário, capaz de voltar a acender a fé nos corações de milhões de pessoas, dando seu justo lugar aos desejos das hierarquias eclesiásticas e concentrando sua atenção nos pobres, humildes e deserdados. A mensagem é mais importante que o medo. Um tremendo chamado às origens do cristianismo que atemoriza o poder consolidado.

A reportagem é de Andrea Malaguti, publicada por Vatican Insider, 06-11-2018. A tradução é do Cepat.

Mas, o poder não se deixa atacar sem reagir. E neste caso reage com uma ferocidade tal que às vezes dá a impressão de que a Igreja contemporânea se tornou mais um “campo de batalha que um hospital de campanha”. O terreno eleito para o assalto é o mais pedregoso: a pedofilia. Essa mesma praga que o arcebispo Carlo Maria Viganò, ex-núncio apostólico nos Estados Unidos, em seu relatório, utilizou instrumentalmente e lançou contra o Pontífice que mais a combateu.

Tornielli e Valente, dois dos vaticanistas mais conhecidos e informados em nível internacional, escrevem na introdução a Il Giorno del Giudizio: “O que estamos presenciando não é somente o surgimento do mysterium iniquitatis, do mistério do mal e do pecado que a ataca por dentro e que sempre existiu. A novidade de nossos tempos é que falta, precisamente na Igreja e também em alguns de seus pastores, a consciência do que é a Igreja [...]. É uma mescla autorreferencial e destruidora. As páginas seguintes pretendem ajudar o leitor para que distinga entre a verdade, verdades pela metade e a desinformação divulgada por vários autoproclamados “meios de comunicação católicos”, acompanhando-o na compreensão do que verdadeiramente está acontecendo”. A viagem não somente é emocionante. Também é reveladora.

Tornielli e Valente, titulares de uma relação privilegiada com o mundo de Bergoglio, não se apoiam em seus sentimentos ou convicções pessoais. Baseiam-se nos documentos. Utilizando como ponto de partida precisamente esse “comunicado” de onze páginas, intitulado: “Testemunhos nos quais o ex-núncio Viganò reconstrói o caso de Theodore McCarrick, cardeal e arcebispo de Washington de 2000 a 2006, acusado de abusos sexuais de seminaristas adultos e de um menor”. Viganò acusa dezenas de altos eclesiásticos por ter acobertado McCarrick e aponta o dedo contra o Papa Francisco para pedir sua renúncia. Mas, o quanto são reais e têm fundamento as acusações?

Após ler este esplêndido livro-documento que também critica certo mundo “Bergoglio-chic” acostumado a projetar sobre o Papa a própria agenda e os próprios desejos, parece fácil responder: são completamente infundadas. Contudo, Il Giorno del Giudizio vai muito além. Descreve as tramas, os protagonistas, os objetivos e as razões de todos os venenos, não só para ordenar as coisas segundo ocorreram, mas também (e como sem pretender) para devolver a dignidade a esses sacerdotes que, longe dos complôs, realizam coerente e sinceramente o próprio trabalho.

Há duas Igrejas aparentemente: uma das verdades e outra do diabo. E tanto é assim que, no dia 12 de setembro, o Washington Post escreveu:Time is running out, Pope Francis. Acaba-se o tempo, Papa Francisco. E poderia provocar um cisma ou o renascimento de uma Igreja nova e finalmente pronta para recobrar o próprio papel de autêntica guia da cristandade.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa, Viganò e a guerra dos dossiês: todos os detalhes de um livro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV