O Sínodo começa agora

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Direita cristã é o novo ator e líder do neoconservadorismo no País

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Novembro 2018

Após a conclusão do Sínodo, a Federação Alemã de Jovens Católicos (BDKJ) traça um primeiro balanço. O presidente, Thomas Andonie, ouvinte no sínodo, declarou-se satisfeito com os resultados obtidos, embora em algumas questões teria gostado de algo mais. O mais decisivo agora, em sua opinião, será como a Igreja, em todas as partes do mundo, colocará em prática as diretrizes aprovadas pelos Padres sinodais contidas no documento final.

O depoimento de Thomas Andonie é publicado por Settimana News, 31-10-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Habemus Documentum! Foi quase possível sentir como a tensão na plenária do sínodo se afrouxou após a votação. Relaxados, exaustos, mas felizes, comemoramos a conclusão do trabalho no sábado à noite. Nós não celebramos porque o sínodo tinha acabado, mas porque tinha sido lançada a pedra fundamental para a continuação do trabalho.

Do ceticismo à euforia

Tenho às minhas costas quatro semanas intensas e excitantes: uma sucessão de sentimentos, de um grande ceticismo até à euforia. Tive oportunidade de apresentar na Sala do Sínodo, na frente da Igreja de todo o mundo, os problemas dos jovens e fazer uma intervenção para pedir mudança da Igreja, para que possa cumprir melhor a sua missão. Estou muito grato por ter tido a chance de fazer isso.

Nas últimas semanas, compreendi claramente o que um sínodo pode e o que não pode fazer. Bispos de todo o mundo se reuniram para discutir coisas essenciais, e isso foi feito. Estou feliz com o documento final! Os bispos ouviram e levaram a sério os problemas dos jovens.

Mas eu enfatizo: o trabalho só esta começando agora. Temos pela frente um período significativo, no qual as preocupações dos jovens devem ser traduzidas em prática na Alemanha. O sínodo colocou nesse sentido a base. Sobre ela devemos agora construir "em todos os níveis da Igreja": nas paróquias, nos decanatos, nas dioceses e também nos planos regional e nacional.

Como representante dos jovens na Alemanha, em minha intervenção falei de quatro temas importantes: a violência sexual, o papel das mulheres na Igreja, a moral sexual e o acompanhamento. Em todos os quatro tópicos fizemos progressos - mais em alguns, em outros menos. Sobre a violência sexual, o documento final afirma que deve ser erradicada pela raiz, isso é claro. Mas às muitas palavras agora devem seguir os fatos! Quais estruturas favorecem a violência sexual? O estudo dos abusos efetuado na Alemanha já forneceu dados sobre os quais os responsáveis da Igreja devem agora trabalhar.

É difícil para alguns bispos aceitar as pessoas como são

Quanto ao papel das mulheres, foi dito que as mulheres devem estar presentes em todos os níveis da Igreja, mesmo nas funções de liderança. É uma declaração importante - finalmente! Entre nós, na BDKJ, isso tem funcionado muito bem há algumas décadas e agora devemos refletir para a Alemanha o que significa concretamente e em quais objetivos estamos de acordo. É um dos pedidos de muitos jovens, homens e mulheres!

Com relação ao problema com que a Igreja trata da parceria de gênero, vejo que muitos bispos ainda acham difícil aceitar as pessoas como elas vivem e como elas são. Na avaliação deste problema, também percebemos uma grande tensão entre os bispos. Nesse sentido, no entanto, gostaria que tivesse sido manifestada mais coragem e, nos jovens, maior confiança.

Mas no documento fica claro que os jovens são os próprios especialistas sobre o seu mundo de fé e de vida. Nas associações de jovens, isso já tem sido uma prática vivenciada. Fiquei bastante satisfeito que no Sínodo o tema do acompanhamento dos jovens tenha tido muito espaço. O princípio estabelecido "a juventude guia a juventude" no documento final também é reconhecido também do ponto de vista eclesial: os jovens acompanham-se mutuamente! Esse é um ótimo valor agregado pelo sínodo.

No entanto, além do acompanhamento dos jovens entre si, há também a necessidade de um bom quadro confiável de referência, de apoio aos acompanhantes pastorais. Também a esse respeito há uma declaração significativa do sínodo.

Continuando com os trabalhos sinodais, devemos agora refletir seriamente sobre como devem ser os novos caminhos e condições das vocações pastorais. A nossa assembleia geral do BDKJ com a resolução "A Igreja se autopromove" já fez uma proposta.

Além das muitas trocas e discussões, eu realmente gostei no sínodo das conversas à mesa onde nossa comunidade BDKJ se hospedava. Entre outros, tivemos como convidados o jovem bispo salesiano frei Stefan Oster, o frei Alois, prior de Taizé, e o padre Clemens Blattert sj. Juntos, falamos sobre os tópicos do sínodo e de outras questões importantes para nós. Essas noites foram para mim momentos extremamente preciosos.

Agora, fazer as malas e pegar o avião

Depois de quatro semanas em Roma, para mim chegou à hora de fazer as malas e pegar o avião. O trabalho no âmbito da Igreja universal no sínodo dos bispos para nós está terminado; agora começa na Alemanha. Nós, como BDKJ, como representantes de 660.000 garotos e jovens presentes em 17 associações, devemos oferecer nossa contribuição. Entre nós há jovens de diferentes caráter e orientação que caminham juntos. Sempre temos boas experiências com a participação dos jovens. É hora de fortalecer ainda mais os elementos de participação também em outros níveis da nossa Igreja.

Sobre minha intervenção no sínodo

"Atualmente um problema é o que mais nos preme: na Alemanha, 5% de sacerdotes diocesanos, a partir de meados do século passado até 2014, foram acusados de abusar sexualmente de crianças e adolescentes. E não apenas na Alemanha, mas também nos Estados Unidos, México, Austrália, Chile, aconteceu em todos os lugares, e devemos pensar que isso continuará acontecendo. É uma catástrofe.

Agora é preciso ouvir e cuidar das pessoas atingidas, fazer as reparações adequadas, efetuar investigações independentes sobre os encobrimentos, assumir as responsabilidades, afastar os autores do serviço eclesiástico e tomar medidas de prevenção comuns e estruturais seguras.

Mas isso não é suficiente! Temos que investigar as estruturas clericais. Não se trata de casos isolados, o problema está no sistema!

Nenhuma justificativa do direito canônico pode ser mantida quando se torna claro que a violência sexual foi fomentada por meio dela. Não há nenhum parágrafo na lei canônica que seja mais sagrado do que a dignidade humana. Agora já não servem mais as palavras, apenas os fatos contam. Se a Igreja não combater e não colocar um fim definitivo a esses comportamentos imorais, não recuperará sua credibilidade e confiança, especialmente entre os jovens. E o que dizemos aqui ficará totalmente inútil.

Além desse importante tópico, gostaria de mencionar três outros, que dizem respeito essencialmente ao "ser autenticamente Igreja" para os jovens.

1. O papel da mulher: não podemos continuar a excluir 50% da população da liderança da Igreja. Muitas jovens não encontram na Igreja um abrigo por causa dessa injustiça. E o problema da liderança também está ligado ao problema da ordenação. Nas associações de jovens, mulheres e homens, leigos e padres trabalham juntos em igualdade de condições e gênero e mostram como é enriquecedora essa diversificação.

2. A moral sexual da Igreja: a maioria dos jovens rejeita a moral sexual da Igreja, especialmente sua atitude em relação a parceiros do mesmo sexo e relacionamentos pré-matrimoniais. Eles entendem muito bem o que a Igreja lhes pede, mas têm - como cristãos batizados e confirmados - simplesmente uma opinião diferente. Para eles são particularmente importantes valores como a fidelidade e a responsabilidade mútua. Somente quando a Igreja estiver pronta a reconhecer essas realidades da vida, poderá entrar novamente em diálogo com os jovens.

3. Sobre o acompanhamento: em nossas associações de jovens, os jovens se ajudam a encontrar sua vocação. Isso corresponde ao nosso princípio básico: a juventude guia a juventude! No entanto, para este fim, eles precisam de uma boa formação e do apoio de bons operadores e operadoras pastorais. Estamos muito preocupados com o fato de haver cada vez menos pessoas na Alemanha prontas para abraçar uma tarefa pastoral. Também a este respeito são necessárias mudanças para oferecer aos jovens um bom serviço pessoal. A pastoral vocacional deve ser pensada em sua amplitude e como parte natural de uma pastoral juvenil diversificada.

Sabemos que a realização de uma "Igreja autêntica" também está em nossa responsabilidade. Nós assumimos essa tarefa. E é precisamente por essa razão que eu falo aqui abertamente a vocês; precisamos de uma maior participação dos jovens. Vamos discutir isso abertamente. Enfrentem concretamente os problemas de que falei. Promovam a descentralização. É hora de responder melhor à missão de Jesus e de seu Reino".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Sínodo começa agora - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV