"Não desliguem a TV, mas liguem a liberdade": o livro inédito de Umberto Eco sobre a televisão

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Refazer os padres, repensando os seminários. Artigo de Erio Castellucci

    LER MAIS
  • Movimento que pediu pacote antiambiental a Paulo Guedes inclui Gerdau, Google, Amazon, Globo e outros

    LER MAIS
  • São Vicente de Paulo e a atualidade de sua herança espiritual

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Outubro 2018

A TV é uma professora, às vezes ruim, mas de forma não previsível. Como as outras mídias. A lição do grande semiólogo agora se torna uma publicação. 

O texto é de  Umberto Eco, escritor, semiólogo e linguista italiano falecido em 19 de fevereiro de 2016, publicado por L'Espresso, 24-10-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis o texto. 

Oito ou nove anos atrás, quando minha filha estava começando a olhar para o mundo pela janela de uma tela de TV (tela que na Itália foi definida como "uma janela aberta para um mundo fechado"), uma vez eu a vi seguir religiosamente uma propaganda que, se bem me lembro, afirmava que determinado produto era o melhor do mundo, capaz de suprir qualquer necessidade.

Alarmado na vertente educativa, tentei ensinar-lhe que isso não era verdade e, para simplificar meus argumentos, contei-lhe que as propagandas geralmente mentem. Ela entendeu que não devia confiar na televisão (enquanto, por razões edipianas, fazia de tudo para confiar em mim). Dois dias depois, estava assistindo ao noticiário, que a informavam do fato que seria imprudente dirigir ao longo das autoestradas do norte por causa da neve (uma informação que satisfez os meus mais íntimos desejos, visto que eu estava desesperado para ficar em casa no fim de semana). Ao que ela me fulminou com um olhar desconfiado, perguntando por que eu tinha confiado na TV considerando que dois dias antes havia lhe dito que ela contava mentiras.

Eu encontrei-me forçado a começar uma dissertação muito complexa de lógica extensional, pragmática das linguagens naturais e teoria dos gêneros, a fim de convencê-la que, por vezes, a televisão mente e, ocasionalmente, diz a verdade. Por exemplo, um livro que começa com "Era uma vez uma menina chamada Chapeuzinho Vermelho e assim por diante ..." não diz a verdade quando em sua primeira página atribui a história da menina a um sujeito chamado Perrault. Apenas o psiquiatra a quem minha filha provavelmente recorrerá quando tiver chegado à idade da razão será capaz, eu acho, de constatar os danos consideráveis que a minha intervenção pedagógica provocou em sua mente ou em seu inconsciente. Mas esta é outra história.

O fato, que descobri justamente naquela ocasião, é que, se você quiser usar a televisão para ensinar algo a alguém, primeiro deve ensinar como usar a televisão. Nesse sentido, a televisão não é diferente de um livro. É possível usar os livros para ensinar, mas primeiro é preciso explicar como funcionam, pelo menos o alfabeto e as palavras, em seguida, os níveis de credibilidade, a suspensão da descrença, a diferença entre um romance e um livro de história e assim por diante . [...]

Acredito que os problemas relacionados ao uso educativo da televisão são os mesmos daqueles relacionados aos seus supostos efeitos perversos. Pode ser que a televisão, assim como as outras mídias, corrompa os inocentes, mas certamente faz isso de uma maneira não prevista por muitos educadores (ou muitos corruptores). Vamos supor que um marciano tente extrapolar o impacto da televisão sobre a primeira geração que cresceu sob sua influência (pessoas que começaram a assisti-la com a idade, digamos, de três anos no início dos anos 1950), então o nosso marciano poderia começar analisando o conteúdo dos programas televisivos dos anos 1950.

Alimentada à força por programas como The $ 64,000 Question, novelas, dramas no estilo Mary Walcott, publicidades da Coca-Cola e filmes com John Wayne sobre a Segunda Guerra Mundial, é provável que aquela geração tenha chegado a 1968 com um bom emprego em um banco, corte militar e colarinho branco, uma fé sólida na ordem constituída e a intenção de se casar virtuosamente com a garota ou o garoto da casa ao lado. Mas, ao contrário, se bem me lembro daquele evento pré-histórico, aconteceu que em 1968 essa "geração televisiva" não tentou matar os japoneses, mas sim os professores universitários, fumava maconha em vez de Marlboro, praticava ioga, meditação transcendental, comia alimentos macrobióticos e assim por diante.

Deixe-me acrescentar que quando a televisão propôs hippies que fumavam maconha e colocavam flores nos canos dos fuzis como um novo modelo para um estilo de vida "jovem", a geração sucessiva cortou os cabelos, começou a usar as armas e preparar bombas. Isso nos sugere que os jovens leem a televisão de maneira diferente daqueles que a fazem. Não acredito que isso aconteça por acaso: acredito que existam regras que governam o espaço vazio entre a emissão e a recepção de um programa televisivo. Precisamos conhecê-las e, acima de tudo, precisamos tentar de ensiná-las, especialmente aos jovens. [...]

Os sociólogos que estudaram os meios de comunicação de massa nos anos 1940-50 já conheciam muito bem fenômenos como o efeito bumerangue, a influência dos formadores de opinião e a necessidade de reforçar a mensagem através de uma verificação porta a porta de. Eles sabiam que entre o ponto de envio e de recebimento existem muitos filtros ativados por telas psicológicas e sociais, ou culturais.

Os primeiros testes após a chegada da televisão nas áreas suburbanas e deprimidas da Itália demonstraram que muitas pessoas assistiam aos programas da faixa noturna como um continuum, sem nenhuma discriminação entre shows, noticiários ou dramas. Tudo era visto com o mesmo nível de credibilidade, uma absoluta confusão de competência de gênero. Durante anos, as empresas de televisão confiaram em diferentes tipos de avaliação de audiência e se contentaram em saber quantas pessoas apreciavam um determinado programa (uma informação, sem dúvida, importante do ponto de vista comercial) mesmo ignorando aquilo que o público realmente entendia do programa em si. Dito isto, a lacuna de comunicação descrita anteriormente é muito mais complexa.

Devemos considerar não só as diferenças de código entre emissor e destinatário, mas também a variedade de códigos que distinguem determinados grupos de destinatários de outros, de acordo com seu status social e suas inclinações ideológicas. E deveríamos considerar, mesmo de um ponto de vista tão flexível, que o quadro permanece incompleto dado que deveríamos também levar em conta o fato de que um determinado sujeito pertencer a grupos diferentes, dependendo do programa e do horário. Quero dizer que a pessoa X pode ser considerada como um trabalhador sensível à política (portanto, dotado de habilidades econômicas e políticas) quando assiste ao noticiário. Porém a mesma pessoa X pode se alinhar com as predileções de um filisteu burguês quando assiste um seriado, mantendo de lado as suas sensibilidades em relação aos papéis sexuais, libertação feminina ou luta de classes, mesmo que seja capaz de despertá-las quando a TV trata de salários, greves ou direitos humanos.

Devemos estar cientes do fato de que o mesmo fenômeno acontece com as crianças. As crianças podem ser extremamente sensíveis aos valores ecológicos quando a televisão estimula sua competência espontânea, já adquirida, sobre o respeito pelos animais, mediante uma transmissão sobre a vida selvagem. Mas a mesma criança, diante de um faroeste, vai participar da excitação do cowboy que parte ao galope perseguindo os bandidos sem se preocupar com o esforço do cavalo, explorado impiedosamente. Podemos dizer que, também nesse caso, estamos testemunhando uma diferença entre códigos? Podemos dizer que, de acordo com a situação e a ativação de uma competência de gênero, a mesma pessoa reage de acordo com códigos culturais diferentes? Depende do nosso acordo sobre a noção de código cultural. [...].

Mas o que acontece com a criança que assiste ao filme de faroeste e, uma vez aceitas, suas regras de gênero não ativam a competência sobre a exploração animal? Eu não consigo imaginar uma interrupção do filme com um apresentador que apareça e fale: "Presta atenção ao comportamento nada ético do herói". Ou melhor, posso imaginar uma situação semelhante, mas não em termos de uma intervenção gramatical, como no caso da "metempsicose". Seria algo mais próximo de um procedimento de descontextualização e desconstrução. [...]

A televisão educativa teve muitos méritos. Um programa como Vila Sésamo ensinou a milhões de jovens norte-americanos que o inglês da comunidade negra é uma língua em todos os sentidos, capaz de expressar alegria, inteligência, compaixão e conceitos. Mas eu gostaria de ver um programa que explicasse para os professores como usar, por exemplo, o Johnny Carson Show, a fim de prever o que ele vai dizer a um jovem porto-riquenho, a um jovem negro, a um jovem branco protestante. Talvez cada um deles veja algo diferente naquele programa. Nenhuma dessas interpretações é, em si, um caso "aberrante". A verdadeira aberração é que todos esses garotos não percebem que o programa é o mesmo, mas as interpretações variam. Cada interpretação reflete um diferente mundo cultural com códigos diferentes. [...].

Até que ponto uma formação específica no âmbito das artes visuais permite identificar melhor referências visuais que (por sua vez) são indispensáveis para a compreensão de determinadas situações narrativas? Vamos tomar os subcódigos estéticos: existem diferentes modelos de beleza para o corpo humano, bem como em termos de decoração, casas e carros, de acordo com a tradição nacional, da adesão a uma classe, de uma excessiva exposição televisiva a outros modelos e assim por diante. É importante mostrar que um determinado programa faz uso de estereótipos, mas também é importante ver se esses estereótipos têm o mesmo efeito sobre cada criança da turma.

[...]

Uma educação criticamente orientada deve reconhecer o fato de que a televisão existe e que é a principal fonte de formação para adultos e crianças.

Mas uma educação criticamente orientada deve fazer com que os professores usem a televisão como uma fatia do mundo, da mesma forma que usam o tempo atmosférico, as estações, as flores, a paisagem para falar sobre os fenômenos naturais. Nesse ponto, minha proposta para uma televisão educativa diz respeito não apenas às crianças, mas também à formação contínua dos adultos. Apenas dois dias atrás, o primeiro-ministro alemão Schmidt escreveu um longo artigo para a Zeit manifestando a sua preocupação sobre a televisão, que absorve grande parte do tempo livre de seus compatriotas, bloqueando qualquer possibilidade de interação cara a cara, especialmente nas famílias. Schmidt então propôs que cada família decidisse dedicar um dia ao ritual de manter a televisão desligada. Um dia por semana sem televisão. Talvez os alemães sejam tão obedientes para aceitar a proposta. Eu só espero que eles não o façam justamente no momento em que o governo esteja promulgando uma nova lei! De qualquer forma, se eu estivesse no lugar de Schmidt, a minha proposta seria diferente.

Eu diria o seguinte: amigos, compatriotas, alemães (mas a proposta também vale para os ingleses), um dia por semana vamos nos encontrar com outras pessoas e assistir à televisão de forma crítica todos juntos, comparando nossas reações e falando cara a cara sobre o que nos ensinou ou fingiu nos ensinar. Não desliguem a televisão: liguem sua liberdade crítica.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Não desliguem a TV, mas liguem a liberdade": o livro inédito de Umberto Eco sobre a televisão - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV