‘Esta é a ética que impulsiona o progresso’. Entrevista com Elena Cattaneo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco denuncia: “Ouvimos mais as empresas multinacionais do que os movimentos sociais. Falando claramente, ouvimos mais os poderosos do que os fracos e este não é o caminho”

    LER MAIS
  • Prefeito da Doutrina da Fé pede para que padre irlandês, defensor da ordenação de mulheres, faça os juramentos de fidelidade aos ensinamentos da Igreja

    LER MAIS
  • Fogo no Pantanal mato-grossense começou em fazendas de pecuaristas que fornecem para gigantes do agronegócio

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


28 Setembro 2018

"Ciência, Ética e Sociedade" é o tema desafiador da entrevista com Elena Cattaneo, farmacologista e senadora vitalícia. A entrevista é de Gabriele Beccaria, publicada por La Stampa, 26-09-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Eis a entrevista.

Professora, poucos estão cientes de que existe uma ética da ciência e muitos acreditam que tudo seja permitido: dessa forma pensam na pesquisa como um Moloch cruel e cego. Como essa visão incorreta pode ser corrigida?

A ciência é outra coisa, investiga a realidade com a humildade de quem se coloca diante do desconhecido. Só meses de experimentos, cansaço e fracassos dirão se o caminho percorrido está correto. Ao longo desse caminho, só se obedece ao método científico, que coloca em análise cada ideia, sem jamais aceitar que alguma possa ser ‘privilegiada’. Na Itália, é difícil afirmar esse método. O único que permite não transgredir a ética pública.

Você é um exemplo de compromisso em nome da transparência e dos princípios da liberdade de pesquisa: qual, entre suas batalhas, teve mais sucesso e qual será a próxima?

Em 2001, percebi que uma comissão ministerial distribuía fundos para a pesquisa sem método científico. Eu me revoltei porque acredito na ética da ciência. A questão chegou ao Parlamento. O subsecretário reconheceu que a comissão não havia trabalhado de forma transparente. Foi uma primeira vitória. Outros casos semelhantes seguiram. Eu processei o governo, com dois colegas, pela liberdade de pesquisa sobre as células-tronco embrionárias. Então veio o caso Stamina. Mais recente é a batalha sobre o Human Technopole, que repropõe o método da ‘cooptação’, contrário à ética pública. Um erro a que o governo teve que por remédio. Pensando no futuro, o tema que me ‘tortura’ é a enorme contradição entre fatos e crenças na agricultura. Política e marketing contaram uma história diferente da desastrosa realidade do setor. Enquanto no campo da medicina a inovação é bem-vinda, na agricultura é de fato proibida.

Por que na Itália o debate sobre a ciência encontra tantas dificuldades? Existe uma receita que pode nos ajudar a melhorar uma situação comprometida por desinformação, notícias falsas e histerias de massa?

Na Itália falta o hábito do raciocínio científico. Muitas vezes, para defender ‘visões’ que são apoiadas ou criticadas a priori, busca-se pesquisas em teses em vez dos dados sobre os quais há consenso na comunidade dos estudiosos. Principalmente, a cada nova descoberta científica, estamos acostumados a ouvir falar sobre os medos que gera e mais dificilmente fala-se a respeito para apreciar seus concretos avanços.

Existe um exemplo de sucesso, fora da Itália, de como discutir de maneira eficaz os problemas da ciência e da tecnologia?

Desde 2014, a BBC adotou diretrizes para a comunicação científica, elaborando listas de especialistas. Uma proposta semelhante constava nas conclusões da investigação do Senado sobre o chamado método Stamina. Infelizmente ainda são palavras vazias.

Por que são ainda poucos os cientistas na Itália dispostos a se envolver pessoalmente, quando estão em jogo questões de interesse coletivo, como as vacinas, a Aids ou o tratamento do câncer?

Se a ciência na Itália tem dificuldades para afirmar sua autoridade, boa parte da responsabilidade é dos estudiosos. Em vez de participar no debate público para restabelecer a verdade dos fatos científicos, muitos permanecem fechados em laboratórios, talvez pensando - erroneamente - que o debate público não lhe diz respeito ou por medo de serem impopulares. No entanto, as capacidades e as competências desses cientistas são indispensáveis para argumentar inclusive os "não" às vezes necessários ao país.

Você tem algum conselho para aqueles que divulgam a ciência?

Não ter medo de restaurar o bom senso contra o senso comum. É preciso ‘contaminar’ todos os âmbitos com uma comunicação enérgica, quando os tons e as posições são extremos, e mais argumentativa para responder às dúvidas dos cidadãos. Está em curso um debate, mesmo dentro da comunidade científica, sobre a utilidade de ‘desmascarar as mentiras’, o chamado 'debunking'. Eu acredito que seja essencial.

Precisamos, também, de coragem para afirmar que não existe uma condição de igualdade na ciência, que não podem ser colocados no mesmo nível - ou no mesmo estúdio de tv - cientistas e charlatães. Nesses casos e sempre recusei, sem nunca me arrepender.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

‘Esta é a ética que impulsiona o progresso’. Entrevista com Elena Cattaneo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV