Mudar para uma dieta saudável não é apenas bom para nós, mas também poupa muita água doce

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • Enquanto pastores evangélicos apoiam Bolsonaro, cúpula católica lava as mãos. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • PT deveria realizar 'comissão da verdade' para examinar seus erros, diz Noam Chomsky

    LER MAIS
  • Francisco. “Os hipócritas são um instrumento do diabo para destruir a Igreja”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Setembro 2018

Mudar para uma dieta saudável não é apenas bom para nós, mas também poupa muita água doce preciosa, de acordo com um estudo do CCI publicado na Nature Sustainability.

A informação é publicada por The Joint Research Centre (JRC), e reproduzida por EcoDebate, 13-09-2018. A tradução e edição são de Henrique Cortez.

Em comparação com as dietas existentes, a água necessária para produzir nossos alimentos pode ser reduzida entre:

11% e 35% para dietas saudáveis contendo carne,
33% e 55% para dietas pescetarianas saudáveis e
35% e 55% para dietas vegetarianas saudáveis.

O potencial impacto na pegada hídrica do consumo de alimentos ao mudar para dietas vegetarianas saudáveis, visualizado por 43.786 entidades geográficas na França, Alemanha e Reino Unido. O mapa foi ajustado para refletir o tamanho da população de cada país. EU 2018 

Os pesquisadores compararam esses três padrões de dieta, definidos pelas respectivas diretrizes alimentares nacionais, com o atual consumo real de alimentos, usando dados disponíveis de mais de 43 mil áreas na França, no Reino Unido e na Alemanha.

Eles descobriram que comer de forma mais saudável poderia reduzir substancialmente a pegada hídrica da dieta das pessoas, consistente em todas as entidades geográficas analisadas no estudo.

O estudo é a mais detalhada pegada hídrica nacional relacionada ao consumo de alimentos já feita, levando em conta fatores socioeconômicos do consumo de alimentos, para dietas existentes e recomendadas.

Influência dos alimentos que comemos

Os cientistas também mostram como o comportamento individual de consumo de alimentos – e suas pegadas hídricas relacionadas – dependem fortemente dos fatores socioeconômicos, como idade, sexo e nível de educação.

Eles encontraram correlações interessantes entre esses fatores e a pegada hídrica de alimentos específicos e seu impacto resultante nas pegadas hídricas globais.

Por exemplo, o estudo mostra como, na França, a pegada hídrica do consumo de leite diminui com a idade nos municípios analisados.

Em Londres, eles mostram uma forte correlação entre a pegada hídrica do consumo de vinho e a porcentagem da população de cada área com um alto nível de educação.

A figura a) mostra a correlação negativa entre idade e consumo de leite na França. A figura b) mostra a correlação positiva entre% de pessoas altamente qualificadas e o consumo de vinho em Londres. EU 2018


A pegada hídrica é definida como o volume total de água doce usada para produzir bens consumidos, alimentos neste caso específico.

Os cientistas usaram pesquisas dietéticas nacionais para avaliar as diferenças no consumo de grupos de produtos alimentares entre regiões e fatores socioeconômicos dentro das regiões.

Os cenários de dieta analisados no estudo levam em conta as necessidades totais diárias de energia e proteína, bem como a quantidade máxima diária de gordura.

Eles são baseados em diretrizes dietéticas nacionais, nas quais, para cada grupo de produtos alimentícios, recomendações específicas são dadas de acordo com a idade e o sexo.

Reduzindo as pegadas hídricas nacionais para os limites administrativos mais baixos possíveis dentro de um país, os cientistas fornecem uma ferramenta útil para os formuladores de políticas em vários níveis.

A metodologia também poderia ser aplicada a outras avaliações de pegadas – como as pegadas de carbono, terra ou energia relacionadas ao consumo de alimentos.

Produtos de origem animal – e especialmente carne – têm uma pegada hídrica alta.

A dieta média europeia é caracterizada pelo consumo excessivo em geral, particularmente de produtos animais.

Uma dieta saudável conteria menos açúcar, óleos vegetais, carne e gorduras animais e mais vegetais e frutas.

Devido aos numerosos impactos negativos de um sistema intensivo de produção pecuária sobre os recursos e ecossistemas do planeta, bem como as crescentes demandas de produtos animais por países não ocidentais, adotar uma dieta rica em vegetais mais eficiente em recursos (e mais saudável) é uma necessidade

Referência:

The water footprint of different diets within European sub-national geographical entities
Davy Vanham, Sara Comero, Bernd Manfred Gawlik & Giovanni Bidoglio
Nature Sustainability (2018)

DOI https://doi.org/10.1038/s41893-018-0133-x

Para acessar o artigo, no formato PDF, clique aqui.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mudar para uma dieta saudável não é apenas bom para nós, mas também poupa muita água doce - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV