Lombardi e Rosica desmentem o último bombardeio de Viganò contra o Papa

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • Vacinas, o grande golpe da Big Pharma

    LER MAIS
  • A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Setembro 2018

Viganò volta a mentir. Desta vez, sobre o encontro que organizou durante a viagem de Francisco aos Estados Unidos, em 2015, uma das causas, segundo confessou o Pontífice a Juan Carlos Cruz, de sua saída da Nunciatura.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 03-09-2018. A tradução é do Cepat.

Ao longo do fim de semana, o arcebispo insistiu em que o Papa conhecia perfeitamente, e abonou, o encontro que organizou com a ativista ultracatólica Kim Davis, conhecida por sua cruzada contra os gays, que foi utilizada pelo lobby estadunidense para pretender que o Papa aprovava sua luta. Davis era uma empregada do registro civil de Kentucky que se negou a casar pessoas do mesmo sexo.

Tal e como Francisco confessou a Cruz, essa reunião foi uma punhalada, mais uma, de Viganò, e a gota que entornou o copo. O ex-núncio não demorou em responder a isto, destacando que o Papa aprovou o encontro de antemão e que não houve mais que elogios para a sua organização da viagem à América do Norte.

No entanto, em um comunicado conjunto emitido à noite, o anterior porta-voz da Santa Sé, Federico Lombardi, e seu auxiliar em inglês, Thomas Rosica, transcreveram os apontamentos manuscritos de uma reunião que ambos mantiveram com Viganò na noite posterior ao affaire com Kim Davis. Em tais apontamentos, o ex-núncio lhes confessou que Francisco o havia repreendido por “enganá-lo” com o encontro com Davis, e por ter ocultado o fato de que a mulher havia se casado quatro vezes.

No comunicado, Lombardi apontou que Viganò tomou a iniciativa para o encontro com Davis, que deveria saber que provocaria uma grande rejeição e que embora funcionários do Vaticano o aprovaram, não estavam bem informados sobre a repercussão que teria semelhante encontro.

A reunião com a ativista adquiriu nova importância após as denúncias de Viganò, de que informou a Francisco sobre os abusos de McCarrick, no dia 23 de junho de 2013, mas que o Papa, segundo ele, o reabilitou das sanções que, também segundo ele, tinham sido impostas por Papa Bento XVI, em 2009 ou 2010.

Não existem provas de que essas sanções teriam sido aplicadas, já que nesses anos McCarrick realizava seu ofício de maneira muito pública e viajava pelo mundo em missões para a igreja. Viganò disse que Francisco deveria renunciar por sua suposta cumplicidade no acobertamento dos abusos de McCarrick, que se prolongou durante duas décadas.

Francisco retirou o chapéu cardinalício de McCarrick em julho passado, quando uma investigação estadunidense determinou que a denúncia de que abusou de um adolescente nos anos 1970 era credível.

Rosica disse que nenhum hierarca do Vaticano participou da redação de sua declaração com Lombardi, mas que informou ao secretário de Estado, Pietro Parolin, e ao ‘ministro do exterior’, Richard Gallagher.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Lombardi e Rosica desmentem o último bombardeio de Viganò contra o Papa - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV