Chile. Padre vítima de Karadima convidado a Roma: “Eu quero ajudar o Papa”

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Vaticano, roubadas da igreja estátuas indígenas consideradas “pagãs” e jogadas no Tibre

    LER MAIS
  • A peleja religiosa. Artigo de José de Souza Martins

    LER MAIS
  • Começa a hora da decisão para os bispos da Amazônia na semana final do Sínodo. Artigo de Thomas Reese

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Maio 2018

Cinco padres, entre os quais estão Eugenio de la Fuente e Francisco Astaburuaga, foram convidados por Francisco ao Vaticano, entre 1 e 3 de junho.

A reportagem é de María José Blanco e Sergio Rodríguez, publicada por La Tercera, 23-05-2018. A tradução é de André Langer.

“Não temos antecedentes. Acabamos de tomar conhecimento agora, como todos vocês”, disse na terça-feira o bispo auxiliar de Santiago e secretário geral da Conferência Episcopal (Cech), Fernando Ramos, poucos minutos depois que, do Vaticano, o Papa anunciou que nos dias 1 e 03 de junho receberá cinco sacerdotes que foram vítimas de abusos (de consciência, de poder e/ou sexuais) por parte de Fernando Karadima.

Na coletiva de imprensa que aconteceu na sede da Cech, tanto Ramos como os bispos Santiago Silva (presidente da entidade católica) e Juan Ignacio González (bispo de San Bernardo) reconheceram que souberam pela imprensa este novo gesto de reconhecimento estendido às vítimas do ex-pároco de El Bosque, quase uma semana depois do término do encontro do Pontífice com 34 bispos do Chile e a renúncia de 31 deles.

Junto com esses cinco padres abusados viajarão outros dois religiosos, que ajudaram as vítimas “em sua batalha jurídica e espiritual” e dois leigos ligados ao mesmo processo. Os nove foram convidados para a residência de Santa Marta, no Vaticano.

Ontem à noite, no entanto, este grupo de religiosos emitiu um comunicado ratificando que irão expor ao Pontífice “o sistema abusivo que era praticado na Paróquia do Sagrado Coração de Providência”. O documento foi assinado pelos padres Francisco Astaburuaga, Alejandro Vial e Eugenio de la Fuente.

Outro presbítero (do grupo de cinco pessoas) que conversou com La Tercera e por enquanto pediu para não ser identificado afirmou que “eu fui um dos 64 testemunhos do Relatório Scicluna e quero ajudar o Papa. Penso que será um testemunho de ajuda e de bondade que ele saiba tudo o que aconteceu”.

Boletim da Sala de Imprensa do Vaticano

O boletim publicado durante a tarde da terça-feira pela Sala de Imprensa do Vaticano assinalou que “o Papa Francisco quer mostrar sua proximidade com os sacerdotes vítimas de abusos, acompanhá-los em seu sofrimento e ouvir sua valiosa opinião para melhorar as atuais medidas preventivas e combater os abusos na Igreja”.

O documento explicava que “conclui-se assim esta primeira fase de encontros que o Santo Padre quis ter com as vítimas do sistema abusivo instaurado há várias décadas na mencionada paróquia. Esses padres e leigos representam todas as vítimas dos abusos do clero no Chile. Entretanto, não está descartada a possibilidade de haver outras iniciativas similares no futuro”.

Sobre o encontro, foi especificado que “haverá várias reuniões durante o final de semana, que serão realizadas em um ambiente de confiança e confidencialidade. Na manhã do sábado, 2 de junho, o Papa celebrará uma missa privada na Casa Santa Marta; na primeira hora da tarde haverá uma reunião de grupo e depois encontros individuais”.

O boletim foi publicado minutos antes de os bispos Silva, Ramos e González falarem na coletiva de imprensa para prestarem contas do encontro que ocorreu na semana passada em Roma.

Diante do anúncio do Vaticano, o bispo Santiago Silva disse que “dentro do processo que o Papa tem para a renovação da Igreja no Chile estão estes desafios. Parece-nos muito bom que seja assim, que os receba”.

A organização de leigos de Osorno avalia como muito positivo o encontro: “Traça um caminho a seguir diante dos abusos: crescer, apoiar e acompanhar as vítimas (...). Até agora, o procedimento no Chile está muito longe disso (...), e também aborda um aspecto que é importante: os abusos sofridos pelo clero.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Chile. Padre vítima de Karadima convidado a Roma: “Eu quero ajudar o Papa” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV