A ‘última ceia’ em Roma de Pell com negacionistas da mudança climática

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Maio 2018

Apenas três semanas antes da polícia australiana confirmar sua acusação por supostos crimes de abusos sexuais de menores, o cardeal George Pell jantou, em um restaurante cinco estrelas, com o chefe da Agência de Proteção Ambiental (EPA) dos Estados Unidos, Scott Pruitt, para promover na opinião pública a negação da mudança climática. Tanto Pell como Pruitt negaram repetidamente que as emissões de dióxido de carbono do consumo de combustíveis fósseis prejudicam o meio ambiente e aumentam o aquecimento global.

A reportagem é de Cameron Doody, publicada por Religión Digital, 19-05-2018. A tradução é de André Langer.

Como revelou no Twitter o jornalista do New York Times Eric Lipton, a EPA começou a organizar uma reunião entre Pell e Pruitt em maio de 2017, apesar de saber que o cardeal estava sob investigação por suposta pedofilia desde fevereiro de 2016. Documentos obtidos pelo New York Times mostram que a EPA pretendia que o cardeal concedesse a Pruitt e membros de sua equipe uma visita privada ao Palácio Apostólico.

Mas, no final das contas, houve apenas um jantar com ele na noite de 9 de junho no exclusivo restaurante romano La Terrazza, onde o cardápio custa 200 euros por pessoa, além de aperitivos e vinhos. A participação de Pell no jantar só veio à tona por causa de um correio eletrônico de um assistente de Pruitt, uma vez que as agendas oficiais da EPA não mencionam a ida do cardeal ao referido encontro.

Este correio eletrônico chave para saber da participação de Pell no jantar também revela que o cardeal falou com Pruitt sobre um artigo do Wall Street Journal que propunha “questionar o ‘consenso’ [de que a mudança climática existe e é causada pela atividade humana] e melhorar o entendimento público através de um processo aberto e acusatório”.

Como recorda o The Guardian, o cardeal australiano fez a conferência anual de 2011 do grupo negacionista Global Warming Policy Foundation, na qual afirmou que “as plantas adorariam” se houvesse mais dióxido de carbono na atmosfera.

Atualmente, Pell está afastado de seu cargo como “ministro das Finanças” do Vaticano por seus julgamentos de pedofilia em sua Austrália natal, nos quais sempre manteve a sua inocência de todos os crimes que lhe são imputados.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A ‘última ceia’ em Roma de Pell com negacionistas da mudança climática - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV