Adília Lopes na oração inter-religiosa desta semana

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • Esse triste silêncio dos 50 milhões de jovens brasileiros

    LER MAIS
  • Bolsonaro, ou: Quem lança mão da espada, pela espada perecerá (Mt 26, 52)

    LER MAIS
  • Quem são os bolsonaristas convictos, segundo o Ibope

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Maio 2018

Neste espaço se entrelaçam poesia e mística. Por meio de orações de mestres espirituais de diferentes religiões, mergulhamos no Mistério que é a absoluta transcendência e a absoluta proximidade. Este serviço é uma iniciativa feita em parceria com o Prof. Dr. Faustino Teixeira, teólogo, professor e pesquisador do PPG em Ciências da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora.

Deixa o dia de ontem

Deixa
o dia de ontem
com Deus

E vive
em paz
a espera

A cada dia
basta
a sua pena

E
o amanhã
é
como o arco-íris

Um anjo
está contigo
quando desanimas

Um anjo
está contigo
quando te alegras

Sempre
um anjo
está contigo

E
o arco-íris
brilha
como a água
que corre

Fonte: Adília Lopes. Dobra. Poesia reunida. Lisboa: Assirio & Alvim, 2009.

Adília Lopes | Foto: Reprodução do Facebook

Maria José da Silva Viana Fidalgo de Oliveira (1960): Mais conhecida como Adília Lopes, pseudônimo criado em 1983 e pelo qual ficou conhecida, é uma poetisa, cronista e tradutora portuguesa. Autora de vasta obra, publicou seu primeiro livro em 1985, Um jogo bastante perigoso. Seus textos são marcados por ironia e irreverência, mas também sobriedade, como declara a própria escritora: "Há sempre uma grande carga de violência, de dor, de seriedade e de santidade naquilo que escrevo". Além disso, Adília, que é católica praticante, conduz seu leitor para uma profunda religiosidade e, por isso, se define como "tímida desenrascada" ou "freira poetisa barroca".  Entre outras publicações, destacamos, O Poeta de Pondichéry (1986), seu livro mais traduzido, e Obra (2000), que é a reunião dos quinze livros de poesia com ilustrações de Paula Rego.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Adília Lopes na oração inter-religiosa desta semana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV