Começam os encontros do papa com 34 bispos chilenos. Em pauta, as muitas faces do declínio da Igreja chilena

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • “Repúdio a toda manifestação de ódio, violência, intolerância, preconceito e desprezo dos direitos humanos”. Nota da OAB, CNBB e outras entidades

    LER MAIS
  • Gays, negros e indígenas já sentem nas ruas o medo de um governo Bolsonaro

    LER MAIS
  • “No Brasil, se joga o destino da democracia”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Maio 2018

Na tarde dessa terça-feira, 15, começaram os encontros do Santo Padre com 34 bispos do Chile, convocados pelo próprio pontífice no último dia 8 de abril, com uma carta já amplamente conhecida.

A reportagem é de Luis Badilla e Francesco Gagliano, publicada em Il Sismografo, 15-05-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Nesse documento, o papa escrevia:

“Levando em conta tudo isso, escrevo a vocês, reunidos na 115ª assembleia plenária, para solicitar humildemente a sua colaboração e assistência no discernimento das medidas que deverão ser adotadas em curto, médio e longo prazo para restabelecer a comunhão eclesial no Chile, com o objetivo de reparar na medida do possível o escândalo e restabelecer a justiça. Penso em convocá-los a Roma para dialogar sobre as conclusões da mencionada visita [feita por Dom Scicluna em fevereiro de 2018] e minhas conclusões. Pensei em tal encontro como um momento fraterno, sem preconceitos nem ideias preconcebidas, com o único objetivo de fazer resplandecer a verdade nas nossas vidas. Sobre a data, encomendo ao secretário da Conferência Episcopal que me faça chegar as possibilidades”.

A partir dessa terça-feira a quinta-feira, os prelados do Chile vão trabalhar em absoluta confidencialidade guiados pelo próprio Papa Francisco ou (nesta quarta-feira de manhã) pelo cardeal Marc Ouellet, prefeito da Congregação para os Bispos e presidente da Pontifícia Comissão para a América Latina.

Quase certamente, a primeira parte da pauta se referirá às “conclusões” do volumoso relatório da missão especial no Chile de Dom Charles Scicluna e do Mons. Jordi Bertomeu. Parece que o relatório Scicluna-Bertomeu identifica com extrema precisão momentos e circunstâncias críticos de todo o caso, personagens relevantes e passagens até agora desconhecidas ou relatadas apenas parcialmente.

Trata-se, como o próprio papa disse, de um documento de 2.300 folhas no qual são relatados, transcritos de gravações, 64 testemunhos entre bispos, leigos, sacerdotes, religiosos e religiosas, diáconos e seminaristas. Entre esses testemunhos, está também o de Dom Juan Barros.

A partir desse volumoso material coletado na segunda quinzena de fevereiro passado em Nova York e em Santiago do Chile, os dois enviados do papa tiram suas conclusões, totalmente inéditas. Nunca antes foi feita tal investigação por parte da hierarquia católica chilena. Como prova disso, grande parte dos testemunhos correspondem a pessoas que nunca haviam sido interrogadas antes, embora algumas delas fossem decisivas nesse caso.

Os testemunhos de alguns bispos parecem ser igualmente importantes: eles jogam luz particularmente sobre o papel e o envolvimento do bispo de Osorno, Juan Barros, desde ter sido nomeado bispo por João Paulo II, em 21 de novembro de 2000.

Um segundo momento da pauta dos encontros no Vaticano deveria ser, como antecipado pelo próprio papa, uma discussão sobre as conclusões que ele tirou do estudo do relatório Scicluna-Bartomeu. Com toda a probabilidade, Francisco comunicará aos bispos chilenos as impressões que deduziu em mérito de todo esse caso e as consequentes decisões que tomou.

O papa, no entanto, desejará apresentar suas escolhas, se possível, a fim de chegar a um projeto compartilhado, consensual, para encaminhar toda a Igreja chilena rumo à cura, à renovação e à conversão. Não será um debate que concluirá com uma votação para aprovar eventuais decisões: o poder destas cabe exclusivamente ao papa, que, com toda a probabilidade, exercerá plenamente esse seu direito.

No entanto, na medida do possível, Francisco certamente deseja acompanhar os bispos do Chile em um processo de autocrítica e de mudança radical, sem forçar medidas nem “bater na mesa”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Começam os encontros do papa com 34 bispos chilenos. Em pauta, as muitas faces do declínio da Igreja chilena - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV