Pode surgir algo de novo dos escombros do sistema partidário?

Revista ihu on-line

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Karl Marx, 200 anos - Entre o ambiente fabril e o mundo neural de redes e conexões

Edição: 525

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Mais Lidos

  • Nem fascistas nem teleguiados: os bolsonaristas da periferia de Porto Alegre

    LER MAIS
  • Em dois anos, país tem mais 5 milhões de 'subutilizados' e 1,6 milhão de desalentados

    LER MAIS
  • Como conversar e entender os eleitores de Bolsonaro?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Abril 2018

"As movimentações mostram dois grandes espaços razoavelmente vazios no espectro ideológico", escreve Celso Rocha de Barros, doutor em sociologia pela Universidade de Oxford, em artigo publicado por Folha de S. Paulo, 23-04-2018.

Eis o artigo.

É claro que teremos novas legendas. Todo dia alguém muda de nome, passa a se chamar "Patriotas", "Podemos", "Avante", "Maria Eunice", e nada disso tem a menor importância. Mas e partidos, partidos no sentido forte, como PT e PSDB foram nos últimos vinte, trinta anos? Agremiações com ligações fortes com setores sociais específicos, defendendo programas razoavelmente distintos entre si?

Pode surgir algo de novo dos escombros do sistema partidário esvaziado pela Lava Jato?

As movimentações em torno da campanha presidencial mostram dois grandes espaços razoavelmente vazios no espectro ideológico, que podem vir a ser ocupados por novos partidos suficientemente vertebrados: a centro-esquerda e a extrema direita. O PT perdeu o controle da esquerda moderada, e o PSDB perdeu o controle da direita radical.

As intenções de voto em Lula continuam impressionantes, mas também é notável que a soma das intenções dos candidatos de centro-esquerdaMarina, Ciro, Joaquim Barbosa — é bastante expressiva. Mesmo que nenhum dos três candidatos desista em favor do outro, é possível que seus militantes se encontrem em 2019 em algum esforço de reconstrução partidária.

O PSB, em especial, vem retomando uma trajetória que, embora tenha ficado fora do radar de muitos analistas, já é longa. O PSB sempre foi o aliado moderado do PT por excelência, desde a eleição de 1989. Era mais ou —que teve entre seus quadros, em um dado momento, Eduardo Campos e Ciro Gomes— eventualmente exigisse uma cabeça de chapa na aliança com o PT. Há gente razoável que acha que o maior erro de Lula foi não fazer esse movimento já em 2010. PSB e Marina concorreram juntos em 2014, Ciro já foi do PSB, e socialistas, trabalhistas e os comunistas do PC do B (mais distantes do centro) formaram por muito tempo um bloco parlamentar. Não seria difícil imaginar que essas forças se aglutinem caso o PT se distancie demais do centro. Em outro cenário, poderiam se unir ao PT em um partido completamente novo de perfil moderado.

Do outro lado, ou, mais precisamente, muito mais para o outro lado, a direita radical parece ter se consolidado como identidade política no Brasil. O eleitorado bolsonarista é convicto, tem raízes históricas no militarismo e no conservadorismo religioso, e, mais recentemente, encontrou um vocabulário ideológico na extrema direita do partido republicano.

De qualquer forma, qualquer que seja o resultado da eleição presidencial, alguma versão da direita bolsonarista deve encontrar expressão partidária e passar a fazer parte da paisagem. Nesse caso, a direita moderada passará a ter o problema que a esquerda moderada teve esses anos todos: terá que aprender a dialogar e controlar seus exaltados. Não é fácil, porque extremista de esquerda em geral é professor universitário ou sem-terra, mas extremista de direita volta e meia é general.

Se esses movimentos ajudarem a consolidar um novo quadro partidário brasileiro, que venham logo. O maior risco para o Brasil, no momento, mais do que qualquer problema fiscal ou social, é ficar sem partidos fortes, os únicos antídotos conhecidos contra os personalismos que já acabaram com mais um país latino-americano.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pode surgir algo de novo dos escombros do sistema partidário? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV