300 jovens participam em Roma do pré-Sínodo

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • As trapaças do gozo individual

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Março 2018

Na tarde de domingo, mais de 300 jovens chegarão em Roma. De segunda-feira, 19, a sábado, 24 de março, eles participarão de uma “reunião pré-sinodal” em vista da 15ª Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, sobre o tema “Os jovens, a fé e o discernimento vocacional”, prevista para o mês de outubro próximo.

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi, publicada por Vatican Insider, 16-03-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

“Com esse caminho”, disse o papa ao anunciar o encontro, no fim de uma Audiência geral de 4 de outubro passado, “a Igreja quer se pôr à escuta da voz, da sensibilidade, da fé e também das dúvidas e das críticas dos jovens – devemos ouvir os jovens! Por isso, as conclusões da reunião de março serão transmitidas aos Padres sinodais”.

O programa da semana prevê que a assembleia plenária se abra, na manhã da próxima segunda-feira, com um encontro dos jovens com o papa, que, aliás, naquele dia, também recorda o quinto aniversário do início de seu ministério petrino. Em seguida, os jovens debaterão entre si, divididos em grupos linguísticos ou todos juntos em assembleia, até chegarem a um documento conclusivo que será aprovado na manhã de sábado. Depois, o texto será entregue ao papa no domingo, 25 de março, e confluirá no Instrumentum laboris, o documento de trabalho dos Padres sinodais, junto com dois questionários elaborados nos últimos meses (um entre as Conferências Episcopais mundiais e o outro para os jovens, diretamente no site do Sínodo) e os resultados de um simpósio que foi realizado na Cúria Generalícia dos jesuítas em setembro passado.

“Espero que a resolução final não se limite a discussões teóricas”, declarou Ekaterina Adamchik, bielorrussa de 23 anos, uma das jovens participantes. “Espero que os bispos compreendam que a juventude moderna é completamente diferente deles, mas nem por isso é má. Ela requer outra abordagem da parte dos pastores.”

No fim de semana, os jovens participarão do Domingo de Ramos presidido pelo papa na Praça de São Pedro, data que coincide com a 33ª Jornada Mundial da Juventude de 2018, celebrada este ano em nível diocesano.

No passado, já foram organizados encontros pré-sinodais, como aquele em preparação para a 7ª Assembleia Geral Ordinária de 1987 sobre a vocação e a missão dos leigos na Igreja e no mundo, e como o simpósio em vista da 1ª Assembleia Especial para a Europa de 1991, mas se tratava mais de “conferências”, enquanto “na forma em que o estamos organizando agora, este pré-Sínodo é verdadeiramente uma novidade”, disse o secretário-geral da Secretaria do Sínodo, cardeal Lorenzo Baldisseri. “A instituição como tal é o Sínodo dos Bispos, mas a participação de leigos, religiosos, sacerdotes é importante.”

Quanto ao futuro da instituição sinodal, trata-se de “uma experiência que nos interpela” para “encontrar modalidades de agregar participação à própria estrutura do Sínodo”. No Sínodo de outubro, haverá previsivelmente alguns jovens, mas apenas como ouvintes.

À reunião, serão convidados jovens em representação das Conferências Episcopais, das Igrejas orientais, da vida consagrada e daqueles que se preparam para o sacerdócio, de associações e movimentos eclesiais, de outras Igrejas e comunidades cristãs, e de outras religiões, do mundo escolar, da universidade e da cultura, do trabalho, do esporte, das artes, do voluntariado e do mundo juvenil que se encontra nas periferias existenciais extremas, além de especialistas, educadores e formadores engajados na ajuda aos jovens para o discernimento de suas escolhas de vida.

“Haverá também não católicos, não cristãos e não crentes”, resumiu Baldisseri, que confirmou que haverá “três pessoas” em representação das vítimas de tráfico, convidadas pessoalmente pelo papa a um recente encontro no Vaticano.

Francisco também convidou dois jovens do Centro Italiano de Solidariedade Pe. Mario Picchi. Trata-se de um rapaz e de uma moça que levarão a experiência de tantos de seus coetâneos que decidiram mudar de vida abandonando a dependência e começando um sério caminho de renascimento.

O pontífice, lembra com gratidão o presidente do Centro, Roberto Mineo, passou uma tarde inteira com os jovens da comunidade San Carlo nos arredores de Castel Gandolfo durante o Jubileu Extraordinário da Misericórdia.

Para facilitar a participação remota de outros jovens, o uso de mídias sociais será acentuado. Sob o título #Synod2018 nasceu uma página no Facebook, uma conta no Twitter e uma no Instagram, todos canais multilíngues.

Dentro dos grupos do Facebook, os membros terão a oportunidade de fazer sua própria contribuição sobre os temas propostos pelas perguntas – que “relançarão” os temas discutidos pelos jovens presentes em Roma –, cada uma combinada com uma hashtag.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

300 jovens participam em Roma do pré-Sínodo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV