Hans Küng, o teólogo crítico, completa 90 anos

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro não controla mais o bolsonarismo

    LER MAIS
  • PEC Teto dos Gastos: uma perda bilionária para o SUS em 2019

    LER MAIS
  • “A Igreja sempre deve privilegiar os mais pobres, levantar os caídos”, afirma Francisco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Março 2018

O teólogo suíço Hans Küng, católico e muito crítico com a Igreja, fará 90 anos no dia 19 de março. Suas posições lhe valeram uma proibição para ensinar por parte do Vaticano, mas também lhe garantiram grande popularidade.

A reportagem é publicada por Swiss Info, 12-03-2018. A tradução é de André Langer.

Nascido em Sursee (Lucerna), para onde voltou há alguns anos, filho de sapateiro, Hans Küng morou em Tübingen, na Alemanha, onde ensinou durante 36 anos na Universidade Eberhard-Karl, antes de se aposentar em 1996. Em 2013, aos 85 anos, ele se retirou quase totalmente da vida pública.

Hans Küng, que é um dos suíços mais conhecidos fora do seu país, comprometeu-se em seus escritos com uma Suíça tolerante e aberta. Ele também é conhecido por suas opiniões favoráveis ao casamento dos sacerdotes, à ordenação de mulheres, à contracepção e à Teologia da Libertação.

Oito vezes Doutor Honoris Causa, Hans Küng foi traduzido para cerca de 20 línguas. Seus mais de 50 livros, entre os quais estão vários best-sellers, foram lidos em ambientes culturais, sociais e religiosos os mais diversos.

Espírito inovador

Algumas de suas obras são consideradas verdadeiras inovações da teologia do século XX, como sua trilogia Ser cristão, Deus existe? e Vida eterna? Teólogo liberal, Hans Küng engajou-se com afinco na ampliação do horizonte da Igreja católica, o que acabou atraindo contra ele a ira da hierarquia romana.

O Papa João Paulo II cassou-lhe sua ‘missio canonica’ (o direito de ensinar a teologia católica) em 1979, mas não conseguiu silenciá-lo. “Do país de Guillaume Tell, herdei uma certa firmeza que muitas vezes desagrada a hierarquia”, gostava de declarar. O ético também qualificou abertamente o papa polonês como um autoritário que oprimia as mulheres e os teólogos.

Intelectual reconhecido, Hans Küng recebeu inúmeros prêmios. A União das Igrejas Evangélicas da Alemanha concedeu-lhe o Prêmio Karl Barth 1992. Em 1994, ele recebeu a Cruz do Mérito da Alemanha de primeira categoria.

O Prêmio Cultural da Suíça Central também foi concedido a ele em 1991. E em 1998, Hans Küng foi eleito cidadão honorário de sua comuna de nascimento, Sursee.

Recebido por Bento XVI

Para surpresa de todos, Hans Küng foi recebido pelo Papa Bento XVI em 2005. Nesta audiência, consagrada à sua Fundação Ética Global, que visa promover a compreensão entre as religiões, as questões que eram motivo de discordância foram cuidadosamente evitadas.

Os dois homens certamente falaram dos bons velhos tempos: ambos ensinaram em Tübingen. E quando chovia, Hans Küng costumava levar o ciclista Ratzinger no seu Alfa Romeo.

Mais recentemente, em 2010, o teólogo exigiu que o Papa Bento XVI fizesse seu ‘mea culpa’ sobre a maneira como os casos de pedofilia estavam sendo tratados há décadas.

Hans Küng não poupou nem mesmo a atitude do episcopado alemão e de seu presidente, o arcebispo Robert Zollitsch, abalado por uma série de revelações de abusos sexuais antigos cometidos por membros do clero.

O teólogo suíço, no entanto, elogiou Francisco, o atual papa. Em seu livro de 2015, Sieben Päpste [Sete Papas], ele disse  que Francisco mudou profundamente o clima do sistema da cúria romana com sua linguagem direta, seu estilo de vida atípico em relação à cúria e seu apelo ao Evangelho.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Hans Küng, o teólogo crítico, completa 90 anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV