Agente da PF, vereador em Campo Grande diz que índios “têm que apanhar”

Revista ihu on-line

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Ore Ywy – A necessidade de construir uma outra relação com a nossa terra

Edição: 527

Leia mais

Sistema público e universal de saúde – Aos 30 anos, o desafio de combater o desmonte do SUS

Edição: 526

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro não controla mais o bolsonarismo

    LER MAIS
  • PEC Teto dos Gastos: uma perda bilionária para o SUS em 2019

    LER MAIS
  • A solidão do emérito Ratzinger, que censura seus partidários

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Março 2018

Tucano André Salineiro disse na Câmara para polícia “descer o cacete mesmo” em indígenas que protestavam por saúde; declaração foi criticada por deputados, entre eles um ruralista. 

A reportagem é publicada por De Olho nos Ruralistas, 09-03-2018.

“Quando tem uma interrupção dessa, tem que chegar lá o policiamento e, se não tiver conversa, tem que descer o cacete mesmo. Têm que apanhar porque eles vão revidar e aí é a hora de apanhar”, esbravejou na tribuna o vereador André Salineiro (PSDB), de Campo Grande, na terça-feira. Ele é bacharel em Direito e policial federal.

Salineiro se referia a uma manifestação de indígenas que acontecia na BR-163. O protesto, com mais de 120 integrantes de diversas etnias, era contra a troca da ONG que cuida da saúde indígena em algumas cidades do Mato Grosso do Sul.

No mesmo dia, após seis horas, os indígenas já tinham encerrado o bloqueio. O coordenador regional da Fundação Nacional do Índio, Paulo Rios, afirmou ao Midiamax que a manifestação tinha sido encerrada de maneira pacífica após uma conversa com as lideranças.

A fala desproporcional do deputado gerou reações. O deputado estadual Pedro Kemp (PT) tomou a frente: “O tempo de resolver as coisas no cacete era na época da ditadura”. Até o deputado ruralista Zé Teixeira (DEM) criticou Salineiro, vereador mais votado em 2016 com a utilização do número 190.

O Conselho Municipal de Direito e Defesa dos Povos Indígenas vai protocolar uma carta de repúdio e as lideranças indígenas vão pedir um direito de resposta. O presidente da Câmara Municipal, João Rocha (PSDB), disse ao G1 que ia orientar Salineiro a se retratar. O vereador se desculpou no dia seguinte, mas defendeu o uso progressivo da força em manifestações.

Tentativa de conciliação

Ontem, Rocha e Salineiro se reuniram com os indígenas – que foram à Câmara por causa das declarações do vereador – e se comprometeram a assinar um Termo de Cooperação Técnica com o Conselho Municipal dos Direitos e Defesa dos Povos Indígenas. “Acredito que a presença do movimento aqui hoje é um ato legítimo e democrático”, declarou Salineiro. “E parabenizo-os por isso. Vieram protestar onde devem”.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MS) também repudiou as declarações do vereador. “Historicamente, no nosso estado há conflitos entre os indígenas e produtores. Então, esse tipo de discurso é delicado nesse tipo de situação de conflito histórico”, disse Rodrigo Inoye, presidente da Comissão Permanente de Assuntos Indígenas da OAB.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Agente da PF, vereador em Campo Grande diz que índios “têm que apanhar” - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV