Um pastor evangélico à frente da Costa Rica?

Revista ihu on-line

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Mais Lidos

  • Os tormentos de Francisco: ''Vivi anos obscuros, tinha medo de estar no fim''

    LER MAIS
  • Um Fórum Social Mundial, esvaziado de ideias, povos e luta, muda-se para Salvador

    LER MAIS
  • Mais ricos lucraram 7,5% na crise; mais pobres são 95% dos desempregados

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Fevereiro 2018

Será que um pastor evangélico se tornará presidente da Costa Rica em abril, um pacato país apelidado de “Suíça da América Central”?

A reportagem é de Gilles Biassette, publicada por La Croix International, 07-02-2018. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Esse cenário parece provável agora, depois que Fabricio Alvarado, 43 anos, ficou no topo da primeira rodada da eleição presidencial no dia 4 de fevereiro.

Com resultados de 75,1% das urnas, ele recebeu 24,9% dos votos, na frente do cessante ministro do Trabalho, Carlos Alvarado (centrista, sem partido), com 21%.

Até o fim de 2017, Fabricio Alvarado era apenas um parlamentar como qualquer outro, o único representante do partido evangélico Restauração Nacional na Assembleia Nacional.

Em novembro, os pesquisadores o colocaram no fim da lista de presidenciáveis, com apenas 2% das intenções de voto a seu favor.

Isso foi antes que a Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), uma instituição da Organização dos Estados Americanos, apresentasse uma opinião que mudou o jogo. Em 9 de janeiro, a corte, em resposta a uma moção do governo da Costa Rica, convocou os Estados regionais a reconhecerem o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A corte decidiu que todos os direitos de propriedade decorrentes de relações familiares entre pessoas do mesmo sexo devem ser protegidos sem discriminação, comparados aos dos casais heterossexuais.

Por enquanto, o casamento entre pessoas do mesmo sexo é legal na Argentina, Brasil, Colômbia, Uruguai e em alguns Estados mexicanos. Chile e Equador reconhecem uniões civis.

Embora a decisão seja consultiva, ela forneceu argumentos aos militantes favoráveis à legalização dessas uniões e levaram a um debate na região. Na Costa Rica, onde 60% da população dizem se opor ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, isso provocou uma reação candente que beneficiou seu adversário mais fervoroso entre os presidenciáveis, Fabricio Alvarado.

“Desde sua criação, o Partido da Restauração Nacional caracterizou-se pela defesa decidida dos mais básicos valores cristãos, aos quais a imensa maioria dos costarriquenhos adere, como a defesa da vida e do casamento entre um homem e uma mulher”, disse Fabricio Alvarado em seu programa de governo, que o exibe com sua esposa e suas duas jovens filhas.

Embora geralmente se sinta que seu sucesso – que ainda precisa ser confirmado na segunda rodada no dia 1º de abril – deve muito à opinião da CIDH, contudo, isso confirma dois fenômenos importantes na América Latina.

O primeiro é a crescente presença dos evangélicos na cena política, mesmo em um país onde a maioria da população é católica (62%, de acordo com as estatísticas oficiais).

O segundo fenômeno é o sucesso de “forasteiros” em uma região abalada por grandes escândalos de corrupção.

Fabricio Alvarado era jornalista de TV antes de dedicar sua vida à sua fé como pastor e “cantor cristão” em 2009. Ele só descobriu a política em 2014, quando se tornou parlamentar.

Sua carreira é uma reminiscência da de Jimmy Morales, um comediante de TV que se tornou presidente da Guatemala em 2015 ao evidenciar sua fé evangélica.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um pastor evangélico à frente da Costa Rica? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV