No Peru, o Papa abre o caminho para o Sínodo sobre a Amazônia

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro, sobre os bispos brasileiros: “eles são a parte podre da Igreja católica”

    LER MAIS
  • Planos de Bolsonaro para o meio ambiente deixam entidades em alerta

    LER MAIS
  • “Democracia: mudança com Justiça e Paz”. Nota pública das Pastorais Sociais da CNBB

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Janeiro 2018

Com a viagem ao Chile e Peru (de segunda-feira 15 a domingo 21 de janeiro), e em especial com o encontro dos povos da Amazônia na cidade peruana de Puerto Maldonado, o Papa Francisco dá início ao Sínodo amazônico que foi convocado em Roma para 2019. No Chile, informou Greg Burke, o pontífice latino-americano também se reunirá com duas vítimas da ditadura de Augusto Pinochet, enquanto "não está agendado" um encontro com as vítimas dos padres pedófilos chilenos, explicou o diretor da Sala de imprensa do Vaticano acrescentando, no entanto, que "o tema é importante", e "as reuniões mais interessantes são aquelas privadas". Voando sobre a Argentina, o Papa irá enviar um telegrama "interessante" ao presidente do seu país natal Mauricio Macri.

A reportagem é de Iacopo Scaramuzzi, publicada por Vatican Insider, 11-01-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

"É o início do Sínodo, podemos dizer" Burke afirmou durante um briefing sobre a 22ª viagem internacional de Francisco, a sexta na América Latina, “em sua encíclica Laudato si’ o Papa pede o respeito pela criação, mas também para as pessoas e para os povos". Em especial, no primeiro dia no Peru, sexta-feira, 19 de janeiro, o papa antes de se encontrarem com as autoridades durante a tarde em Lima, se deslocará na parte da manhã de avião para Puerto Maldonado, no sul do país, "no coração da Amazônia”.

O Papa Francisco “será recebido por uma família indígena", depois terá um primeiro encontro no Coliseu Regional Madre de Dios, onde os povos amazônicos darão as boas-vindas ao Papa com danças, canções e testemunhos de sua situação e Francisco lhes entregará cópias da Laudato si’ traduzidas "nas línguas locais", disse Burke. O Papa, então, mais uma vez encontrará a população no instituto Jorge Basare e por fim visitará o Hogar "El Principito", "obra da Igreja para ajudar crianças vítimas de violência e exploração do trabalho nas minas". Na conclusão da visita e antes de voltar para Lima, o Papa almoçará com nove representantes dos povos amazônicos no Centro Pastoral Apaktone, nome indígena do missionário dominicano José Alvarez Fernandez.

Na comitiva do Papa vai estar o Cardeal brasileiro Claudio Hummes, presidente da Rede Eclesial Pan-amazônica (REPAM), e o cardeal Lorenzo Baldisseri, secretário do Sínodo, que permanecerá em Puerto Maldonado por alguns dias para se dedicar aos preparativos gerais da assembleia extraordinária que o Papa convocou para 2019.

Jorge Mario Bergoglio começa sua viagem ao Chile e Peru na segunda-feira, 15 de janeiro. Parte de Roma às oito da manhã e chega a Santiago às 20h10. O dia seguinte será dedicado à capital chilena. Às 8:20 vai visitar a presidente, que está deixando o cargo, Michelle Bachelet no Palácio de la Moneda, depois de pronunciar um primeiro discurso às autoridades, sociedade civil e corpo diplomático. O sucessor de Bachelet, Sebastián Piñera, recentemente eleito, assumirá o cargo em março, e deverá estar também presente nesta ocasião.

O Papa celebrará a missa no Parque O'Higgins, que pode acomodar até 600 mil pessoas. No início da tarde, o Papa quis agendar uma visita a 600 detidas (com filhos) do Centro Penitenciário Feminino de Santiago, depois Francisco se reunirá com sacerdotes, religiosos e seminaristas na Catedral de Santiago e finalmente se encontrará brevemente com os bispos do país que, como seus coirmãos peruanos, fizeram no ano passado a sua visita "ad limina" em Roma. Entre os bispos estará presente o missionário Bittor Garaigordobil, de 102 anos. Às 19h15 a habitual visita privada do Papa a noventa jesuítas do país no santuário de San Alberto Hurtado.

No dia seguinte, quarta-feira 17 de janeiro, do Papa visitará a cidade de Temuco, no sul do Chile, onde às 10:30 rezará a missa no aeroporto de Maquehue. À celebração participarão, com músicas e danças tradicionais, os Mapuche, e, em seguida, o Papa almoçará com oito integrantes dessa comunidade. À noite, de volta a Santiago, o Papa encontrará os jovens no santuário de Maipú e depois visitará a Pontifícia Universidade Católica do Chile.

Na quinta-feira, o último dia no Chile, o Papa visitará Iquique, no norte do país, onde celebrará missa no amplo Campus Lobito. Antes do almoço, se encontrará alguns doentes e "duas vítimas da repressão dos anos 1970", época da ditadura de Augusto Pinochet, limitou-se a relatar Burke. Às 17:05 estará de partida para Lima e às 17:20 está prevista sua chegada no Peru.

Na sexta-feira, 19 janeiro, após a visita a Puerto Maldonado na Amazônia das 10.15 até a hora do almoço, durante a tarde o Papa se reunirá com as autoridades e às 17,15 está marcada uma visitar ao presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski no Salão dos Embaixadores do Palácio do Governo. Às 17:5 a reunião será com os jesuítas peruanos. Sábado, 20 de janeiro, o Papa visita Trujillo e depois da missa às 10h na esplanada costeira em Huanchaco visitará no papamóvel o bairro "Buenos Aires" duramente atingido pelas inundações que se seguiram ao tufão El Nino no ano passado, quando morreram muitas pessoas. Na parte da tarde o encontro será na catedral com sacerdotes locais, religiosos e seminaristas, e às 16h45 a celebração mariana.

No último dia, domingo, 21 de janeiro, depois das orações às 9,15 com as religiosas de vida contemplativa no Santuario del Señor de los Milagros e as orações às Relíquias dos Santos peruanos na catedral Lima, o Papa se reunirá com os bispos peruanos, recitará o Angelus e, finalmente, retornará à base Aérea de "Las Palmas", à tarde, para uma última missa. Às 18:45 a saída para Roma, onde o Papa chegará na segunda-feira, 22 de janeiro, às 14h15 no aeroporto de Ciampino.

No Chile, onde surgiram numerosas denúncias de abusos e encobrimentos (entre outros, do bispo de Osorno, Juan de la Cruz Barros Madrid, criticado por alguns fiéis pelos abusos do padre Fernando Karadima), o Papa encontrará as vítimas dos padres pedófilos? "Não está agendado - respondeu Burke - mas isso não significa que seja impossível. É evidente que a questão é importante. E os melhores encontros são os privados".

Respondendo a uma pergunta sobre as próximas viagens papais previstas para 2018, o porta-voz do Vaticano disse que "o Papa gostaria de ir para a Irlanda", por ocasião do Encontro Mundial das Famílias em Dublin, e que "está sendo estudada uma viagem aos Países Bálticos". As viagens devem ocorrer na segunda metade do ano "mas, em fevereiro, teremos mais informações".

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

No Peru, o Papa abre o caminho para o Sínodo sobre a Amazônia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV