Na Bolívia perderam-se mais de 46 mil hectares entre 2000 e 2014. A floresta amazônica em perigo

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolsonaro, sobre os bispos brasileiros: “eles são a parte podre da Igreja católica”

    LER MAIS
  • Planos de Bolsonaro para o meio ambiente deixam entidades em alerta

    LER MAIS
  • “Democracia: mudança com Justiça e Paz”. Nota pública das Pastorais Sociais da CNBB

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Janeiro 2018

A Floresta Amazônica da Bolívia sofreu desde 2000, "níveis alarmantes de desmatamento". A denúncia vem de um estudo elaborado por um grupo de cientistas de diferentes países. O documento, publicado em 8 de janeiro, na revista "Current Biology" e conduzido por pesquisadores da Universidade de Helsinque e da Universidade de San Andrés, na Bolívia, concentra-se no Território indígena e no Parque Nacional Isiboro Sécure (a reserva Tipnis). Esta área da Amazônia boliviana perdeu mais de 46.000 hectares de floresta entre 2000 e 2014.

A reportagem é publicada por L'Osservatore Romano, 11-12-01-2018. A tradução é de Luisa Rabolini.

Além disso, os cientistas concluíram em seu relatório que uma lei controversa aprovada pelo parlamento boliviano em agosto de 2017 provavelmente vai aumentar o desmatamento na região. O texto de fato anula a condição de "intocável" que impedia danificar o parque nacional Tipnis. A nova lei também permitirá as obras para a construção de uma estrada de mais de 300 km nesta área natural.

Para a botânica e bióloga Mónica Moraes, pesquisadora da Universidad Mayor de San Andrés, em La Paz, foi uma surpresa descobrir que um dos mais famosos parques nacionais da Bolívia apresentasse níveis tão alarmantes de desmatamento. Entrevistada pela Efe, a cientista lembra que "esta situação é simplesmente incrível porque o parque não é apenas uma das principais áreas verdes da Bolívia, mas também uma das regiões de maior biodiversidade no mundo". Na verdade, Tipnis, que é também o lugar onde vivem quatro etnias indígenas há séculos, abriga espécies de plantas que não existem em nenhum outro lugar no mundo, bem como animais típicos da floresta amazônica, como o jaguar ou cervo dos pântanos.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Na Bolívia perderam-se mais de 46 mil hectares entre 2000 e 2014. A floresta amazônica em perigo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV