Sophia Andresen na oração inter-religiosa desta semana

Revista ihu on-line

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

China, nova potência mundial – Contradições e lógicas que vêm transformando o país

Edição: 528

Leia mais

Mais Lidos

  • Leonardo Boff: amigo do bem

    LER MAIS
  • 80 anos de vida. Pensando nos dias passados, tenho a mente voltada para a eternidade. Artigo de Leonardo Boff

    LER MAIS
  • Planos para a educação devem enfraquecer professores e beneficiar negócios de Guedes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Dezembro 2017

Neste espaço se entrelaçam poesia e mística. Por meio de orações de mestres espirituais de diferentes religiões, mergulhamos no Mistério que é a absoluta transcendência e a absoluta proximidade. Este serviço é uma iniciativa feita em parceria com o Prof. Dr. Faustino Teixeira, teólogo, professor e pesquisador do PPG em Ciências da Religião da Universidade Federal de Juiz de Fora - MG.

Em todos os jardins

Fonte: Acrílica sobre tela de Talarico/JF

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em todos os jardins hei-de-florir,
Em todos beberei a lua cheia,
Quando enfim no meu fim eu possuir
Todas as praias onde o mar ondeia.

Um dia serei eu o mar e a areia,
A tudo quanto existe me hei-de unir,
E o meu sangue arrasta em cada veia
Esse abraço que um dia se há-de-abrir.

Então receberei no meu desejo
Todo o fogo que habita na floresta
Conhecido por mim como num beijo.

Então serei o ritmo das paisagens,
A secreta abundância dessa festa
Que eu via prometida nas imagens.

Fonte: Sophia de Mello Breyner Andresen. Obra poética. Porto: Assírio & Alvim, 2015, p. 104.


Sophia Andresen | Foto: Blog Elfikurten

Sophia de Mello Breyner Andresen (1919 – 2004): Considerada uma das mais importantes poetisas portuguesas do século passado e a primeira mulher lusitana a receber o Prêmio Camões, mais importante honraria literária da língua portuguesa, pela obra Livro Sexto (1962). Também é reconhecida por seus contos e por escrever histórias infantis. Traduziu Dante Alighieri e Willian Shakespeare e integrou a Academia das Ciências de Lisboa. É vista como uma figura expressiva da política liberal, que apoiava o movimento monárquico e denunciava o Regime Salazarista. É autora de diversas publicações, entre elas, Contos Exemplares (1962), A Menina do Mar (1958), O Cavaleiro da Dinamarca (1964), 11 Poemas (1971) e Musa (1994).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Sophia Andresen na oração inter-religiosa desta semana - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV