Jovens assassinados. Proteção passa por educação e estrutura, diz Unicef

Revista ihu on-line

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Revolução Pernambucana. Semeadura de um Brasil independente, republicano e tolerante

Edição: 512

Leia mais

Francisco Suárez e a transição da escolástica para a modernidade

Edição: 511

Leia mais

Mais Lidos

  • Mantido o ritmo atual, Brasil levará 200 anos para levar ensino médio a todos os jovens, mostra pesquisa

    LER MAIS
  • Para fiscal, só falta dizer que é preciso ter correntes para definir trabalho escravo

    LER MAIS
  • 'Sobram evidências de que o governo está do lado de quem explora o trabalho escravo e não de quem é explorado'

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU

close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

11 Outubro 2017

Para reduzir os altos índices de homicídios e salvar vidas, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) recomenda iniciativas multissetoriais a partir de quatro grandes eixos.

O artigo é de Florence Bauer, representante do Unicef no Brasil, publicado por O Estado de S. Paulo, 11-10-2017.

O primeiro é o investimento em educação, garantindo que todos estejam na escola. A resposta ao abandono escolar deve fazer parte das estratégias de prevenção de homicídios, estabelecendo mecanismos para inclusão escolar, prevenir o abandono e tornar as escolas mais interessantes e adequadas às necessidades dos adolescentes.

O segundo é melhorar a infraestrutura pública e os serviços públicos nas comunidades e periferias. Na maioria dos casos, os adolescentes mortos viviam em bairros com infraestrutura e serviços precários.

O terceiro é cuidar e proteger famílias e amigos de adolescentes mortos e aqueles sob risco de homicídio. É necessário elaborar mapas de risco, protocolos integrados e organizar equipes interdisciplinares para apoiar essas famílias - em especial as mães - e os adolescentes.

O quarto eixo é estabelecer políticas voltadas à formação de policiais, à investigação de todos os homicídios e ao monitoramento da circulação de armas. Grande parte dos homicídios de adolescentes não chega a ser investigado ou à fase de responsabilização. É importante estabelecer procedimentos eficazes e transparentes de investigação que quebrem o ciclo de impunidade e adotar normas claras de abordagem para prevenir situações de violência policial.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Instituto Humanitas Unisinos - IHU - Jovens assassinados. Proteção passa por educação e estrutura, diz Unicef