Zuppi: chamados a abrir-nos ao encontro com o migrante

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Outubro 2017

Bologna comemorou seu padroeiro, São Petrônio. Uma festa diferente das tradicionais, uma vez que o arcebispo Matteo Maria Zuppi entregou, em vista ao encerramento do Congresso Eucarístico Diocesano, a Carta Pastoral que contém as diretrizes da Igreja de Bolonha para os próximos anos. O título do texto “Porventura não ardia em nós o nosso coração?” é uma citação do Evangelho de Lucas e refere-se ao episódio dos discípulos de Emaús, ao momento em que reconhecem no misterioso companheiro de viagem, Jesus. Tomando como ponto de inspiração essa passagem, Zuppi pediu à comunidade cristã de estar aberta ao encontro e caminhar com os migrantes para ampliar a dimensão do acolhimento.

A reportagem é de Catherine Dall'Olio, publicada por Avvenire, 05-10-2017. A tradução é de Luisa Rabolini.

Por isso, na carta entregue durante a tarde na praça aparece uma ampla metáfora dos pórticos, característica da cidade, que não são um espaço desperdiçado, mas um lugar onde o encontro de concretiza porque é protegido e constante.

São Petrônio foi eleito bispo dessa diocese em 432 e, recém-chegado, preocupou-se em reconstruir a cidade, destruída por ordem do imperador Teodósio I, que a tinha punido por ter se rebelado contra sua autoridade. É por isso que, entre os muitos santos de Bolonha, a ele é que foi dada a tarefa de protegê-la. "Proteger significa oração, paixão, interesse, serviço e inteligência, para que a cidade sempre tenha como centro o homem, não seja uma praça anônima de tantas solidões, mas um lugar espaçoso, acolhedor, de encontro, não de confronto, de crescimento e amor pelo valor que existe em cada homem, de palavras e cultura, não de estrilos e gritarias que vão direto ao coração", disse o arcebispo Zuppi aos fiéis reunidos na Basílica de São Petrônio.

A cidade ainda mostra os sinais da recente visita do Papa Francisco. “Ele não se poupou! Agradecemos a ele pela energia investida para aproximar a todos, para mostrar a cada um o sinal de proximidade e para lançar com fartura a semente da Palavra de Deus", continuou o prelado.

Em seu discurso, o arcebispo chamou a atenção também sobre o almoço com os pobres e o Papa, que aconteceu no domingo passado na própria Basílica. Uma decisão, a de usar a igreja, que tem causado bastante polêmica. "Estavam lá os nossos idosos que muitas vezes não são mais de ninguém, abandonados assim à tortura que é a solidão e experimentaram domingo o melhor dia de suas vidas - lembrou Zuppi. Estavam os sem-teto, os portadores de deficiências, os detentos".

Então Zuppi ofereceu algumas indicações concretas. "Eu gostaria de recomendar duas palavras para que a Igreja seja realmente mãe fértil e atenciosa: comunhão e esperança - disse. A comunhão é confiada a cada um de nós. Ninguém é um espectador da comunhão, todo mundo tem que doá-la e recebê-la, ninguém tem o direito de humilhá-la ou usá-la para si em nome de sua verdade ou seu ponto de vista. Apenas na comunhão poderemos ser missionários".

E depois tem a esperança. "É preciso homens de esperança que acreditem na luz quando há escuridão, dispostos a semear a bondade entre a maldade, a construir com perseverança a amizade quando há divisão, dar tudo pela Igreja", concluiu .

Como todos os anos, à noite, aconteceu a procissão com as relíquias do santo e, terminada a parte religiosa, voltou-se à dimensão do entretenimento com os sbandieratori petronianos (que fazem malabarismos com as bandeiras, ndt). O concerto com a participação do Piccolo Coro Mariele Ventre do Antoniano, dirigido por Sabrina Simoni, encerrou o dia junto com o show de fogos de artifício.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Zuppi: chamados a abrir-nos ao encontro com o migrante - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV