Memória do líder indígena Angelo Kretã é reverenciada em evento no Paraná

Revista ihu on-line

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Bioética e o contexto hermenêutico da Biopolítica

Edição: 513

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que 60% dos eleitores de Bolsonaro são jovens?

    LER MAIS
  • 1º Dia Mundial dos Pobres

    LER MAIS
  • Papa nomeia brasileiro para Relator Geral do Sínodo dos Jovens e um jesuíta e salesiano como Secretários Especiais

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

14 Setembro 2017

Por sua importância não apenas para os indígenas que tiveram suas terras demarcadas por sua intermediação, mas para a história política e os desdobramentos da questão indígena do Brasil, acontece em Curitiba entre 20 e 22 de setembro evento que resgata a vida e luta do Cacique Kaingang Angelo Kretã.

A reportagem é publicada pelo portal No Fracking Brasil, 13-09-2017.

Angelo Kretã. Foto: Acervo Museu Paranaense 

 

Com a participação de lideranças indígenas e pesquisadores, será reativada a Sala Angelo Kretã no Solar do Barão como um espaço para debates de temas relevantes sobre a questão indígena no contexto contemporâneo. Os debates acontecem na Reitoria da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

A mesa de abertura contará com a presença do filho do homenageado, o também Cacique kaingang Romacil Kretã, que persiste na luta pelos direitos dos povos indígenas e hoje se inspira em seu pai para atuar na coordenação executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB). Romancil também é coordenador para Povos Indígenas da COESUS – Coalizão Não Fracking Brasil pelo Clima, Água e Vida – e integrou ao seu ativismo a luta contra a indústria do petróleo, o fraturamento hidráulico (fracking) e as mudanças climáticas.

“Nossas lutas de hoje não são diferentes das que meu pai travou em sua época. A diferença é que hoje estamos mais unidos, conscientes das ameaças e mobilizados para defender nossos territórios e direitos”, garante Romancil.

Para ele, “no caso da indústria do petróleo, se o homem branco quer morrer e matar seus filhos, que o faça. Mas nós índios não vamos permitir que a água e a terra sejam contaminadas pelo fracking”. 

Líder eterno

Considerado a maior liderança indígena do Sul do país nos primórdios do movimento, o Cacique Kretã vivia na Aldeia Mangueirinha, no Sudoeste do Paraná. Por sua liderança incontestável foi eleito em 1976, em plena ditadura, o primeiro vereador indígena pelo Movimento Democrático Brasileiro (MDB), o que lhe garantiu projeção nacional.

Ao defender como parlamentar o que é de direito aos povos originários do Brasil, especialmente a demarcação de terras, Angelo Kretã era uma voz que dava eco a todas as demandas indígenas com carisma e determinação.

Sua morte prematura em 1980 num ‘acidente de carro’ numa estrada dentro da aldeia, causou grande comoção nacional. Diante da convicção das lideranças indígenas da época – e até hoje – que não ele foi vítima de uma emboscada, sua memória persiste e inspira novas lideranças na luta pelos direitos dos povos indígenas. 

Em 1980, um Globo Repórter Especial foi produzido para retratar a comoção que foi a morte de Angelo Kretã.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Memória do líder indígena Angelo Kretã é reverenciada em evento no Paraná - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV