Papa aos jesuítas colombianos: acompanhar o povo à verdadeira reconciliação. Depoimento de Antonio Spadaro

Revista ihu on-line

O Brasil na potência criadora dos negros – O necessário reconhecimento da memória afrodescendente

Edição: 517

Leia mais

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Mais Lidos

  • Teologia da libertação: a Igreja resiste a Francisco

    LER MAIS
  • Umberto Eco, como se nasce e como se morre de fascismo

    LER MAIS
  • ''Eu não acredito em Francisco'': Esposa de Eduardo Frei, ex-presidente do Chile, critica presença do bispo Barros em missa papal

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Setembro 2017

Um dos últimos compromissos do Papa Francisco na Colômbia foi o encontro privado com uma representação da comunidade dos jesuítas, no claustro de Santo Domingo, em Cartagena das Índias.

A reportagem é de Gabriella Ceraso, publicada por Radio Vaticana, 11-09-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

O encontro durou cerca de 30 minutos, durante os quais o papa respondeu a algumas perguntas que lhe foram dirigidas pelos seus coirmãos: “Nestas ocasiões, o pontífice sempre relaxa, se expressa com grande liberdade, e sempre são oportunidades para refletir sobre o caminho das comunidades”. Assim fala o padre Antonio Spadaro, jesuíta, diretor da revista La Civiltà Cattolica, que acompanhou Francisco nessa longa viagem apostólica que acaba de concluir na Colômbia.

Entre as temáticas abordadas nas perguntas feitas ao papa há questões relacionadas com o pontificado, relata o padre Spadaro, com o “papel dos jesuítas no campo cultural e universitário” em terras latino-americanas, várias questões sobre a Colômbia e também sobre temáticas ligadas à exortação apostólica pós-sinodal Amoris laetitia.

Francisco, conforme o diretor da Civiltà Cattolica, reiterou “a importância de que esse documento seja recebido na sua inteireza, para colocar em ação dinâmicas positivas na Igreja”.

A partir da conversa com os coirmãos, veio à tona “um papa confiante no caminho de reconciliação tomado pela Colômbia”, mas sempre especificando que “a tarefa da Igreja não é substituir o Estado, mas acompanhar os movimentos mais adequados à dignidade humana”.

Na conversa, o papa também encorajou todos os jesuítas a prosseguirem no seu compromisso específico, tanto pastoral quanto intelectual.

Em particular, de acordo com as palavras do padre Spadaro, Francisco sublinhou que “o compromisso intelectual deve se alimentar da realidade”.

Também é importante o papel social que os jesuítas continuam desempenhando no caminho de reconciliação nacional. Também se falou disso no encontro privado com o pontífice. “Não se trata de fazer acordos abstratos”, explica o padre Spadaro. “No pensamento do papa, há a reconciliação de um povo inteiro, a cura lenta de grandes cicatrizes.”

Os jesuítas, ressaltou-se, não acompanham “apenas os familiares das vítimas ou dos próprios guerrilheiros”, mas também estão engajados “na valorização e na proteção da Amazônia e do enorme patrimônio natural que a Colômbia possui”.

Nota de IHU On-Line: Ouça o áudio do depoimento de Antonio Spadaro, em italiano:

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa aos jesuítas colombianos: acompanhar o povo à verdadeira reconciliação. Depoimento de Antonio Spadaro - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV