11 de setembro de 1990

Revista ihu on-line

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

Mais Lidos

  • Comunhão na Igreja dos EUA ''já está fraturada''. Entrevista com Massimo Faggioli

    LER MAIS
  • Vozes que desafiam. A vida de Simone Weil marcada pelas opções radicais

    LER MAIS
  • A disrupção é a melhor opção para evitar um desastre climático, afirma ex-presidente irlandesa

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

11 Setembro 2019

Myrna Mack. Guatemala, †1990.

 

Antropóloga. Co-fundadora e integrante de la Asociación para el Avance de las Ciencias Sociales en Guatemala, AVANCSO. Coordinadora del Programa de Investigación Social. Asesinada brutalmente.

En 1986, Myrna y un grupo de profesionales que trabajan como analistas socio-políticos en varias publicaciones, deciden rescatar la investigación social a través del trabajo de campo. Es entonces cuando Myrna lleva su conocimiento científico, y especialmente su amor y su entrega, a las poblaciones marginadas, a las áreas rurales, con población campesina, indígena y de desplazados de guerra. En sus análisis sobre estos temas fue realmente una pionera, y como tal es invitada a participar, como ponente, en congresos internacionales de América Latina, Estados Unidos y Europa.

"El asesinato premeditado y con saña de la antropóloga Myrna Mack, dedicada a la investigación de los fenómenos socio-culturales en el área rural, participando así con profundo y generoso amor en las necesidades, sufrimientos y anhelos de nuestro pueblo guatemalteco, nos lleva a preguntarnos: ¿es posible en Guatemala dedicarse a la investigación de la realidad del país, reflexionar sobre ella y buscar soluciones sin arriesgar y perder la propia vida? El Dios en quien creemos y a quien procuramos seguir es un Dios de Amor y de Vida y nos exige comprometernos en la construcción de una sociedad más justa y fraterna, signo del Reino", declara la Conferencia de Religiosos de Guatemala el 20 de septiembre, al conocerse el asesinato de Myrna. Mártir de la ciencia puesta al servicio del pueblo pobre.

Myrna Mack Chang nasceu em 24 de outubro de 1949, em Retalhuleu, Guatemala. Formou-se como professora primária do Monte Mary College, em 1967, mais tarde frequentou a Escola de Serviço Social do Instituto Guatemalteco de Segurança Social em que fechou em 1971. Estudou Antropologia Social da Universidade de Manchester, na Inglaterra; tendo obtido o grau de mestre na Universidade de Durham, no mesmo país. Em 1982, depois de ter apresentado a sua tese de conclusão do curso universitário "Da organização popular para a mobilização em massa na Nicarágua: o caso de Estelí", voltou à Guatemala e juntou-se a equipe Inforpress Central, onde atuou por vários anos como jornalista, analista e escritora sobre desenvolvimentos econômicos e políticos da região.

É assim que ela encontra um grupo de pessoas com quem partilhou a preocupação de criar um centro de pesquisa para resolver os problemas urgentes da sociedade guatemalteca. A iniciativa foi uma resposta à observação de uma lacuna de conhecimento existente sobre as questões da realidade social da Guatemala, especialmente decorrentes da violência contra setores intelectuais na primeira metade da década de 80.

Nasceu, então, a Associação para o Avanço da Ciências Sociais na Guatemala - AVANCSO-, organização em que Myrna implementa seu conhecimento da antropologia social e sua forte vocação para o compromisso social e humano que cresceu a partir de sua juventude.
Durante a década dos anos oitenta a Guatemala sofreu o período mais intenso da guerra interna. O estado desenvolveu neste período, uma implacável repressão política com uma concepção ampla e indiscriminada de "inimigo interno" que afetou os diferentes setores da sociedade civil, estivesse ou não envolvidos com os movimentos insurgentes. A população mais afetadas por essa política de estado era os camponês, particularmente indígena. Homens e mulheres, crianças e idosos foram, sem distinção alguma, vítimas de atrocidades nunca antes vistas na América Latina desde a conquista.

Como resultado desta campanha de terror, a população sobrevivente foi forçado a mudar para áreas florestais ou montanhosas. O mudança foi uma continuação do martírio, a fome e a perseguição que sofriam tiveram como consequência novos confrontos e até morte. Isso tudo representou uma enorme carga emocional que foi adicionado ao abandono em que suas comunidades e famílias estavam vivendo e por vezes, morrendo em extremo sofrimento, bem como a incerteza sobre o destino dos que ficaram vivos.

Foi a consciência deste drama humano e do contato com setores da Igreja Católica próxima a esta população desprezada, o que motivou a AVANCSO e particularmente a Myrna, a envolver-se em pesquisas que permitiria desvendar esta realidade. Foi a revelação destas condições sofrida em que a população viviam o fator determinante que causaram a fuga e impediram o seu regresso. O objetivo final foi o de promover uma política de reinserção com segurança e dignidade.

Por seus compromissos com a população, foi assassinada por dois indivíduos no dia 11 de setembro de 1990, caiu morta por cerca de 27 golpes de faca. O assassinato de Myrna Mack Chang, está intimamente relacionado com o seu pioneiro trabalho de pesquisa acadêmica sobre as populações refugiadas durante o conflito armado interno guatemalteco, e representa não apenas a violação dos mais básicos dos direitos humanos, o direito à vida, mas também é símbolo de uma era de impunidade e repressão em que certas atividades e pontos de vista foram considerados pelos órgãos de segurança Estado como atentados contra a segurança nacional.

Tanto sua vida e seu trabalho profissional, bem como o contexto sócio-político em que ambos se desenvolveram, explica perfeitamente a falta de sentido deste um crime. A luta para investigar, processar e punir todos os responsáveis ​​por este brutal assassinato - tanto físico como intelectual - se tornou uma luta nacional, um paradigma dos principais problemas apresentados nos processos criminais por violações de direitos humanos na administração da justiça da Guatemala.

Texto elaborado por Tonny, da Irmandade dos Mártires da Caminhada em http://irmandadedosmartires.blogspot.com/2017/09/galeria-dos-martires-myrna-mack-chang.html



 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

11 de setembro de 1990 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV