Um Cristo mutilado, símbolo doloroso da guerra, é abençoado pelo Papa Francisco na Colômbia

Revista ihu on-line

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

Junho de 2013 – Cinco Anos depois.Demanda de uma radicalização democrática nunca realizada

Edição: 524

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A esquerda e a reinvenção da política. Um debate

Edição: 523

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

A virada profética de Francisco – Uma “Igreja em saída” e os desafios do mundo contemporâneo

Edição: 522

Leia mais

Mais Lidos

  • As águas do Brasil: o que vem por aí?

    LER MAIS
  • Nicarágua. Carta urgente de Ernesto Cardenal

    LER MAIS
  • Fratura em frente neodesenvolvimentista decretou queda de Dilma, avalia Boito Jr

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Setembro 2017

A sua figura, reduzida a um tronco de cor escura com a cabeça reclinada, torna ainda mais forte o sofrimento terreno e o sacrifício realizado em nome das pessoas. É o Cristo mutilado que será apresentado ao Papa Francisco em Villavicencio, onde o pontífice o abençoaria antes da missa pela reconciliação dessa sexta-feira à tarde, um dos momentos mais esperados da sua visita pastoral.

A reportagem é de Francesco Gagliano, publicada por Il Sismografo, 08-09-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Esse crucifixo – sem braços nem pernas – traz os sinais da guerra civil. Assim como o povo colombiano que se reuniu nessa sexta-feira para ouvir a homilia do pontífice, a sua história está embebida nos mesmos sofrimentos sofridos pelos colombianos em mais de 50 anos de guerrilha.

Foto: César Romero / CNMH

Era o dia 2 de maio de 2002, quando um comando de guerrilheiros das Farc irrompeu no vilarejo de Bojayá, atingindo os civis nas ruas e lançando uma bomba na igreja, onde muitos haviam se refugiado. Luz Marina Cañola, testemunha do ataque, conta que 79 pessoas perderam a vida, muitas das quais eram suas amigas. No chão, junto com as vítimas, ficou também o crucifixo.

A explosão e as metralhas espalhadas privaram-no dos braços e das pernas, desconectado da cruz sobre a qual morreu pelo gênero humano. A comunidade de Bojayá, posteriormente, restaurou a escultura, deixando evidentes os sinais do ataque, para que esse gesto vil nunca seja esquecido.

Agora, a guerra civil terminou. Em novembro passado, as ex-Farc assinaram os acordos de paz com o governo, mas, ainda dois meses antes, durante uma cerimônia privada, as Forças Armadas Revolucionárias pediram perdão aos habitantes de Bojayá por aquilo que havia sido cometido 15 anos antes.

“Devemos nos colocar uns no lugar dos outros”, declarou Marina Cañola, que, em setembro de 2016, havia cantado junto com o coro de Bojayá para saudar os primeiros acordos assinados, “porque, se não formos capazes de perdoar, não poderemos encontrar a reconciliação”.

Sem apagar a memória do que aconteceu, os moradores de Bojayá estão prontos para perdoar os seus agressores e a ver no Papa Francisco aquele que está apoiando e acompanhando o povo da Colômbia no longo caminho para a paz.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Um Cristo mutilado, símbolo doloroso da guerra, é abençoado pelo Papa Francisco na Colômbia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV