República Centro-Africana. “Estão decapitando homens e crianças”, denuncia o bispo de Bangassou

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Os bispos do Sínodo farão um novo “Pacto das Catacumbas” para a Amazônia

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos Gadea

    LER MAIS
  • Críticos não percebem a importância global do Sínodo da Amazônia, afirma Peter Hünermann

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

10 Agosto 2017

As desesperadas mensagens de Juan José Aguirre, o comboniano espanhol que está à frente da diocese centro-africana de Bangassou: “Eles atacaram e saquearam a missão de Gambo; há 50 mortos”.

El obispo Juan José Aguirre Muñoz (Foto: La Stampa)

A reportagem é de Andrea Tornielli, publicada por Vatican Insider, 09-08-2017. A tradução é de André Langer.

Juan José Aguirre Muñoz, de 63 anos, é um bispo comboniano de origem espanhola que vive na República Centro-Africana. Na terça-feira, 08 de agosto, à noite, enviou ao seu irmão Miguel desesperadas mensagens pelo correio eletrônico e no WhatsApp. Miguel, por sua vez, enviou-as a alguns vaticanistas de língua espanhola.

“Eles atacaram uma missão a 75 quilômetros de Bangassou chamada Gambo. Degolaram vários homens e crianças. O ambiente está muito tenso. Os jovens muçulmanos não escutam ninguém e querem brigar e se sentam bem na frente da catedral, para que ninguém passe. Estamos há três domingos sem abrir a catedral, pois ninguém quer entrar”.

Dom Aguirre explicou ao Miguel que no domingo vai para o Congo para celebrar uma missa para os cerca de 10 mil deslocados e disse que não confiava nos soldados da Minusca, a força coordenada pela ONU com tropas africanas.

As milícias cristãs “anti-balaka” chegaram a Gambo. Elas “expulsaram os Seleka anteontem”, os milicianos muçulmanos, “mas ontem (ele estava se referindo à segunda-feira, ndr.) entrou a Minusca egípcia e expulsou os anti-balakas. Por essa razão, os Selekas voltaram e cortaram cerca de 10 gargantas”. O bispo disse que ficou “entrincheirado” com três de seus sacerdotes; todos eles têm telefone celular. “Precisamos das orações de vocês”, escreveu ao seu irmão.

E em seguida, uma nova mensagem: “A missão de Gambo foi saqueada. Houve 50 mortos”. E em outra comunicação Aguirre informou que a missão de Bema também corre o risco de ser atacada.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

República Centro-Africana. “Estão decapitando homens e crianças”, denuncia o bispo de Bangassou - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV