"A verdadeira corrupção é a do mercado", diz Jessé Souza

Revista ihu on-line

Base Nacional Comum Curricular – O futuro da educação brasileira

Edição: 516

Leia mais

Renúncia suprema. O suicídio em debate

Edição: 515

Leia mais

Lutero e a Reforma – 500 anos depois. Um debate

Edição: 514

Leia mais

Mais Lidos

  • Judith Butler: corpos que resistem ao ódio e ao poder

    LER MAIS
  • Papa Francisco sugere reformulação do Pai Nosso. O problema? A tradução da frase 'Não nos deixeis cair em tentação'

    LER MAIS
  • Como 'comportamento de manada' permite manipulação da opinião pública por fakes

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Agosto 2017

"A compreensão do Brasil que a esquerda tem foi construída exatamente pela elite econômica e financeira". A afirmação é do sociólogo Jessé Souza, que lançará o livro A Elite do Atraso – da Escravidão à Lava Jato em setembro.

Ele argumenta, fazendo uma recuperação histórica, que a elite paulistana constrói um aparato simbólico quando perde o Estado para as forças comandadas por Getúlio Vargas na revolução de 1930.

"Ali se monta o bloco antipopular que vai marcar o Brasil moderno. E essa elite foi sofisticada: ela tinha o poder econômico e tinha perdido o poder político. Ela decidiu criar um poder ideológico, para que, mesmo longe do poder político, ela pudesse reconquistá-lo e manter a dominação sobre a sociedade como um todo pelo nível das ideias", elabora.

O autor fez uma apresentação da obra na Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), em Guararema (SP), e conversou com o Brasil de Fato, 08-08-2017. No estudo, Souza trabalha com o surgimento dos termos "patrimonialismo" e "populismo" que, segundo ele, baseiam ideologicamente o neoliberalismo e as críticas ao Estado no país — noções que os partidos de esquerda não conseguiram se desvencilhar.

Para o ex-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), a falta de narrativas facilitou processos de golpes de estado no país todas as vezes em que líderes e partidos populares chegaram ao poder. Como alternativa, o sociólogo aposta na democratização do estado e da mídia e no fortalecimento da TV pública. 

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil.

Eis os principais trechos da conversa:

A Elite do Atraso

O principal aspecto que procurei analisar nesse livro foi a construção da elite econômica e do pacto antipopular que se monta no Brasil depois da libertação dos escravos.

Esse caminho tem que ser reconstruído porque a esquerda foi apropriada em grande medida pela direita. A esquerda pensa com categorias da direita. A compreensão do Brasil que a esquerda tem foi construída exatamente pela elite econômica e financeira.

A elite paulistana constrói um aparato simbólico quando perde o estado para as forças comandadas por Getúlio Vargas na revolução de 1930. Ali se monta o bloco antipopular que vai marcar o Brasil moderno. E essa elite foi sofisticada: ela tinha o poder econômico e tinha perdido o poder político. Ela decidiu criar um poder ideológico, para que, mesmo longe do poder político, ela pudesse reconquistá-lo e manter a dominação sobre a sociedade como um todo pelo nível das ideias.

Essa elite começa a dizer que o grande problema nacional é o patrimonialismo. Esse conceito não é o único, um outro conceito criado na USP [Universidade de São Paulo], na década de 1960, chamado de populismo.

O patrimonialismo e populismo são as duas ideias mais importantes para a dominação conservadora entre nós, porque elas são os dois pilares de um tipo muito específico de liberalismo que se constrói no Brasil e que é extremamente conservador, porque aposta na exaltação do mercado e aposta na falência do estado.

Não só a direita, que é quem recebe as vantagens materiais disso, mas a própria esquerda. O que explica, em grande medida, o fracasso da esquerda quando ela chega ao poder. Ela não reflete, não percebe as implicações que essas ideias para a conduta e para o comportamento político.

O patrimonialismo monta uma história sem pé nem cabeça: que a corrupção do estado vem desde Portugal, que é uma ideia absurda, porque em 1380 não existia corrupção; é uma bobagem histórica dizer isso. A gente tem que dessacralizar essas ideias.

Golpe parlamentar

O golpe não deu certo. Para que você reproduza qualquer acontecimento histórico no tempo, você tem que legitimá-lo. Um golpe que você possa desconstruir; de uma mídia desregulada, de uma elite saqueadora você pode, inclusive em pouco tempo, reverter.

A briga política é um processo e não um estado. Isso tem um prolongamento no tempo. O fato de ele não ser legitimado é fundamental para que ele se reproduza no tempo.

Se você comparar este golpe ao golpe militar, em que as pessoas votavam na Arena [durante a ditadura, eleições para cargos do Legislativo foram realizadas a cada dois anos, embora o poder de decisão fosse transferido ao Executivo], havia crescimento econômico de 10% ao ano. O que é uma coisa muito ambígua. Os trabalhadores do campo foram lembrados pela primeira vez pelos militares por [Emílio] Médici.

A dinâmica deste golpe é completamente outra. É uma dinâmica capitalista-financeira, de sugar tudo o que puder no mais curto espaço de tempo. Esse pessoal está achando que não precisa mais da política. Querem entrar logo e mandar.

É um golpe muito forte na imposição, no curto-prazo, mas a médio e curto prazo ele tende a ser frágil, porque você precisa ganhar a cabeça das pessoas, o coração e a mente das pessoas. E ele não ganhou e, aposto, não vai ganhar.

Ausência de narrativas

A [Operação] Lava Jato deixou a esquerda sem ação por dois anos. A esquerda não tinha uma narrativa para se confrontar à Lava Jato. Estamos pagando pelo que a esquerda não fez.

O que eu acho que deveria ter acontecido era o fortalecimento dos movimentos sociais, muito mais do que houve, por exemplo, do MST [Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra], que, para mim, é, de longe, o movimento popular mais interessante; era preciso ter brigado por uma televisão popular, que eu sei que isso não era percebido sequer como uma coisa importante.

A situação atual é muito, muito pior. Só temos as redes sociais, que é muito importante, mas é um elemento que está sob pressão e sob ataque. A rede social, em grande medida, ainda reproduz as grandes mídias, que não perderam seu poder de pautar o debate. A esquerda não fez sua própria apropriação do que aconteceu.

Eu acho que o erro foi não ter montado, quando [o tema da corrupção] começou a ter uma maior importância, as condições para que se pudesse ter uma reforma política, para que a política não fosse comprada pelo dinheiro. A narrativa que nos faz de imbecil é dizer que a política está sendo comprada por indivíduos. Isso não é verdade: a política é comprada pelos interesses privados organizados no mercado, que é muito diferente disso.

Mas isso nunca foi explicitado. A esquerda nunca montou uma narrativa sobre isso. O único agora que está aproveitando e está tocando nesse tema é o Ciro Gomes [nome cotado para candidatura à Presidência pelo PDT]. Eu acho que o projeto da elite financeira tem que ser reconstruído e tem que ser posto no lugar. É o que estou, modestamente, tentando fazer com a minha contribuição que é o meu livro.

Eu tento contrapor a corrupção dos "tolos" e "imbecis", que somos nós, que é pensar a corrupção como dado da política; e a corrupção real, que é a corrupção do mercado, que compra a política para isso. Deixar isso claro, para mim, é o ponto principal. E aí que você tem um extraordinário mote para desconstruir essa balela de Lava Jato.

Democratização do estado

A esquerda acha que poderia ocupar o poder apenas com um plano econômico. Eu acho que tem que apresentar um plano econômico alternativo. Claro que tem que apresentar. Mas não pode ser apenas isso. Temos que apresentar uma interpretação da sociedade como um todo, que é isso que não estou vendo.

Eu não estou vendo o discurso da classe dominante sendo desconstruído e um outro discurso, sobre qual estado vai ser necessário. O estado participou de um golpe. Isso é um absurdo. As corporações do Ministério Público querem vantagens, dinheiro, privilégios. Isso não pode continuar assim. Onde está esse novo projeto de estado? Se você apresenta só um plano econômico, você vai implementá-lo em qual estado? Tem que ter uma interpretação que seja totalizadora e não apenas um plano econômico.

Raça e classe

É claro que as questões da minoria são fundamentais, mas elas não podem ser desligadas das questões de classe. A classe é a distribuição de riqueza e poder. Quando os movimentos não estão ligados a isso, eles ajudam o capitalismo financeiro — que não quer saber se você é branco, preto, heterossexual ou gay. Ele vai te explorar do mesmo modo e ainda tirar onda de ser emancipador. É um tema muito importante, mas dificílimo.

A classe não é nem a renda, como o liberalismo diz, nem é só o seu lugar na produção, como o marxismo diz. A esquerda, tanto como o liberalismo, percebe a classe como um instante econômico. Mas não é. A classe é o que você recebe do seus pais, da sua família, que vai dar um ponto de partida que vai ser muito semelhante a várias outras pessoas que tem herança familiar, que vai definir que tipo de escola você vai ter e, depois, que tipo de acesso ao mercado de trabalho você vai ter.

No Brasil, por conta do passado escravista, essa classe mais baixa é ligada aos escravos. Então, existe uma ligação entre classe e raça extremamente importante. E, como a classe é invisível, sobre a raça — porque a raça é visível. Então há uma ligação de temas que são raciais, mas também é uma questão de classe. O que facilita para a polícia, porque é uma classe que você persegue enquanto classe.

O fato de a classe ser invisível é o que faz com que a elite possa dominar. Os movimentos identitários da própria classe popular não devem reproduzir essa inviabilização das classes porque elas podem servir para plataformas de curto-prazo. A Rede Globo, por exemplo, é a campeã das lutas identitárias.

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A verdadeira corrupção é a do mercado", diz Jessé Souza - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV