9 de agosto de 1989

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispos latino-americanos levantam a voz pela Amazônia

    LER MAIS
  • Bolsonaro pode ser responsabilizado por crime contra humanidade

    LER MAIS
  • Enquanto Amazônia arde, governistas e ruralistas aprovam mais incentivos à devastação no Senado

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

09 Agosto 2019

Daniel José Espitia Madera. Colombia, †1989.


Líder Campesino e Mártir

Daniel José Espitia Madera foi assassinado a tiros no dia 09 de agosto de 1989 por homens armados que chegaram cerca das 6 da tarde em seu domicílio no distrito de Cantaclaro, Cidade de Monteria, capital do departamento de Córdoba.

Foi assassinado ao abrir a porta em frente aos setes filhos. Ele acabara de chegar de uma reunião de dirigentes sindicais em Córdoba.

Daniel era um membro ativo na Associação Nacional dos Camponeses (ANUC) onde exercia a função de tesoureiro e fazia parte de uma delegação Internacional da ANUC que viajou por vários países da Europa com o objetivo de denunciar a violação dos direitos humanos na Colômbia. No dia de sua morte, devia viajar para Bogotá para a reunião do Comitê Executivo Nacional da ANUC.

Daniel Espitia desempenhou um papel importante na denuncia das violações de direitos humanos na Colômbia, em particular pela denuncia por ele feito da matança dos camponeses ocorrido em Córdoba em 1988.

Segundo os relatórios por ele apresentados, entre os mortos estava seu irmão José Erazo Espitia, e posteriormente seu pai Antonio Espitia foi assassinado dia 21 de junho de 1989 na região de El Tomate por pistoleiros desconhecidos.


Pouco antes de sua morte, Daniel participou do Congresso Nacional dos atingidos pela Guerra Suja, onde esteve como representante dos camponeses de Córdoba. Quando regressou do congresso no início de agosto de 1989 começou a receber ameaças de morte por escrito, presumidamente em consequência de suas denuncias das violações dos direitos humanos.

Daniel segue sendo exemplo do compromisso com as causas da vida para seu povo colombiano.

Texto elaborado por Tonny, da Irmandade dos Mártires da Caminhada.

 



 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

9 de agosto de 1989 - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV